CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ARSÉNIO ANTUNES AFONSO MAQUIADI HELENA ANTÓNIO LUÍS FIGUEIRA

Fis­ca­li­za­ção de obras

Fa­la-se mui­to em obras no nos­so país, mui­tas de­las pa­gas com o di­nhei­ro do Es­ta­do. O Es­ta­do tem in­ves­ti­do mui­to em in­fra-es­tru­tu­ras, sen­do do­no de mui­tas obras que nem sem­pre são bem exe­cu­ta­das. Es­pe­ro que, de­pois de se ter cons­ta­ta­do mui­tas ir­re­gu­la­ri­da­des na exe­cu­ção de obras ao lon­go de mui­tos anos, se co­me­ce a mu­dar de ati­tu­de em re­la­ção aos que pre­ju­di­cam o Es­ta­do, e,con­se­quen­te­men­te, os ci­da­dãos.

Den­tro de cer­ca de mês e meio o ano ter­mi­na e oxa­lá que mui­ta coi­sa mu­de em 2017. Não po­de­mos con­ti­nu­ar a con­des­cen­der com prá­ti­cas ile­gais. As obras do Es­ta­do cus­tam mui­to di­nhei­ro e es­te di­nhei­ro tem de tra­du­zir-se em em­pre­en­di­men­tos bem fei­tos. De­ve ha­ver mai­or fis­ca­li­za­ção do que se faz a ní­vel das obras do Es­ta­do. O Es­ta­do não po­de es­tar sem­pre a per­der. E tem per­di­do mui­tos mi­lhões de dó­la­res em obras mal fei­tas, sem que nin­guém se­ja res­pon­sa­bi­li­za­do. Por ou­tro la­do, há obras que de­mo­ram de­ma­si­a­do tem­po pa­ra se­rem exe­cu­ta­das, não se cum­prin­do os pra­zos es­ta­be­le­ci­dos nos con­tra­tos ce­le­bra­dos en­tre o Es­ta­do e as em­prei­tei­ras.

Si­tu­a­ção na RDC

Sou um an­go­la­no que vi­veu mui­tos anos na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, on­de me re­fu­gi­ei no tem­po co­lo­ni­al. Na RDC, apren­di a lín­gua mui­ta fa­la­da nes­te país, o lin­ga­la, fiz os meus es­tu­dos pri­má­ri­os e se­cun­dá­ri­os e mui­tos ami­gos. Fi­quei mui­to tris­te quan­do me aper­ce­bi que há mais uma cri­se no Con­go De­mo­crá­ti­co, um país que, qu­an­to a mim, tem tu­do pa­ra ser um gran­de país. Es­pe­ro que os po­lí­ti­cos do Con­go De­mo­crá­ti­co, com a ajuda da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, re­pre­sen­ta­da pe­la ONU, con­si­gam re­sol­ver ra­pi­da­men­te os seus pro­ble­mas.

A co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal tem cons­ci­ên­cia de que a ins­ta­bi­li­da­de no Con­go De­mo­crá­ti­co po­de ge­rar ou­tros pro­ble­mas em to­da a re­gião em que es­te país es­tá in­se­ri­do. É ur­gen­te que se fa­çam es­for­ços pa­ra se evi­tar um con­fli­to de gran­des pro­por­ções na RDC. Nós, an­go­la­nos, não que­re­mos que os nos­sos ir­mãos do Con­go De­mo­crá­ti­co en­trem em con­fli­to. A vi­o­lên­cia só cau­sa mui­to so­fri­men­to e agra­va a nos­sa po­bre­za. Os an­go­la­nos já vi­ve­ram uma guer­ra de lon­ga du­ra­ção e sa­bem o va­lor que tem a paz. Só há de­sen­vol­vi­men­to com a paz. Que os nos­sos ir­mãos do Con­go De­mo­crá­ti­co apren­dam as li­ções da His­tó­ria e não re­pi­tam er­ros co­me­ti­dos no pas­sa­do, no seu país e fo­ra de­le.

Abas­te­ci­men­to de água

Mui­tos mo­ra­do­res do bair­ro Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, no Dis­tri­to Ur­ba­no da Mai­an­ga, es­tão an­si­o­sos pe­lo iní­cio do abas­te­ci­men­to de água, de­pois que fo­ram re­a­li­za­das obras no sen­ti­do de mais ha­bi­tan­tes des­sa área te­rem aces­so a es­te pro­du­to pre­ci­o­so. Mui­tos mo­ra­do­res do bair­ro Sa­gra­da Es­pe­ran­ça con­ti­nu­am a gas­tar mui­to di­nhei­ro pa­ra en­che­rem os seus tan­ques de água e es­pe­ram que es­ta si­tu­a­ção aca­be com a ins­ta­la­ção de mais con­du­tas que vão po­der abas­te­cer água a mui­tas re­si­dên­ci­as do Sa­gra­da Es­pe­ran­ça. Es­pe­ro que a pren­da de Na­tal des­te ano pa­ra os mo­ra­do­res do meu bair­ro se­ja o abas­te­ci­men­to de água a to­da a área. Acre­di­to na ca­pa­ci­da­de das nos­sas au­to­ri­da­des pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma do abas­te­ci­men­to de água po­tá­vel e apro­vei­to pa­ra elo­gi­ar os es­for­ços que a Epal tem fei­to pa­ra for­ne­cer es­te pro­du­to a to­dos os ci­da­dãos da nos­sa gran­de ca­pi­tal, Lu­an­da.

For­ma­ção pro­fis­si­o­nal

Mui­tos jo­vens es­tão de­sem­pre­ga­dos, mes­mo de­pois de te­rem con­cluí­do o en­si­no mé­dio e o su­pe­ri­or. Acon­te­ce que mui­tos dos cur­sos que es­tes jo­vens fi­ze­ram não têm si­do so­li­ci­ta­dos por en­ti­da­des em­pre­ga­do­ras, o que faz com que mui­tos de­les op­tem por fa­zer for­ma­ção pro­fis­si­o­nal nou­tros ra­mos do sa­ber. É bom co­nhe­cer a es­tru­tu­ra do mer­ca­do do tra­ba­lho, pa­ra que pos­sa­mos sa­ber em que me­di­da po­de­mos ter uma opor­tu­ni­da­de pa­ra con­se­guir um em­pre­go.

CASIMIRO PEDRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.