Bi­o­com su­pe­ra a me­ta na pro­du­ção de açú­car

Es­for­ços vi­sam abra­çar a es­tra­té­gia do Governo de au­men­to da pro­du­ti­vi­da­de pa­ra re­du­zir as im­por­ta­ções

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

A Companhia de Bioenergia de An­go­la (Bi­o­com) atin­giu a mar­ca de 51.514 to­ne­la­das de açú­car na cam­pa­nha 2016-2017, su­pe­ran­do a me­ta es­ta­be­le­ci­da pa­ra es­te ano, de 47 mil to­ne­la­das, no qua­dro dos es­for­ços que os mais de dois mil tra­ba­lha­do­res fi­ze­ram, pa­ra se jun­ta­rem à es­tra­té­gia do Governo de au­men­to da pro­du­ção pa­ra a re­du­ção das im­por­ta­ções.

Ape­sar da quan­ti­da­de re­pre­sen­tar ape­nas um quin­to da ca­pa­ci­da­de má­xi­ma da pro­du­ção es­ta­be­le­ci­da pa­ra es­ta pri­mei­ra fa­se de im­plan­ta­ção da uni­da­de in­dus­tri­al, lo­ca­li­za­da no mu­ni­cí­pio de Ca­cu­so, pro­vín­cia de Ma­lan­je, nu­ma área de con­ces­são de 80 mil hec­ta­res, dos quais 15.500 já em ex­plo­ra­ção, a ad­mi­nis­tra­ção do pro­jec­to adi­an­ta que 2016 foi um ano mui­to pro­du­ti­vo. “Su­pe­rá­mos a me­ta num am­bi­en­te de di­fi­cul­da­des, re­sul­tan­te da cri­se que o país vi­ve”, dis­se o di­rec­tor de pro­du­ção Mar­co Bran­dão.

Com uma ca­pa­ci­da­de má­xi­ma diá­ria de pro­du­ção a va­ri­ar en­tre 30 a 40 mil sa­cos, a em­pre­sa es­tá com uma pro­du­ção diá­ria en­tre oi­to e dez mil sa­cos, em fun­ção da ma­té­ria-pri­ma dis­po­ní­vel pa­ra es­ta cam­pa­nha, que ter­mi­na em Mar­ço de 2017.

“Es­te su­ces­so, que re­si­de no tra­ba­lho de uma equi­pa com for­ma­ção con­tí­nua, dis­ci­pli­na­da e de­di­ca­da, per­mi­te au­men­tar os ní­veis de con­fi­an­ça e op­ti­mis­mo da ad­mi­nis­tra­ção e dos tra­ba­lha­do­res que pre­ten­dem, na cam­pa­nha 2020-2021, atin­gir a ca­pa­ci­da­de to­tal ins­ta­la­da, pa­ra pro­ces­sar anu­al­men­te 256 mil to­ne­la­das de açú­car cris­ta­li­no bran­co, com a mar­ca Ka­pan­da, o que de­ve re­du­zir as im­por­ta­ções em mais de 50 por cen­to, uma vez que o con­su­mo anu­al do país ron­da 400 mil to­ne­la­das”, afir­mou Mar­co Bran­dão.

Na cam­pa­nha pas­sa­da, a Bi­o­com ob­te­ve uma pro­du­ção de 24.770 to­ne­la­das de açú­car, 10.243 me­tros cú­bi­cos de eta­nol e ge­rou 42 mil me­gawatts de energia eléctrica. Mar­co Bran­dão, res­pon­sá­vel por to­do o pro­ces­so pro­du­ti­vo da Bi­o­com, re­ve­lou à equi­pa de jor­na­lis­tas an­go­la­nos que se des­lo­cou ao pro­jec­to pa­ra tes­te­mu­nhar o en­cer­ra­men­to da co­lhei­ta da ca­na-de-açú­car 2016-2017 que, pa­ra a uni­da­de fa­bril atin­gir a pro­du­ção de 256 mil to­ne­la­das de açú­car-ano a par­tir de 2020, são ne­ces­sá­ri­os 40 mil hec­ta­res de área plan­ta­da, tra­ba­lho que es­tá a ser fei­to di­a­ri­a­men­te.

Pa­ra a cam­pa­nha 2016-2017, a pro­du­ção de eta­nol, sub­pro­du­to do açú­car, che­gou a 13.085 me­tros cú­bi­cos e a ge­ra­ção de energia eléctrica a 38.589 me­gawatts-ho­ra. Em 2020, quan­do a plan­ta in­dus­tri­al pu­der atin­gir o pi­co de pro­du­ção de açú­car, a fá­bri­ca vai pro­du­zir 235 mil me­gawatts de energia e 33 mil me­tros cú­bi­cos de eta­nol, o que po­de con­tri­buir pa­ra a segurança ener­gé­ti­ca do país e au­men­tar a ofer­ta de ál­co­ol etí­li­co no mer­ca­do an­go­la­no.

Ex­pe­ri­ên­cia

O tra­ba­lho de plan­ta­ção da ca­na­de-açú­car de va­ri­e­da­des do Bra­sil, da África do Sul e de An­go­la nes­ta uni­da­de agro-in­dus­tri­al, in­se­ri­da no Pó­lo de De­sen­vol­vi­men­to AgroIn­dus­tri­al de Ca­pan­da, nas mar­gens do rio Kwan­za, co­me­çou em 2012, uma ac­ti­vi­da­de fei­ta por an­go­la­nos e bra­si­lei­ros en­vol­vi­dos no pro­jec­to. Já a pro­du­ção ex­pe­ri­men­tal de açú­car, na uni­da­de in­dus­tri­al, que tam­bém pro­duz eta­nol e energia eléctrica, co­me­çou em 2014. Nes­te ano agrí­co­la, a área to­tal plan­ta­da com ca­na-de-açú­car atin­giu 15 mil e 500 hec­ta­res, mas, até 31 de Mar­ço, fi­nal da cam­pa­nha 2016/2017, o cam­po cul­ti­vá­vel se­rá alar­ga­do pa­ra 19 mil hec­ta­res, um tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do di­a­ri­a­men­te por ho­mens e má­qui­nas que trans­for­mam es­te ter­ri­tó­rio, an­te­ri­or­men­te do­mi­na­do por enor­mes ár­vo­res, num es­pa­ço bal­dio, a fim de dar lu­gar a um gran­de ca­na­vi­al que, vis­to ao lon­ge, a fo­lha­gem cru­za com a li­nha do ho­ri­zon­te.

O alar­ga­men­to da área de cul­ti­vo pa­ra 19 mil hec­ta­res per­mi­ti­rá au­men­tar o pro­ces­sa­men­to de ca­na­de-açú­car de 512 mil to­ne­la­das es­te ano (2016) pa­ra 800 mil em 2017, uma me­ta a ser atin­gi­da com o en­ga­ja­men­to dos dois mil e 300 tra­ba­lha­do­res, 70 por cen­to dos quais la­bo­ram no cam­po agrí­co­la.

Na Bi­o­com, pro­jec­to que além do açú­car pro­duz eta­nol e elec­tri­ci­da­de, a de­fi­ni­ção da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia na­ci­o­nal en­con­tra o ver­da­dei­ro sen­ti­do, em vir­tu­de de o mes­mo ter co­me­ça­do por ser de­se­nha­do há mais de cin­co anos e ago­ra es­tá dar os pri­mei­ros re­sul­ta­dos, com um au­men­to anu­al da pro­du­ção que ga­ran­te, a lon­go pra­zo, o re­tor­no do ca­pi­tal in­ves­ti­do, bem co­mo re­du­zir as im­por­ta­ções e vis­lum­brar, no fu­tu­ro, uma pro­du­ção ex­ce­den­tá­ria que per­mi­ta ao país ex­por­tar e an­ga­ri­ar mais di­vi­sas.

As me­tas pre­co­ni­za­das pe­la Bi­o­com são al­can­çá­veis, por­que a em­pre­sa ofe­re­ce to­da uma es­tru­tu­ra hu­ma­na e fí­si­ca ne­ces­sá­ria ao al­can­ce dos ob­jec­ti­vos e con­ta, pa­ra o efei­to, com o mais mo­der­no la­bo­ra­tó­rio agrí­co­la de An­go­la, com ca­pa­ci­da­de pa­ra ana­li­sar so­los, fo­lhas, cor­rec­ti­vos e adu­bos, que for­ne­cem in­for­ma­ções re­le­van­tes pa­ra a to­ma­da de de­ci­sões téc­ni­cas que re­sul­tam em me­lhor pro­du­ti­vi­da­de da cul­tu­ra da ca­na-de-açú­car.

Mar­co Bran­dão diz que os la­bo­ra­tó­ri­os in­dus­tri­ais e de so­los per­mi­tem à Bi­o­com pro­du­zir o açú­car “Ka­pan­da”, com al­to pa­drão de qua­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal, fac­to que per­mi­ti­rá à companhia, quan­do as ne­ces­si­da­des in­ter­nas es­ti­ve­rem sa­tis­fei­tas, par­tir pa­ra as ex­por­ta­ções no fu­tu­ro. “O nos­so la­bo­ra­tó­rio agrí­co­la par­ti­ci­pa num pro­jec­to de cer­ti­fi­ca­ção in­ter­na­ci­o­nal no Bra­sil, que tem la­bo­ra­tó­ri­os es­pa­lha­dos pe­la Amé­ri­ca do Sul. Es­ta­mos mui­to bem clas­si­fi­ca­dos, e, tri­mes­tral­men­te, en­via-nos amos­tras de so­los”, ex­pli­cou.

“Na par­te dos la­bo­ra­tó­ri­os in­dus­tri­ais, to­dos os anos te­mos for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca. Vem aqui uma em­pre­sa cre­den­ci­a­da na área, pa­ra fa­zer uma va­li­da­ção efec­ti­va dos nos­sos re­sul­ta­dos, que é a ba­se pa­ra po­der­mos ter uma cer­ti­fi­ca­ção in­ter­na­ci­o­nal”, acres­cen­tou.

JOSÉ SOARES

Atin­gi­do um quin­to da ca­pa­ci­da­de má­xi­ma es­ta­be­le­ci­da pa­ra a pri­mei­ra fa­se de im­ple­men­ta­ção da uni­da­de in­dus­tri­al lo­ca­li­za­da em Ma­lan­je

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.