Dro­ne que lan­ça gra­na­das já é uti­li­za­do em Mos­sul

Jornal de Angola - - OPINIÃO - MAX DELANY |

O dro­ne é po­si­ci­o­na­do por ci­ma das for­ças ira­qui­a­nas an­tes de lar­gar a sua gra­na­da: os dis­po­si­ti­vos não tri­pu­la­dos tor­na­ram-se uma arma pa­ra o gru­po Es­ta­do Islâmico (EI) na de­fe­sa de Mos­sul.

A gra­na­da ex­plo­diu ao to­car no te­lha­do do edi­fí­cio on­de es­ta­vam es­con­di­dos po­lí­ci­as ira­qui­a­nos que par­ti­ci­pam na ofen­si­va pa­ra re­con­quis­tar a se­gun­da mai­or ci­da­de do Ira­que. Ne­nhum de­les foi fe­ri­do, de acordo com um ofi­ci­al. Mas es­ta ex­plo­são re­pre­sen­ta uma es­ca­la­da nas ame­a­ças en­fren­ta­das pe­las for­ças ira­qui­a­nas fren­te às tác­ti­cas de guer­ri­lha usa­das pe­lo EI.

Os ex­tre­mis­tas is­lâ­mi­cos com­pen­sam a sua in­fe­ri­o­ri­da­de em nú­me­ro e em re­cur­sos com en­ge­nho­si­da­de e efei­to sur­pre­sa. Eles são, por­tan­to, mes­tres em trans­for­mar ob­jec­tos da vi­da diá­ria em ex­plo­si­vos, tais co­mo elec­tro­do­més­ti­cos ou veí­cu­los, di­mi­nuin­do subs­tan­ci­al­men­te o avan­ço das for­ças ira­qui­a­nas.

Eles ago­ra pa­re­cem ter en­con­tra­do uma ma­nei­ra de ata­car pe­lo céu, com es­tes dro­nes que cus­tam mil dó­la­res em lo­jas ou na in­ter­net.

Os ar­tí­fi­ces do Es­ta­do Islâmico ar­ma­ram es­ses pe­que­nos dis­po­si­ti­vos uti­li­zan­do uma es­pé­cie de gan­cho que, ope­ra­do re­mo­ta­men­te, li­ber­ta a gra­na­da.

“Nós re­gis­tá­mos três in­ci­den­tes” com um me­ca­nis­mo des­te ti­po, in­for­mou o te­nen­te-co­ro­nel Hus­sein Mo­ayyad.

So­bre­tu­do pa­ra vi­gi­lân­cia

Es­tes ata­ques, bas­tan­te rús­ti­cos, têm si­do ine­fi­ca­zes em ter­mos de da­nos, mas os dro­nes do EI já cau­sa­ram mor­tes.

Em 2 de Ou­tu­bro, dois com­ba­ten­tes cur­dos fo­ram mor­tos e dois co­man­dos fran­ce­ses fe­ri­dos na ex­plo­são de um dis­po­si­ti­vo aé­reo em Er­bil, ca­pi­tal do Cur­dis­tão ira­qui­a­no.

De acordo com uma au­to­ri­da­de da De­fe­sa ame­ri­ca­na, tra­tou-se de um “avião cons­truí­do em po­li­es­ti­re­no”, do ti­po que é ven­di­do em lo­jas de ae­ro­mo­de­los.

O ex­plo­si­vo es­ta­va, apa­ren­te­men­te, “na ba­te­ria” e a ex­plo­são pa­re­ce ter si­do dis­pa­ra­da por um “ti­mer” e não por con­tro­lo re­mo­to.

O dis­po­si­ti­vo foi en­con­tra­do no chão por com­ba­ten­tes pesh­mer­gas e, em se­gui­da, le­va­do pa­ra o acam­pa­men­to. Ele ex­plo­diu en­quan­to os pesh­mer­gas ten­ta­vam fo­to­gra­fá-lo, de acordo com a au­to­ri­da­de ame­ri­ca­na. O co­ro­nel John Dor­ri­an, por­ta-voz mi­li­tar da co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal, ha­via in­di­ca­do que o EI usa dro­nes de ma­nei­ra “bas­tan­te co­mum” pa­ra vi­gi­lân­cia. Mas eles não re­pre­sen­tam “uma ame­a­ça exis­ten­ci­al” e “não têm im­pac­to es­tra­té­gi­co”, acres­cen­tou.

Es­tes pe­que­nos dro­nes co­mer­ci­ais não po­dem, de fac­to, car­re­gar ex­plo­si­vos su­fi­ci­en­tes pa­ra re­pre­sen­tar uma ame­a­ça ver­da­dei­ra­men­te sig­ni­fi­ca­ti­va mi­li­tar­men­te, de acordo com a au­to­ri­da­de ame­ri­ca­na.

As for­ças ira­qui­a­nas tam­bém adop­ta­ram o dro­ne pa­ra mo­ni­to­ri­zar os mo­vi­men­tos do EI.

Num ca­mião trans­for­ma­do em cen­tro de con­tro­lo, o te­nen­te-co­ro­nel Mo­ayyad acom­pa­nha em tem­po re­al as ima­gens das po­si­ções jiha­dis­tas a cin­co qui­ló­me­tros de dis­tân­cia. “Eu que­ro ago­ra uti­li­zá-los na zo­na de pe­ri­go, on­de o Da­e­ch es­tá ac­ti­vo”, diz ele, usan­do a si­gla em ára­be pa­ra EI.

O ofi­ci­al ira­qui­a­no, gra­du­a­do em ci­ên­cia de com­pu­ta­do­res, mo­di­fi­cou os dro­nes com­pra­dos no Du­bai e na Tur­quia pa­ra me­lho­rar a sua au­to­no­mia de voo, a du­ra­ção da sua ba­te­ria e ca­pa­ci­da­de de fo­to­gra­far à noi­te.

Quan­do no­ta mo­vi­men­tos do ini­mi­go, en­tra em con­tac­to com a ar­ti­lha­ria ou a avi­a­ção ira­qui­a­na e, por ve­zes, com a co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal, pa­ra or­ga­ni­zar ata­ques.

Ape­sar da su­pe­ri­o­ri­da­de mi­li­tar, ele quer que o exér­ci­to en­con­tre ma­nei­ras pa­ra me­lhor mo­ni­to­ri­zar ob­jec­tos vo­a­do­res sus­pei­tos. Por­que “tal­vez o EI ve­nha a equi­par-se com aviões mai­o­res” e “se tor­nar­se-ia mais pre­o­cu­pan­te ain­da se os equi­pas­sem com ar­mas quí­mi­cas.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.