Pre­ços dos ter­re­nos es­ta­be­le­ci­dos por lei

Jornal de Angola - - PARTADA - VICTORINO JOAQUIM |

A ins­ti­tui­ção de um qua­dro le­gal pa­ra cla­ri­fi­car os po­de­res das au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais, em re­la­ção à con­ces­são de di­rei­tos fun­diá­ri­os no país, foi de­fen­di­da on­tem, em Lu­an­da, no ter­mo do seminário na­ci­o­nal so­bre fi­xa­ção de pre­ços e di­rei­tos da ter­ra.

O seminário pro­mo­vi­do pe­lo Mi­nis­té­rio do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção per­mi­tiu en­con­trar a fór­mu­la “sim­ples, cla­ra e uni­for­me”, pa­ra o cál­cu­lo do me­tro qua­dra­do de ter­re­no pe­las dis­tin­tas en­ti­da­des con­ce­den­tes de di­rei­tos fun­diá­ri­os, nas di­ver­sas mo­da­li­da­des pre­vis­tas na Lei da Ter­ra.

Na con­ces­são de di­rei­tos fun­diá­ri­os, os par­ti­ci­pan­tes re­co­men­da­ram a de­fi­ni­ção de uma ta­be­la de pre­ços es­pe­ci­al pa­ra os an­ti­gos com­ba­ten­tes e mi­li­ta­res. De­fen­de­ram a exis­tên­cia de pla­nos de or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio, com vis­ta à de­fi­ni­ção do uso e ocu­pa­ção dos so­los, fa­ci­li­ta­ção e clas­si­fi­ca­ção dos ter­re­nos a se­rem con­ce­di­dos, e ac­tu­a­li­za­ção da car­to­gra­fia do país.

A re­vi­são pon­tu­al da Lei de ter­ras e a fis­ca­li­za­ção das con­ces­sões de ter­ra fo­ram ou­tras recomendações saí­das do seminário, que dis­cu­tiu, en­tre ou­tros, te­mas co­mo o en­qua­dra­men­to so­bre a pro­ble­má­ti­ca da fi­xa­ção de pre­ços na con­ces­são de di­rei­tos fun­diá­ri­os e a ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas pro­ve­ni­en­tes da con­ces­são de di­rei­tos de su­per­fí­cie. Os par­ti­ci­pan­tes con­cluí­ram que há ne­ces­si­da­de dos ser­vi­ços da ad­mi­nis­tra­ção lo­cal do Es­ta­do dis­tin­gui­rem com­pe­tên­ci­as na con­ces­são dos di­rei­tos fun­diá­ri­os, em­bo­ra es­te­ja ti­pi­fi­ca­do na Lei de Ter­ra. A exis­tên­cia de um ele­va­do nú­me­ro de au­to­ri­da­des, que con­ce­dem ter­re­nos sem dis­po­rem de com­pe­tên­cia pa­ra o efei­to, tam­bém pre­o­cu­pou os par­ti­ci­pan­tes no seminário. Pa­ra de­ter­mi­nar o pre­ço dos ter­re­nos fun­diá­ri­os, o seminário de­ter­mi­nou a ob­ser­va­ção de va­lên­ci­as co­mo a clas­si­fi­ca­ção, lo­ca­li­za­ção, fi­na­li­da­de, grau de de­sen­vol­vi­men­to, pra­zo de con­ces­são e in­fra-es­tru­tu­ras.

A mi­nis­tra do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção dis­se na aber­tu­ra do seminário que na sua di­men­são ju­rí­di­ca, a pro­ble­má­ti­ca da ter­ra não po­de dei­xar de ser tra­ta­da de for­ma in­te­gra­da e em fun­ção dos seus múl­ti­plos usos.

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to apon­tou os ter­re­nos ur­ba­nos in­te­gra­dos no do­mí­nio pri­va­do do Es­ta­do ou das au­tar­qui­as lo­cais, as pe­que­nas par­ce­las in­su­fi­ci­en­tes pa­ra cons­tru­ção re­gu­lar, os ter­re­nos con­ce­di­dos por afo­ra­men­to ou ar­ren­da­men­to, co­mo os que po­dem ser su­jei­tos a ven­da.

DOMBELE BERNARDO

Mi­nis­tra do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to in­ter­veio na ses­são de aber­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.