In­ten­si­fi­ca­do o com­ba­te ao li­xo e aos mos­qui­tos

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

Com o in­tui­to de pre­ve­nir os ca­sos de pa­lu­dis­mo, chi­cun­gunya e den­gue, as au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as do mu­ni­cí­pio de Viana, em Lu­an­da, es­tão a re­a­li­zar uma cam­pa­nha de com­ba­te an­ti­lar­val em to­da a ex­ten­são da cir­cuns­cri­ção.

Se­gun­do o di­rec­tor mu­ni­ci­pal da Saú­de, Ma­teus Ne­to, a cam­pa­nha se­rá con­tí­nua e não tem da­ta agen­da­da pa­ra o seu fim. O res­pon­sá­vel ex­pli­cou que pa­ra uma me­lhor or­ga­ni­za­ção do tra­ba­lho o mu­ni­cí­pio foi di­vi­di­do em dez zo­nas, ca­da uma co­ber­ta por uma equi­pa cons­ti­tuí­da por um mé­di­co e qua­tro téc­ni­cos de saú­de.

A cam­pa­nha con­ta com a par­ti­ci­pa­ção de mé­di­cos an­go­la­nos e cu­ba­nos e a co­la­bo­ra­ção de uma em­pre­sa que tra­ba­lha pa­ra a di­mi­nui­ção dos fo­cos de li­xo e pa­ra a me­lho­ria do sa­ne­a­men­to bá­si­co. “Já es­ta­mos em ple­na épo­ca chu­vo­sa e, não obs­tan­te nos úl­ti­mos me­ses se ter re­gis­ta­do a re­du­ção dos ca­sos de pa­lu­dis­mo, não de­ve­mos cru­zar os bra­ços”, dis­se, acres­cen­tan­do que es­tá tam­bém em cur­so uma cam­pa­nha de com­ba­te aos ro­e­do­res, so­bre­tu­do os ra­tos, com a uti­li­za­ção de pes­ti­ci­das. “As mes­mas equi­pas que es­tão a com­ba­ter os mos­qui­tos es­tão igual­men­te en­ga­ja­das no com­ba­te aos ro­e­do­res”, in­for­mou.

Na óp­ti­ca de Ma­teus Ne­to, a re­du­ção dos ca­sos de pa­lu­dis­mo fi­cou a de­ver-se, so­bre­tu­do, ao tra­ba­lho de com­ba­te aos gran­des fo­cos de li­xo.

O di­rec­tor de Viana da Saú­de acon­se­lhou aos mu­ní­ci­pes pa­ra evi­ta­rem a cri­a­ção de char­cos de água e os amon­to­a­dos de li­xo, “que são lo­cais pri­vi­le­gi­a­dos pa­ra a re­pro­du­ção do mos­qui­to, o agen­te cau­sa­dor de do­en­ças que po­dem le­var à mor­te”.

Mor­de­du­ra de cães

As au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as de Viana es­tão igual­men­te pre­o­cu­pa­das com o fac­to de al­gu­mas pes­so­as te­rem si­do al­vo, nos úl­ti­mos me­ses, de mor­de­du­ra de cães va­di­os nas vi­as pú­bl­cas do mun­cí­pio.

Se­gun­do Ma­teus Ne­to, a pre­o­cu­pa­ção é mai­or por­que as ins­ti­tui­ções de saú­de pú­bli­ca não dis­põem, ac­tu­al­men­te, de va­ci­na an­ti-rá­bi­ca hu­ma­na. “Quer as uni­da­des sa­ni­tá­ri­as de Viana co­mo a gran­de mai­o­ria dos es­ta­be­le­ci­men­tos de saú­de da pro­vín­cia não pos­su­em va­ci­na an­ti-rá­bi­ca hu­ma­na, pe­lo que os ci­da­dãos de­vem to­mar mui­ta pre­cau­ção quan­do es­ti­ve­rem em con­tac­to com os ani­mais”, dis­se.

La­var com água e sa­bão

O di­rec­tor mu­ni­ci­pal da Saú­de acon­se­lha, em ca­so de mor­de­du­ra por um cão, ma­ca­co ou ou­tro ani­mal, que se la­ve a fe­ri­da com mui­ta água e sa­bão e se pro­cu­re ime­di­a­ta­men­te aten­di­men­to num es­ta­be­le­ci­men­to hos­pi­ta­lar.

Ma­teus Ne­to ex­pli­cou que, ape­sar da fal­ta de va­ci­na an­ti-rá­bi­ca hu­ma­na, “o pes­so­al mé­di­co cer­ta­men­te vai dar os pri­mei­ros so­cor­ros e, em ca­so de ne­ces­si­da­de, vai trans­fe­rir o pa­ci­en­te pa­ra uni­da­des de re­fe­rên­cia que te­nham a va­ci­na.”

Acres­cen­tou que se de­ve, igual­men­te, in­ves­ti­gar se o ani­mal tem a va­ci­na an­ti-rá­bi­ca em dia. “E, se as­sim acon­te­cer, cer­ta­men­te não se­rá mo­ti­vo de gran­de pre­o­cu­pa­ção”, re­fe­riu. Ma­teus Ne­to foi pe­remp­tó­rio ao di­zer que a po­pu­la­ção, em ca­so de mor­de­du­ra, não se de­ve di­ri­gir aos pos­tos mé­di­cos pri­va­dos dos bair­ros.

“As pes­so­as de­vem ter mui­to cui­da­do, pois, na ân­sia do lu­cro fá­cil, al­guns ci­da­dãos não he­si­tam em mi­nis­trar a va­ci­na er­ra­da em hu­ma­nos, que cer­ta­men­te não irá fa­zer o efei­to de­se­ja­do ou po­de acar­re­tar con­sequên­ci­as no­ci­vas”, fri­sou.O mu­ni­cí­pio de Viana é um dos mais ex­ten­sos e po­pu­lo­sos da pro­vín­cia de Lu­an­da, com uma po­pu­la­ção es­ti­ma­da em cer­ca de dois mi­lhões de ha­bi­tan­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.