Chi­ne­ses em de­fe­sa do Am­bi­en­te

Jornal de Angola - - PARTADA - CATY ARÉVALO |

A re­cen­te vi­tó­ria de Do­nald Trump, um ne­ga­ci­o­nis­ta do aque­ci­men­to glo­bal, cau­sou de­si­lu­são na Cú­pu­la do Cli­ma de Mar­ra­que­xe (COP22), ape­sar de a mai­o­ria dos paí­ses te­rem re­a­fir­ma­do o seu apoio a uma lu­ta con­tra a mu­dan­ça cli­má­ti­ca que a Chi­na pa­re­ce ago­ra dis­pos­ta a li­de­rar.

“Ne­nhum mo­vi­men­to do governo dos Es­ta­dos Uni­dos vai de­ter a tran­si­ção da Chi­na ru­mo a uma eco­no­mia de bai­xo car­bo­no”, ga­ran­tiu à im­pren­sa amon­to­a­da no pa­vi­lhão do gi­gan­te asiá­ti­co na COP22 um mem­bro da de­le­ga­ção chi­ne­sa em Mar­ra­que­xe.

“Es­ta tran­si­ção é um mo­vi­men­to im­pa­rá­vel que não vai de­ter-se por­que há um no­vo governo nos Es­ta­dos Uni­dos; os es­for­ços da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal na lu­ta con­tra a mu­dan­ça cli­má­ti­ca não vão pa­rar”, re­for­çou.

Uma ne­go­ci­a­do­ra da União Eu­ro­peia, no en­tan­to, re­co­nhe­ceu que a vi­tó­ria elei­to­ral de Trump caiu “co­mo um bal­de de água fria” na quar­ta­fei­ra pas­sa­da na cú­pu­la de Mar­ra­que­xe, on­de ne­go­ci­a­do­res de cer­ca de 200 paí­ses de­ba­tem so­bre o “li­vro de re­gras” que re­ge­rá o Acordo de Paris, que aca­ba de en­trar em vi­gor.

Es­ta fon­te lem­brou com pre­o­cu­pa­ção co­mo a saí­da do Pro­to­co­lo de Kyo­to do ex-pre­si­den­te ame­ri­ca­no Ge­or­ge Bush "in­ci­tou" a de­ban­da­da de um pu­nha­do de paí­ses de­sen­vol­vi­dos.

O no­vo pre­si­den­te elei­to dos Es­ta­dos Uni­dos ex­pres­sou pu­bli­ca­men­te que a mu­dan­ça cli­má­ti­ca é “uma far­sa in­ven­ta­da pe­los chi­ne­ses pa­ra ga­nhar com­pe­ti­ti­vi­da­de”, e pro­me­teu na sua cam­pa­nha que can­ce­la­ria a ra­ti­fi­ca­ção do Acordo de Paris e os pa­ga­men­tos a to­dos os pro­gra­mas de mu­dan­ça cli­má­ti­ca da ONU pro­me­ti­dos pe­lo governo de Ba­rack Oba­ma.

Trump já anun­ci­ou tam­bém no sá­ba­do que en­tre as su­as pri­mei­ras dez me­di­das ao che­gar à Ca­sa Bran­ca es­ta­rá o can­ce­la­men­to dos pró­xi­mos pa­ga­men­tos aos pro­gra­mas cli­má­ti­cos.

Es­sa de­ci­são re­pre­sen­ta­ria um gra­ve gol­pe pa­ra os paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, já que os Es­ta­dos Uni­dos, jun­ta­men­te com a UE e a No­ru­e­ga, é um dos mai­o­res do­a­do­res em fi­nan­ci­a­men­to cli­má­ti­co, com três mil mi­lhões de dó­la­res com­pro­me­ti­dos até 2020 só pa­ra um dos seus me­ca­nis­mos, o Fun­do Ver­de, dos quais a ad­mi­nis­tra­ção Oba­ma só pa­gou 500 mi­lhões até ao mo­men­to.

Ana­lis­tas da fun­da­ção ame­ri­ca­na Word Re­sour­ces Ins­ti­tu­te pre­sen­tes em Mar­ra­que­xe ex­pli­ca­ram que sair do Acordo de Paris uma vez já ra­ti­fi­ca­do sig­ni­fi­ca­ria pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos ini­ci­ar um trâ­mi­te que du­ra­ria pe­lo me­nos qua­tro anos.

Por­tan­to, a úni­ca ma­nei­ra de po­der fa­zer is­so sen­do Trump o pre­si­den­te se­ria aban­do­nan­do a pró­pria con­ven­ção de mu­dan­ça cli­má­ti­ca da ONU, à qual os Es­ta­dos Uni­dos per­ten­cem des­de a sua cri­a­ção em 1992.

“Acre­di­to que de­ve­mos es­pe­rar pa­ra ver se fi­nal­men­te Trump to­ma­rá efec­ti­va­men­te es­sa de­ci­são e ver a ma­nei­ra de con­du­zi-la com a ad­mi­nis­tra­ção ame­ri­ca­na.

A nos­sa in­ten­ção é que to­dos si­gam a bor­do do Acordo de Paris, que é um pac­to uni­ver­sal”, de­cla­rou a che­fe de mu­dan­ça cli­má­ti­ca da ONU, Pa­trí­cia Es­pi­no­sa.

“O Acordo de Paris não vai dei­xar de fun­ci­o­nar por­que uma das par­tes po­de sair, o res­to dos paí­ses es­tá aqui pa­ra as­se­gu­rar que vai se­guir adi­an­te e es­ta­mos con­ven­ci­dos que os ci­da­dãos ame­ri­ca­nos es­tão ple­na­men­te com­pro­me­ti­dos com es­ta lu­ta con­tra o mai­or pro­ble­ma que a hu­ma­ni­da­de en­fren­ta”, sa­li­en­tou o pre­si­den­te da COP22, o mar­ro­qui­no Sa­lah ad-Din Me­zu­ar.

A mai­o­ria dos gru­pos ne­go­ci­a­do­res, in­clu­si­ve a de­le­ga­ção rus­sa, sus­ten­ta que, por mais pa­ra­do­xal que pa­re­ça, a vi­tó­ria do ne­ga­ci­o­nis­ta Trump re­for­çou a in­ten­ção dos paí­ses de tra­ba­lhar jun­tos pa­ra com­ba­ter a mu­dan­ça cli­má­ti­ca, um as­sun­to que vai mui­to além de quem ocu­par a Ca­sa Bran­ca du­ran­te os pró­xi­mos qua­tro anos.

Res­ta ver, no en­tan­to, quem li­de­ra­rá a tran­si­ção ru­mo a uma eco­no­mia de bai­xo car­bo­no e li­vre de com­bus­tí­veis fós­seis pac­tu­a­da pe­los paí­ses por meio do Acordo de Paris e que nos úl­ti­mos anos ti­nha os Es­ta­dos Uni­dos co­mo seu prin­ci­pal de­fen­sor.

Te­re­sa Ri­be­ra, di­rec­to­ra do Ins­ti­tu­to pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel e as Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais, con­si­de­ra que mui­to pro­va­vel­men­te se­rá a Chi­na, um país que “fez da lu­ta con­tra a mu­dan­ça cli­má­ti­ca a mai­or apos­ta eco­nó­mi­ca e in­dus­tri­al do seu de­sen­vol­vi­men­to”.

AFP

Con­fe­rên­cia de im­pren­sa con­jun­ta du­ran­te a ci­mei­ra in­ter­na­ci­o­nal so­bre o cli­ma COP22

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.