Exi­bi­do fil­me so­bre ar­te do ba­tu­que

MUSEU NA­CI­O­NAL DE ANTROPOLOGIA Ex­po­si­ção da es­ta­tu­e­ta “Lwe­na” as­si­na­la ani­ver­sá­rio da ins­ti­tui­ção

Jornal de Angola - - CULTURA - MA­NU­EL ALBANO |

Um fil­me so­bre a cons­tru­ção do ba­tu­que, in­cluin­do di­fe­ren­tes for­mas de uti­li­za­ção co­mo ins­tru­men­to mu­si­cal, foi exi­bi­do de 4 a 10 des­te mês no au­di­tó­rio do Museu Na­ci­o­nal de Antropologia, em Lu­an­da, in­se­ri­do na ce­le­bra­ção dos 41 anos da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal.

A exi­bi­ção do do­cu­men­tá­rio ser­viu pa­ra co­me­mo­rar os 38 anos de exis­tên­cia do Museu Na­ci­o­nal de Antropologia, as­si­na­la­do do­min­go. As­sis­ti­ram ao fil­me es­tu­dan­tes de es­co­las se­cun­dá­ri­as pú­bli­cas e pri­va­das, ar­tis­tas e aman­tes de ci­ne­ma.

Em de­cla­ra­ções, on­tem, ao Jor­nal de An­go­la, o di­rec­tor do Museu, Ál­va­ro Ge­or­ge, in­for­mou que o pro­gra­ma ser­viu pa­ra apre­sen­tar ti­po­lo­gi­as de ob­jec­tos com ele­va­do va­lor et­no­grá­fi­co, his­tó­ri­co e ci­en­tí­fi­co. “O pro­gra­ma per­mi­tiu a ro­ta­ti­vi­da­de das co­lec­ções do Museu de Antropologia, di­vul­gan­do as co­lec­ções do acer­vo.”

O do­cu­men­tá­rio, cu­jo pú­bli­co al­vo são ado­les­cen­tes e jo­vens, mos­tra vá­ri­as eta­pas da cons­tru­ção de um ba­tu­que, além da cons­tru­ção de al­guns ar­te­fac­tos fei­tos em ce­râ­mi­ca. In­clui ain­da ima­gens da edi­ção do Car­na­val de Lu­an­da de 1978, em que o gru­po União Ope­rá­rio Ka­bo­co­meu se sa­grou ven­ce­dor.

A in­ten­ção ac­tu­al da Di­rec­ção é per­mi­tir a que o pú­bli­co fre­quen­te com re­gu­la­ri­da­de o Museu, con­tri­buir pa­ra au­men­tar o ní­vel cul­tu­ral da po­pu­la­ção e ele­var o nú­me­ro de vi­si­tas à ins­ti­tui­ção, par­ti­cu­lar­men­te en­tre cri­an­ças, jo­vens e es­tran­gei­ros.

Pe­ça do mês

A Di­rec­ção do Museu con­vi­dou es­tu­dan­tes, pes­qui­sa­do­res e his­to­ri­a­do­res a vi­si­ta­ram a ex­po­si­ção iti­ne­ran­te de­di­ca­da à es­ta­tu­e­ta “Lwe­na”,

Gé­ne­se e his­tó­ria do ins­tru­men­to de per­cus­são ga­nhou lon­ga-me­tra­gem exi­bi­do no Museu Na­ci­o­nal de Antropologia alu­si­vo à In­de­pen­dên­cia

com a de­sig­na­ção de “Pe­ça do Mês”, pa­ten­te no Museu des­de quin­ta-fei­ra.

Co­nhe­ci­da en­tre os Lu­va­le - zo­na de ori­gem - , e pe­la mai­o­ria dos po­vos do Les­te do país co­mo “Ka­ponya wa Pwo”, a es­ta­tu­e­ta “Lwe­na” é uma fi­gu­ra an­tro­po­mór­fi­ca fei­ta de ma­dei­ra, re­pre­sen­tan­do uma mu­lher em pé, com o pen­te­a­do tí­pi­co e um ori­fí­cio na ca­be­ça pa­ra fi­xar um chi­fre que con­tém me­di­ca­men­tos, sen­do uti­li­za­da nos ri­tos li­ga­dos à adi­vi­nha­ção.

A “Pe­ça do Mês” é uma ex­po­si­ção re­gu­lar de uma pe­ça iso­la­da ex­pos­ta men­sal­men­te nu­ma vi­tri­na es­pe­ci­al.

O pro­jec­to que te­ve iní­cio em Agos­to, tem a du­ra­ção de uma ano, e ocor­re em si­mul­tâ­neo com uma ex­po­si­ção tem­po­rá­ria, co­mo ins­tru­men­to de apro­xi­ma­ção do Museu ao pú­bli­co.

No to­tal são 12 pe­ças, uma men­sal, cu­ja ac­ção in­clui o tra­ta­men­to e ma­nu­ten­ção do acer­vo se­lec­ci­o­na­do, pes­qui­sa e re­dac­ção de tex­tos so­bre a pe­ça, aqui­si­ção de fo­to­gra­fi­as e de ex­po­si­to­res e a pro­du­ção grá­fi­ca de pos­tais.

O museu

O Museu Na­ci­o­nal de Antropologia é um es­ta­be­le­ci­men­to pú­bli­co que vi­sa as­se­gu­rar a di­vul­ga­ção do acer­vo cul­tu­ral pa­ra fins edu­ca­ti­vos. Es­tá lo­ca­li­za­do no bair­ro dos Co­quei­ros, na ci­da­de de Lu­an­da.

Em­bo­ra o museu es­te­ja par­ci­al­men­te aber­to ao pú­bli­co, por mo­ti­vos de obras de me­lho­ra­men­to da es­tru­tu­ra fí­si­ca, al­gu­mas ac­ti­vi­da­des di­ri­gi­das são re­a­li­za­das no sen­ti­do de se man­ter o pú­bli­co fa­mi­li­a­ri­za­do com o acer­vo.

Fun­da­do no dia 13 de No­vem­bro de 1976, foi a pri­mei­ra ins­ti­tui­ção mu­se­o­ló­gi­ca cri­a­da após a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal ocor­ri­da um ano an­tes. Es­ta ins­ti­tui­ção de ca­rác­ter ci­en­tí­fi­co, cul­tu­ral e edu­ca­ti­vo, es­tá vo­ca­ci­o­na­da pa­ra a re­co­lha, in­ves­ti­ga­ção, con­ser­va­ção, va­lo­ri­za­ção e di­vul­ga­ção do pa­tri­mó­nio cul­tu­ral na­ci­o­nal.

O museu tem 14 sa­las dis­tri­buí­das por dois an­da­res que abri­gam pe­ças tra­di­ci­o­nais, de­sig­na­da­men­te uten­sí­li­os agrí­co­las, de ca­ça e pes­ca, fun­di­ção de fer­ro, ins­tru­men­tos mu­si­cais, jói­as, pe­ças de pa­no fei­to de cas­ca de ár­vo­re e fo­to­gra­fi­as dos po­vos khoi­san. Além do seu nú­cleo per­ma­nen­te, o museu re­ce­be ex­po­si­ções tem­po­rá­ri­as.Le­gen­da - Es­tu­dan­tes de es­co­las pú­bli­cas e pri­va­das au­men­tam co­nhe­ci­men­to so­bre apa­re­lhos mu­si­cais tra­di­ci­o­nais.

FRANCISCO BERNARDO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.