Au­tár­qui­cas em pre­pa­ra­ção

Exe­cu­ti­vo es­tá a cri­ar con­di­ções pa­ra tor­nar efec­ti­va a im­ple­men­ta­ção do Po­der Lo­cal

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO DI­AS |

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca as­se­gu­rou on­tem que o pro­ces­so de pre­pa­ra­ção pa­ra a con­cre­ti­za­ção das au­tar­qui­as lo­cais es­tá em curso e po­de es­tar con­cluí­do até 2021. Ma­nu­el Vi­cen­te, que dis­cur­sa­va na aber­tu­ra da reu­nião in­ter­mi­nis­te­ri­al de im­ple­men­ta­ção do Pla­no Na­ci­o­nal Es­tra­té­gi­co da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio (PLANEAT 2015-2025), ex­pli­cou que o Exe­cu­ti­vo es­tá a cri­ar as con­di­ções téc­ni­cas, hu­ma­nas e fi­nan­cei­ras pa­ra a ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção das au­tar­qui­as lo­cais e o en­qua­dra­men­to das au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais no pro­ces­so de go­ver­na­ção lo­cal. O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ga­ran­tiu que a des­cen­tra­li­za­ção e des­con­cen­tra­ção ad­mi­nis­tra­ti­vas de­vem cons­ti­tuir, num fu­tu­ro bre­ve, o ele­men­to fun­da­men­tal da ac­ção po­lí­ti­ca e ad­mi­nis­tra­ti­va, pa­ra que o país se­ja ca­paz de atin­gir os pa­ta­ma­res de de­sen­vol­vi­men­to har­mo­ni­o­so de to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. As ad­mi­nis­tra­ções fo­ram cha­ma­das a de­sen­vol­ver es­for­ços no sen­ti­do de do­tar de vi­da, na ver­da­dei­ra acep­ção da pa­la­vra, os mu­ni­cí­pi­os, pa­ra que es­tes so­lu­ci­o­nem os seus pro­ble­mas e sa­tis­fa­çam as ne­ces­si­da­des das co­mu­ni­da­des.

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, anun­ci­ou on­tem que o Pro­gra­ma de apoio ao Pro­ces­so de Pre­pa­ra­ção das Au­tar­qui­as Lo­cais tem por ba­se três ob­jec­ti­vos es­pe­cí­fi­cos a con­cre­ti­zar até 2021, que pas­sam pe­la cri­a­ção de ins­tru­men­tos téc­ni­cos de apoio (mei­os téc­ni­cos, hu­ma­nos e fi­nan­cei­ros), a ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção das Au­tar­qui­as Lo­cais e o en­qua­dra­men­to das au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais no qua­dro da go­ver­na­ção lo­cal.

Ao dis­cur­sar na aber­tu­ra da Reu­nião In­ter­mi­nis­te­ri­al de Im­ple­men­ta­ção do Pla­no Na­ci­o­nal Es­tra­té­gi­co da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio (PLANEAT 2015-2025) e a Pers­pec­ti­va de De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co Lo­cal, Ma­nu­el Vi­cen­te ex­pli­cou que ao Exe­cu­ti­vo ca­be dar im­pul­so pa­ra a cri­a­ção de con­di­ções que tor­nem efec­ti­va a im­ple­men­ta­ção do Po­der Lo­cal no país, ad­mi­tin­do que “aten­der a es­sa re­a­li­da­de é aten­der a uma pre­vi­são cons­ti­tu­ci­o­nal e a um com­pro­mis­so po­lí­ti­co as­su­mi­do pe­lo Exe­cu­ti­vo em di­ver­sos mo­men­tos da sua ac­ção”, ba­se­a­das no Pro­gra­ma de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal e no Pla­no Na­ci­o­nal Es­tra­té­gi­co da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, apro­va­do re­cen­te­men­te, e em ou­tros ins­tru­men­tos.

Pa­ra o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, a des­cen­tra­li­za­ção e des­con­cen­tra­ção ad­mi­nis­tra­ti­vas de­vem cons­ti­tuir, num fu­tu­ro bre­ve, o ele­men­to fun­da­men­tal da ac­ção po­lí­ti­ca e ad­mi­nis­tra­ti­va pa­ra que o país se­ja ca­paz de atin­gir os pa­ta­ma­res de de­sen­vol­vi­men­to har­mo­ni­o­so de to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, daí ter tam­bém ad­vo­ga­do o fi­nan­ci­a­men­to do Po­der Lo­cal. Ma­nu­el Vi­cen­te lem­brou que ao lon­go dos 41 anos da sua exis­tên­cia co­mo Na­ção in­de­pen­den­te, o país tem vin­do, pau­la­ti­na­men­te, a pas­sar de uma ad­mi­nis­tra­ção cen­tra­li­za­da e hi­e­rar­qui­za­da pa­ra uma ad­mi­nis­tra­ção des­cen­tra­li­za­da e he­te­ro­gé­nea, num pro­ces­so que exi­ge a adop­ção de me­di­das de trans­fe­rên­cia e har­mo­ni­za­ção de com­pe­tên­ci­as, po­de­res, res­pon­sa­bi­li­da­des e re­cur­sos do Go­ver­no Cen­tral pa­ra en­ti­da­des lo­cais.

No seu en­ten­der, o pro­ces­so de des­cen­tra­li­za­ção cons­ti­tui tam­bém um apro­fun­da­men­to da de­mo­cra­cia, além de per­mi­tir que de­ter­mi­na­das ne­ces­si­da­des co­lec­ti­vas se­jam re­sol­vi­das de for­ma mais pró­xi­ma das po­pu­la­ções. “O país dis­põe nes­te mo­men­to de um ins­tru­men­to de tra­ba­lho mui­to po­de­ro­so que é o Pla­no Na­ci­o­nal Es­tra­té­gi­co da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio que nos per­mi­te, não só es­tru­tu­rar de for­ma ade­qua­da o tra­ba­lho des­te sec­tor, co­mo tam­bém po­de con­tri­buir pa­ra uma go­ver­na­ção mais efi­ci­en­te, mais pró­xi­ma do ci­da­dão e sus­cep­tí­vel de mai­or im­pac­to no de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al, eco­nó­mi­co e cul­tu­ral do nos­so país”, dis­se o Vi­ce-Pre­si­den­te.

Por es­sa ra­zão, pros­se­guiu, im­põe-se que se­ja in­cre­men­ta­da a sua im­ple­men­ta­ção e des­ta­cou o pa­pel da Co­mis­são In­ter­mi­nis­te­ri­al na co­or­de­na­ção, de­fi­ni­ção e cor­rec­ção das me­tas e na mo­ni­to­ri­za­ção dos re­sul­ta­dos. “A Co­mis­são de­ve ser ri­go­ro­sa nos seus pro­pó­si­tos, exi­gen­te no seu tra­ba­lho e efi­caz nos seus re­sul­ta­dos”, su­bli­nhou.

Ad­mi­nis­tra­ção do ter­ri­tó­rio

Ao re­fe­rir-se ao PLANEAT, o Vi­ce-Pre­si­den­te con­si­de­rou-o uma fer­ra­men­ta im­pres­cin­dí­vel pa­ra o cum­pri­men­to das po­lí­ti­cas do Go­ver­no no do­mí­nio da ad­mi­nis­tra­ção do ter­ri­tó­rio, na me­di­da em que as­se­gu­ra uma me­lhor co­or­de­na­ção e en­tro­sa­men­to en­tre o go­ver­no, os ci­da­dãos, as em­pre­sas, as fa­mí­li­as e as co­mu­ni­da­des, for­ta­le­ce a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca e me­lho­ra os re­sul­ta­dos da sua ac­ti­vi­da­de.

Ma­nu­el Vi­cen­te des­ta­cou o pa­pel do de­ba­te de idei­as e do con­fron­to de opi­niões, pois, no seu en­ten­der, só com eles é que se po­de che­gar a uma con­clu­são so­bre o mo­de­lo de ad­mi­nis­tra­ção ne­ces­sá­rio pa­ra o pro­ces­so de cons­tru­ção e con­so­li­da­ção da Na­ção e da sua iden­ti­da­de. Mas de­fen­deu ser im­por­tan­te con­ci­li­ar os in­te­res­ses na­ci­o­nais co­muns a to­do o ter­ri­tó­rio com os in­te­res­ses es­pe­cí­fi­cos das co­mu­ni­da­des lo­cais.

O fó­rum “As fi­nan­ças lo­cais e a ges­tão de re­sí­du­os e o de­sen­vol­vi­men­to tec­no­ló­gi­co - o ca­so da ci­da­de de Windho­ek” ser­viu de mo­te pa­ra o iní­cio dos tra­ba­lhos. O mayor de Windho­ek, Mu­e­see Ka­za­pua, fa­lou do su­ces­so con­se­gui­do no seu país des­de que atin­giu a sua in­de­pen­dên­cia. A mi­nis­tra na­mi­bi­a­na do Ur­ba­nis­mo e De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral, Sophia Sha­min­gua, que in­ter­veio no fó­rum, fa­lou do ca­so de su­ces­so que a Na­mí­bia al­can­çou nos úl­ti­mos anos e de­fen­deu que é pre­ci­so es­trei­tar, ca­da vez mais, a co­o­pe­ra­ção en­tre os dois paí­ses, não só no qua­dro do ur­ba­nis­mo e ci­da­des, mas tam­bém em ou­tros do­mí­ni­os.

O Fó­rum dos mu­ni­cí­pi­os e ci­da­des de An­go­la, que é or­ga­ni­za­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio e di­ri­gi­do a go­ver­na­do­res e ad­mi­nis­tra­do­res mu­ni­ci­pais e pú­bli­co em ge­ral, pre­ten­de pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to co­mu­ni­tá­rio com en­vol­vi­men­to ac­ti­vo de to­dos os ór­gãos pú­bli­cos e pri­va­dos. A de­cor­rer no Ho­tel Cen­tro de Con­ven­ções de Ta­la­to­na, abor­da em dois pai­néis ques­tões re­la­ci­o­na­das com as fi­nan­ças lo­cais co­mo fac­tor de de­sen­vol­vi­men­to lo­cal, re­cei­tas lo­cais e ges­tão de mu­ni­cí­pi­os e de ci­da­de.

Fi­nan­ci­ar o Po­der Lo­cal

O Vi­ce-Pre­si­den­te con­si­de­rou o fi­nan­ci­a­men­to do Po­der Lo­cal “uma pe­dra an­gu­lar pa­ra o ver­da­dei­ro Po­der Lo­cal au­tó­no­mo do Estado ou do Go­ver­no Cen­tral”, e dis­se en­ten­der que “o fu­tu­ro do de­sen­vol­vi­men­to do país pas­sa tam­bém por aqui­lo que fi­zer­mos em ma­té­ria lo­cal nos do­mí­ni­os eco­nó­mi­co, so­ci­al e cul­tu­ral”.

Ao di­ri­gir-se aos go­ver­na­do­res, ad­mi­nis­tra­do­res e es­pe­ci­a­lis­tas so­bre o es­tu­do do Po­der Lo­cal, Ma­nu­el Vi­cen­te des­ta­cou a im­por­tân­cia da des­cen­tra­li­za­ção e des­con­cen­tra­ção ad­mi­nis­tra­ti­vas, en­quan­to ele­men­to fun­da­men­tal da ac­ção po­lí­ti­ca e ad­mi­nis­tra­ti­va pa­ra um cres­ci­men­to igual de to­do o país.

“Se as­sim o fi­zer­mos es­tou con­ven­ci­do de que es­ta­re­mos a dar cum­pri­men­to a uma ori­en­ta­ção do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, quan­do afir­mou que os ór­gãos da ad­mi­nis­tra­ção cen­tral e lo­cal de­vem li­dar com os de­sa­fi­os do pre­sen­te com os olhos pos­tos no fu­tu­ro e cri­ar me­ca­nis­mos pa­ra dar aos ci­da­dãos as fer­ra­men­tas que per­mi­tam a sua par­ti­ci­pa­ção nos des­ti­nos da sua co­mu­ni­da­de”, dis­se o Vi­ce­Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Na vi­são de Ma­nu­el Vi­cen­te, as ad­mi­nis­tra­ções de­vem de­sen­vol­ver es­for­ços no sen­ti­do de do­tar de vi­da, na ver­da­dei­ra acep­ção da pa­la­vra, os mu­ni­cí­pi­os pa­ra que es­tes so­lu­ci­o­nem os seus pro­ble­mas e sa­tis­fa­çam as ne­ces­si­da­des das po­pu­la­ções, e su­bli­nhou que con­cre­ti­zar o mo­de­lo de des­cen­tra­li­za­ção sig­ni­fi­ca re­co­nhe­cer o pa­pel do po­der lo­cal no de­sen­vol­vi­men­to do país, cu­jo fu­tu­ro re­cla­ma por uma mai­or in­clu­são e par­ti­ci­pa­ção.

Pa­ra o efei­to, o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, de­fen­deu que a ne­ces­si­da­de de se alo­car re­cur­sos ade­qua­dos e pro­por­ci­o­nais nos mu­ni­cí­pi­os pa­ra que os ór­gãos lo­cais de­sem­pe­nhem com pro­pri­e­da­de as su­as com­pe­tên­ci­as.

Na in­ter­ven­ção que abriu tam­bém a 4ª edi­ção do Fó­rum dos mu­ni­cí­pi­os e ci­da­des de An­go­la que de­cor­re sob o le­ma “As fi­nan­ças lo­cais co­mo fac­tor de de­sen­vol­vi­men­to lo­cal”, Ma­nu­el Vi­cen­te dis­se ser pre­ci­so en­ten­der o de­sen­vol­vi­men­to co­mo um pro­ces­so or­de­na­do e par­ti­ci­pa­do, re­co­nhe­cen­do o de­sa­fio e com­ple­xi­da­de daí de­cor­ren­tes. Por is­so, des­ta­cou o pa­pel de um diá­lo­go per­ma­nen­te pa­ra iden­ti­fi­car os pon­tos re­fe­ren­tes às com­pe­tên­ci­as que de­vem ser re­par­ti­das, re­cur­sos a atri­buir e ca­mi­nho pa­ra tor­nar re­ais as ex­pec­ta­ti­vas.

JOÃO GOMES

Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca afir­mou que o fu­tu­ro do de­sen­vol­vi­men­to do país pas­sa tam­bém pe­lo tra­ba­lho fei­to a ní­vel lo­cal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.