Mu­lhe­res re­a­li­za­ram mar­cha con­tra a vi­o­lên­cia doméstica

Mar­cha to­mou con­ta das ru­as da ci­da­de de Me­non­gue

Jornal de Angola - - PARTADA - CARLOS PAULINO |

Mu­lhe­res de vá­ri­os es­tra­tos so­ci­ais mar­cha­ram sá­ba­do na ci­da­de de Me­non­gue pa­ra ma­ni­fes­tar a sua in­dig­na­ção con­tra os ca­sos de vi­o­lên­cia doméstica, que ga­nha­ram um no­vo pa­ta­mar de hor­ror com o ac­to co­me­ti­do por um ci­da­dão de no­me João Quin­tas, que por ciú­mes quei­mou os ór­gãos ge­ni­tais da mu­lher, Ben­vin­da Tchi­tu­la, 40 anos.

O in­ci­den­te em re­fe­rên­cia acon­te­ceu no dia 01 de No­vem­bro, no bair­ro Ka­mo­ço, ar­re­do­res da ci­da­de de Me­non­gue, quan­do João Quin­tas, de 45 anos, che­gou em­bri­a­ga­do a ca­sa por vol­ta das 20 ho­ras e en­con­trou a mu­lher a dor­mir na ca­ma, sem rou­pa. Pre­su­min­do que ela ti­ves­se man­ti­do re­la­ções se­xu­ais com ou­tro ho­mem, amar­rou­lhe os bra­ços e in­tro­du­ziu-lhe uma le­nha ace­sa nos ór­gãos ge­ni­tais, cau­san­do-lhe quei­ma­du­ras do se­gun­do grau. Os vi­zi­nhos ao ou­vi­rem os gri­tos da mu­lher, qui­se­ram le­vá-la ao hos­pi­tal na ma­nhã se­guin­te, mas João Quin­tas opôs-se, pre­fe­rin­do pro­cu­rar os ser­vi­ços de uma en­fer­mei­ra do bair­ro.

Pas­sa­dos al­guns di­as, os vi­zi­nhos de­nun­ci­a­ram o ca­so ao Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal, que de ime­di­a­to to­mou con­ta da si­tu­a­ção. Ben­vin­da Tchi­tu­la foi le­va­da ao Hos­pi­tal Cen­tral de Me­non­gue, on­de até ago­ra es­tá a re­ce­ber os cui­da­dos mé­di­cos. João Quin­tas es­tá sob cus­tó­dia das au­to­ri­da­des po­li­ci­ais.

O Jor­nal de An­go­la apu­rou que es­ta é a ter­cei­ra vez que João Quin­tas quei­ma os ór­gãos ge­ni­tais da mu­lher, com quem te­ve tre­ze fi­lhos, seis dos quais em vi­da. Flo­rin­da Al­ber­to Ca­ton­go, di­rec­to­ra pro­vin­ci­al da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher, re­pro­vou o cri­me e la­men­tou o fac­to de mui­tas mu­lhe­res no país, e em par­ti­cu­lar no Cu­an­do Cu­ban­go, se­rem al­vo de agres­sões fí­si­cas por par­te dos ma­ri­dos e con­ti­nu­a­rem ca­la­das, sem de­nun­ci­a­rem a si­tu­a­ção aos ór­gãos com­pe­ten­tes.

De­fen­deu que o diá­lo­go de­ve ser a so­lu­ção pa­ra re­sol­ver qual­quer pro­ble­ma no lar ao in­vés de se par­tir pa­ra a vi­o­lên­cia. “Or­ga­ni­zá­mos a mar­cha pa­ra de­sen­co­ra­jar os ho­mens que pen­sam que as mu­lhe­res são es­cra­vas”, dis­se Flo­rin­da Al­ber­to Ca­ton­go, acres­cen­tan­do que a ins­ti­tui­ção que di­ri­ge não vai pou­par es­for­ços pa­ra mu­dar o ac­tu­al qua­dro de vi­o­lên­cia doméstica.

A res­pon­sá­vel pe­diu à po­pu­la­ção da pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, em par­ti­cu­lar às mu­lhe­res, pa­ra do­a­rem bens ali­men­ta­res e ves­tuá­ri­os a Ben­vin­da Tchi­tu­la, pa­ra ten­ta­rem mi­ni­mi­zar o seu so­fri­men­to.

CARLOS PAULINO

A mar­cha de re­pú­dio à vi­o­lên­cia doméstica le­vou às ru­as da ci­da­de Me­non­gue vá­ri­as cen­te­nas de mu­lhe­res de di­ver­sos es­tra­tos so­ci­ais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.