Diá­lo­go po­lí­ti­co en­tra nu­ma fa­se de­ci­si­va

Ne­go­ci­a­ções pa­ra ces­sa­ção das hos­ti­li­da­des re­to­ma­das em Ma­pu­to du­as se­ma­nas de­pois

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

O diá­lo­go po­lí­ti­co en­tre o Governo mo­çam­bi­ca­no, li­de­ra­do pe­la Fren­te de Li­ber­ta­ção de Moçambique (Fre­li­mo), e a mai­or for­ça política da opo­si­ção, a Re­sis­tên­cia Na­ci­o­nal de Moçambique (Re­na­mo), pa­ra a ces­sa­ção das hos­ti­li­da­des em Moçambique, re­to­ma­do on­tem após um in­ter­reg­no de du­as se­ma­nas, en­tra nu­ma fa­se de­ci­si­va e na qual se es­pe­ram acor­dos so­bre as gran­des ques­tões que di­vi­dem o país e es­tão na ba­se da ac­tu­al ten­são po­lí­ti­co-mi­li­tar.

A quin­ta ron­da tem co­mo gran­de pon­to da agen­da a cla­ri­fi­ca­ção dos po­si­ci­o­na­men­tos do Governo mo­çam­bi­ca­no e da Re­na­mo so­bre a pro­pos­ta de des­cen­tra­li­za­ção sub­me­ti­da na ron­da an­te­ri­or pe­los me­di­a­do­res es­tran­gei­ros con­vi­da­dos a par­ti­ci­par no diá­lo­go po­lí­ti­co.

A pro­pos­ta tem o que os me­di­a­do­res es­tran­gei­ros con­si­de­ram “uma res­pos­ta de meio-ter­mo” à prin­ci­pal rei­vin­di­ca­ção da mai­or for­ça política da opo­si­ção - go­ver­nar seis pro­vín­ci­as on­de o lí­der da Re­na­mo, Afonso Dh­la­ka­ma, rei­vin­di­ca vi­tó­ria nas elei­ções le­gis­la­ti­vas de 2014 - e es­ta­be­le­ce, de acordo com os me­di­a­do­res in­ter­na­ci­o­nais, “um re­gi­me de go­ver­na­ção com mais po­de­res pa­ra os go­ver­nos pro­vin­ci­ais”.

O do­cu­men­to, que es­tá em pos­se dos man­da­tá­ri­os das equi­pas da co­mis­são mis­ta, é con­si­de­ra­do “es­sen­ci­al pa­ra o res­ta­be­le­ci­men­to de uma paz efec­ti­va e du­ra­dou­ra no país” pe­los me­di­a­do­res es­tran­gei­ros, que de­fen­dem que a apro­va­ção da pro­pos­ta con­duz “ao es­ta­be­le­ci­men­to de tré­guas, ces­sar-fo­go efec­ti­vo e des­mi­li­ta­ri­za­ção das cha­mas for­ças re­si­du­ais da Re­na­mo”.

Mas ape­sar das ex­pec­ta­ti­vas po­si­ti­vas da me­di­a­ção es­tran­gei­ra que já não es­con­de si­nais de fa­di­ga de­vi­do a in­tran­si­gên­cia das par­tes ver a pro­pos­ta aco­lhi­da pe­lo Governo mo­çam­bi­ca­no e a Re­na­mo, tu­do con­ti­nua em aber­to.

Ana­lis­tas re­fe­rem que a ala mais con­ser­va­do­ra da Fre­li­mo con­si­de­ra a ques­tão da des­cen­tra­li­za­ção “ina­li­e­ná­vel” por na sua óp­ti­ca por em cau­sa “al­guns prin­cí­pi­os da uni­ci­da­de do Es­ta­do e da pró­pria uni­da­de na­ci­o­nal”, e a Re­na­mo a tem co­mo o gran­de “ca­va­lo de ba­ta­lha”, ra­zão pe­la qual a mai­or for­ça política da opo­si­ção não pa­re­ce não es­tar dis­pos­ta a ce­der.

Diá­lo­go re­to­ma­do

A co­mis­são mis­ta com­pos­ta por mem­bros do Governo e da Re­na­mo, que pre­pa­ra o en­con­tro en­tre o Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no, Fi­li­pe Nyu­si, e o lí­der da­que­le par­ti­do, Afonso Dh­la­ka­ma, re­to­mou, on­tem, em Ma­pu­to, após in­ter­reg­no de du­as se­ma­nas, a quin­ta ron­da do diá­lo­go po­lí­ti­co pa­ra a ces­sa­ção das hos­ti­li­da­des mi­li­ta­res. O diá­lo­go é re­to­ma­do após im­pren­sa lo­cal no­ti­ci­ar que as du­as par­tes com­pro­me­te­ram-se a apre­sen­tar uma res­pos­ta for­mal à pro­pos­ta dos me­di­a­do­res es­tran­gei­ros apre­sen­ta­da na quar­ta ron­da do diá­lo­go, que ter­mi­nou com di­ver­gên­ci­as so­bre a in­te­gra­ção dos guer­ri­lhei­ros da Re­na­mo no apa­re­lho mi­li­tar e so­bre a exi­gên­cia do par­ti­do go­ver­nar em seis pro­vín­ci­as on­de re­cla­ma vi­tó­ria nas elei­ções ge­rais de 2014.

An­tes do fi­nal da quar­ta ron­da, em 28 de Ou­tu­bro, os me­di­a­do­res es­tran­gei­ros en­tre­ga­ram às par­tes uma pro­pos­ta so­bre o pro­ces­so de des­cen­tra­li­za­ção, a ser sub­me­ti­do ao Par­la­men­to, e um ro­tei­ro pa­ra a abor­da­gem dos pon­tos da agen­da por dis­cu­tir.

Cri­se de con­fi­an­ça

A fal­ta de con­fi­an­ça en­tre as par­tes é, pa­ra Ma­rio Raf­fa­e­li, co­or­de­na­dor da equi­pa de me­di­a­do­res es­tran­gei­ros con­vi­da­da a par­ti­ci­par no diá­lo­go po­lí­ti­co, o gran­de en­tra­ve pa­ra o su­ces­so das ne­go­ci­a­ções.

O ex-Pre­si­den­te Joaquim Chis­sa­no con­si­de­ra que a exi­gên­cia da RE­NA­MO de go­ver­nar nas pro­vín­ci­as on­de rei­vin­di­ca vi­tó­ria nas elei­ções ge­rais de 2014 de­ve ser par­te de um de­ba­te pro­fun­do so­bre o sis­te­ma po­lí­ti­co mo­çam­bi­ca­no.

Pa­ra Gra­ça Ma­chel, viú­va dos Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no e sul-africano Sa­mo­ra Ma­chel e Nel­son Man­de­la, a gé­ne­se do con­fli­to po­lí­ti­co e mi­li­tar “é a adop­ção de uma pos­tu­ra pou­co to­le­ran­te e fe­cha­da, que mar­cou a go­ver­na­ção de Ar­man­do Gu­e­bu­za”, que em 2005 su­ce­deu a Joaquim Chis­sa­no na Che­fia do Es­ta­do.

Moçambique, de­fen­de Gra­ça Ma­chel, pre­ci­sa de rein­ven­tar os seus pró­pri­os mo­de­los, res­pei­tan­do a di­nâ­mi­ca e as exi­gên­ci­as dos no­vos tem­pos, den­tro de um cli­ma de to­le­rân­cia e trans­pa­rên­cia pa­ra ga­ran­tir o fu­tu­ro dos mo­çam­bi­ca­nos.

Moçambique co­me­mo­rou es­te ano o 24.º ani­ver­sá­rio do Acordo Ge­ral de Paz, as­si­na­do em 1992, em Ro­ma, ca­pi­tal ita­li­a­na, pe­lo en­tão Che­fe de Es­ta­do, Joaquim Chis­sa­no, e pe­lo até ho­je lí­der da Re­na­mo, Afonso Dh­la­ka­ma, em am­bi­en­te de guer­ra e nu­ma al­tu­ra em que o país vol­ta a vi­ver con­fron­tos ar­ma­dos.

FRANCISCO BERNARDO

Si­tu­a­ção em Moçambique con­ti­nua num im­pas­se de­vi­do às es­ca­ra­mu­ças pro­vo­ca­das por guer­ri­lhei­ros da mai­or for­ça política da opo­si­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.