Mo­bí­lia de qua­li­da­de fa­bri­ca­da em Lu­an­da

Cri­a­da pa­ra apoi­ar o sec­tor da cons­tru­ção e re­du­zir as ne­ces­si­da­des de im­por­ta­ção, a In­du­car­pin ga­ran­te em­pre­go pa­ra mui­tos jo­vens e de­mons­tra ser pos­sí­vel atin­gir al­tos pa­drões in­ter­na­ci­o­nais de qua­li­da­de em con­teú­dos lo­cais. To­dos os di­as cres­ce a pro­cu

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA RO­SA E EDNA DALA |

Quan­do o Exe­cu­ti­vo de­ci­diu in­cluir o sec­tor flo­res­tal no le­que de pro­gra­mas di­ri­gi­dos, no âm­bi­to da es­tra­té­gia de com­ba­te à cri­se eco­nó­mi­ca e di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, so­bres­saí­ram du­as no­tas im­por­tan­tes. A pri­mei­ra é que, não sen­do pro­pri­a­men­te um bem da ces­ta bá­si­ca, o Exe­cu­ti­vo deu um si­nal cla­ro de que ape­sar da con­jun­tu­ra eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra di­fí­cil quer pro­mo­ver o em­pre­go e a ren­da das fa­mí­li­as com apos­ta na ex­plo­ra­ção de ma­dei­ra.

A se­gun­da no­ta tem a ver com a ex­por­ta­ção, não já da ma­dei­ra em to­ro co­mo vi­nha acon­te­cen­do até pou­co tem­po atrás, com im­por­tan­tes per­das pa­ra a eco­no­mia na­ci­o­nal, mas sim cer­ra­da ou mes­mo trans­for­ma­da, ga­ran­tin­do que além de o país ga­nhar com a en­tra­da de di­vi­sas no sis­te­ma fi­nan­cei­ro, tam­bém ga­nha com o sur­gi­men­to de pe­que­nas in­dús­tri­as res­pon­sá­veis pe­lo au­men­to da ofer­ta de pro­du­tos de­ri­va­dos da ma­dei­ra.

A ex­por­ta­ção de ma­dei­ra em to­ro re­sul­ta de cer­to mo­do um pre­juí­zo ao país pro­du­tor, que per­de a opor­tu­ni­da­de de agre­gar va­lor a um pro­du­to com gran­de pro­cu­ra in­ter­na­ci­o­nal e que é co­ta­do no mer­ca­do mun­di­al. Na Zo­na Eco­nó­mi­ca Es­pe­ci­al Lu­an­da-Ben­go, ao Qui­ló­me­tro 30 em Vi­a­na, é pos­sí­vel ter­mos exem­plos de que es­sa de­ci­são do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no não só é per­ti­nen­te, co­mo ca­paz de dar re­sul­ta­dos po­si­ti­vos na ac­ti­vi­da­de do sec­tor pri­va­do.

É o ca­so da In­du­car­pin. Co­mo o pró­prio no­me su­ge­re, é uma in­dús­tria de car­pin­ta­ria, lo­ca­li­za­da nu­ma área que se de­di­ca à pro­du­ção de equi­pa­men­tos de mo­bi­liá­rio de car­pin­ta­ria. Com uma ex­po­si­ção de mo­bi­liá­rio di­ver­so pa­ra quar­tos, sa­las, co­zi­nhas e cons­tru­ção ci­vil de qua­li­da­de, a in­dús­tria na­ci­o­nal de car­pin­ta­ria atrai di­a­ri­a­men­te gen­te com di­fe­ren­tes mo­ti­va­ções.

Des­de o sim­ples cu­ri­o­so que pa­ra lá se des­lo­ca con­ta­gi­a­do pe­la fa­ma dos pe­que­nos gran­des mes­tres da fá­bri­ca de mo­bí­lia, a ho­mens de ne­gó­ci­os com vá­ri­as pro­pos­tas, umas mais ali­ci­an­tes que ou­tras, le­van­do os in­ves­ti­do­res da In­du­car­pin a es­ta­rem ain­da mais con­fi­an­tes no po­ten­ci­al do seu ne­gó­cio.

Di­ver­si­fi­ca­ção

Mas an­tes de fa­lar­mos pro­pri­a­men­te des­sa in­dús­tria, im­por­ta fa­zer uma bre­ve re­fe­rên­cia ao lu­gar em que es­tá ins­ta­la­da: a Zo­na Eco­nó­mi­ca Es­pe­ci­al Lu­an­da-Ben­go. Re­cor­da­mos que no âm­bi­to do pro­ces­so de re­cons­tru­ção e de­sen­vol­vi­men­to do país, e de mo­do a re­lan­çar a eco­no­mia re­al e re­for­çar a ca­pa­ci­da­de do em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal pa­ra me­lho­ria do ní­vel de de­sen­vol­vi­men­to da es­tru­tu­ra e da pro­du­ção na­ci­o­nal, o Go­ver­no de­ci­diu cri­ar Zo­nas Eco­nó­mi­cas Es­pe­ci­ais. Em bom ri­gor, tra­ta-se de um mo­de­lo de de­sen­vol­vi­men­to ins­ti­tu­ci­o­na­lad­mi­nis­tra­ti­vo e eco­nó­mi­co que pre­vê in­cen­ti­vos ao in­ves­ti­men­to.

A In­du­car­pin sur­ge en­tre as pri­mei­ras uni­da­des in­dus­tri­ais da ZEE de Vi­a­na, no qua­dro de um pro­gra­ma gi­za­do pa­ra re­for­çar o te­ci­do in­dus­tri­al na­ci­o­nal, au­men­tar a ofer­ta de em­pre­go pa­ra jo­vens e re­du­zir a de­pen­dên­cia do pe­tró­leo. O sur­gi­men­to das “ZEE”, e no ca­so da de Vi­a­na, com um con­jun­to de in­dús­tri­as de apoio prin­ci­pal­men­te ao sec­tor da cons­tru­ção ci­vil, com cer­ca de 1400 em­pre­gos di­rec­tos, é de­mons­tra­ti­vo de que a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra ape­nas obri­gou a que as au­to­ri­da­des an­go­la­nas pas­sas­sem a abor­dar de uma for­ma mais in­ci­si­va a ques­tão do com­ba­te à de­pen­dên­cia do pe­tró­leo.

Na mes­ma al­tu­ra em que sur­ge a In­du­car­pin, sur­gi­ram ou­tras co­mo a Ma­te­lec­tri­ca, a In­du­bos e a An­go­la Ca­bos, a Man­go­tal e a Trans­plás. To­das sur­gem num qua­dro de cla­ra apos­ta na qua­li­da­de e di­ver­si­da­de da pro­du­ção lo­cal. A ideia era ter ali pro­du­tos com pa­drões de qua­li­da­de in­ter­na­ci­o­nais em con­teú­dos lo­cais, com o pro­pó­si­to de con­quis­tar ca­da vez mais es­pa­ço no mer­ca­do in­ter­no, re­du­zir as im­por­ta­ções e che­gar a paí­ses fron­tei­ri­ços.

Gran­des mes­tres

No sa­lão de ex­po­si­ções da In­du­car­pin é pos­sí­vel fi­car com uma ideia do que foi e es­tá a ser fei­to pa­ra se atin­gir os ob­jec­ti­vos do in­ves­ti­men­to. Sal­ta à vis­ta a va­ri­e­da­de e a qua­li­da­de das pe­ças, que na sua mai­o­ria re­sul­tam da ima­gi­na­ção e tra­que­jo de jo­vens que se re­ve­lam já gran­des mes­tres ape­sar do pou­co tem­po de pro­fis­são.

O es­pa­ço que es­tá trans­for­ma­do num lu­gar de ro­ma­ria, on­de pes­so­as pro­ve­ni­en­tes de vá­ri­os pon­tos de Lu­an­da, e não só, têm en­con­tra­do so­lu­ção pa­ra to­do o ti­po de ne­ces­si­da­de de mo­bi­lar se­ja uma re­si­dên­cia, es­cri­tó­rio ou es­ta­be­le­ci­men­to co­mer­ci­al. Ca­da obra, ca­da en­co­men­da é re­ce­bi­da co­mo mais um de­sa­fio pa­ra os mes­tres da In­du­car­pin.

Com o con­jun­to de me­di­das po­lí­ti­cas e le­gis­la­ti­vas do Exe­cu­ti­vo foi pos­sí­vel cri­ar-se um ce­ná­rio com o mí­ni­mo de con­di­ções pa­ra o in­ves­ti­men­to pri­va­do num ra­mo em­pre­sa­ri­al que já te­ve os seus tem­pos áu­re­os, pre­ci­sa­men­te quan­do nas dé­ca­das de 80 e 90 im­por­tar mo­bí­lia era con­si­de­ra­do um lu­xo re­ser­va­do a pou­cos an­go­la­nos.

Fim de um ne­gó­cio

Com o pas­sar do tem­po, hou­ve uma in­ver­são no qua­dro do sec­tor da car­pin­ta­ria. A mo­bí­lia pas­sou a vir prin­ci­pal­men­te da Na­mí­bia, Chi­na e da Eu­ro­pa, num ne­gó­cio que mo­vi­men­ta­va lar­gos mi­lhões de dó­la­res.

Ve­ja­mos o ca­so de An­dreia Pau­lo. Du­ran­te cer­ca de 10 anos vi­veu da ven­da de mo­bí­lia. Gu­angzhou era a re­gião pre­fe­ri­da pa­ra as su­as compras. Ho­je vi­ve das ren­das de al­guns imó­veis que con­se­guiu ad­qui­rir com o ne­gó­cio da ven­da de mo­bí­lia.

“Che­guei a tra­zer 10 con­ten­to­res de mo­bí­lia. Eram quar­tos, sa­las e por ve­zes era o jo­go de mo­bí­lia de uma vi­ven­da com­ple­ta, que tra­zia por en­co­men­da da­que­les bons cli­en­tes”, re­cor­da An­dreia, que as­su­me que te­ve mui­tas di­fi­cul­da­des em acei­tar que o ne­gó­cio que mui­to lhe ren­deu e aju­dou a sus­ten­tar a sua fa­mí­lia e edu­car os seus fi­lhos dei­xou de ser o que era.

Ela con­ta que, ape­sar de ter um ne­gó­cio so­men­te seu, não vi­a­ja­va so­zi­nha por­que a ex­pe­ri­ên­cia lhe mos­trou que quan­do se es­tá na ter­ra do ou­tro fi­ca-se mais vul­ne­rá­vel se não ti­ver al­guém a acom­pa­nhar. “Pri­mei­ro ía­mos a Gu­angzhou e mui­tas de nós éra­mos co­nhe­ci­das lá ao pon­to de con­se­guir com­prar a cré­di­to ou con­sig­na­ção. De­pois abriu Windho­ek e com as es­tra­das a mo­bí­lia vi­nha mes­mo de car­ro até aos ar­ma­zéns ou pon­tos de en­tre­ga ao cli­en­te fi­nal. Era o prin­cí­pio do fim do nos­so ne­gó­cio.”

A es­ti­ma­ti­va é que mais de meio mi­lhão de an­go­la­nos, na sua mai­o­ria mu­lhe­res, de­di­ca­va-se ao ne­gó­cio da im­por­ta­ção de mo­bí­lia da Chi­na, Na­mí­bia, Tur­quia e Eu­ro­pa. Não exis­tem da­dos so­bre o vo­lu­me do ne­gó­cio, mas é cer­to que es­sa ac­ti­vi­da­de re­pre­sen­tou du­ran­te anos um bom en­cai­xe fi­nan­cei­ro pa­ra o Estado.

Com a es­cas­sez de di­vi­sas pas­sou a ser mais di­fí­cil im­por­tar mo­bí­lia, além do fac­to de que com a aber­tu­ra da via da Na­mí­bia, os pre­ços caí­ram mui­to. “Che­gou uma al­tu­ra em que vi­mos que já não va­lia a pe­na, per­dia-se mui­to di­nhei­ro. De­pois era o so­fri­men­to de mui­tas ho­ras de vi­a­gem até Gu­angzhou, às ve­zes a pas­sar fo­me e com noi­tes mal dor­mi­das. Já não da­va”, re­ma­ta a em­pre­sá­ria.

Ge­ra­ção da mu­dan­ça

O ca­so do jo­vem Ico­li Pi­men­tel Ben­to, téc­ni­co res­pon­sá­vel pe­la área da de­com­po­si­ção da me­la­ni­na

na in­dús­tria de car­pin­ta­ria, des­per­ta a ad­mi­ra­ção pe­la pe­rí­cia com que faz o seu tra­ba­lho, con­tras­tan­do com a sua ju­ven­tu­de. Mos­tra-se or­gu­lho­so pe­lo seu tra­ba­lho e des­ta­ca que pre­ten­de com is­so dar o seu con­tri­bu­to pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país no que con­cer­ne à pro­du­ção na­ci­o­nal. “Es­tou pronto pa­ra aten­der ao cha­ma­do do país, ali on­de as mi­nhas ha­bi­li­da­des en­con­tra­rem es­pa­ço”, diz o jo­vem.

Ico­li Pi­men­tel re­fe­re que ou­tro­ra os mó­veis ven­di­dos no país eram im­por­ta­dos, prin­ci­pal­men­te da Chi­na e Por­tu­gal. Ho­je, ga­ba-se, já é pos­sí­vel mo­bi­lar uma ca­sa, ou mes­mo um es­cri­tó­rio, so­men­te com pro­du­ção na­ci­o­nal e com gran­de qua­li­da­de. Ele não es­con­de a sa­tis­fa­ção por fa­zer par­te des­ta ge­ra­ção de jo­vens, con­si­de­ran­do a sua en­tre­ga em ad­qui­rir ha­bi­li­da­des e com von­ta­de de, com o seu sa­ber, pro­du­zir mó­veis que vão ao en­con­tro das exi­gên­ci­as do mer­ca­do.

O re­sul­ta­do fi­nal do seu tra­ba­lho pro­vo­ca gran­de ad­mi­ra­ção. Ex­pli­ca que a me­la­mi­na che­ga à fá­bri­ca em estado bru­to e é ime­di­a­ta­men­te su­jei­to a um pro­ces­so de tra­ta­men­to, e de­pois das me­di­das bru­tas é trans­for­ma­do em mó­veis, co­mo ar­má­ri­os e me­sas de co­zi­nha, apa­ra­do­res pa­ra sa­la, ra­quers, rou­pei­ros, en­tre ou­tros.

Do­mi­nar o mer­ca­do

A di­rec­to­ra da In­du­car­pin, Eu­ni­ce dos San­tos Di­as, adi­an­ta que um dos gran­des ob­jec­ti­vos da fá­bri­ca é a li­de­ran­ça no mer­ca­do an­go­la­no de mo­bi­liá­rio. Ser uma das mai­o­res na in­dús­tria de car­pin­ta­ria do país é bom, mas Eu­ni­ce quer mais. A ges­to­ra afir­ma que a em­pre­sa in­ves­te pa­ra au­men­tar o vo­lu­me de ne­gó­ci­os e aten­der to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

Ela fez sa­ber que to­dos os mei­os es­tão ga­ran­ti­dos pa­ra que a In­du­car­pin se­ja lí­der no mer­ca­do e já es­tá a ser pre­pa­ra­da uma gran­de es­tra­té­gia, no qua­dro de no­vos de­sa­fi­os, pa­ra a ex­por­ta­ção das mer­ca­do­ri­as. “Nes­te mo­men­to, a fá­bri­ca já re­ce­beu a vi­si­ta de em­pre­sá­ri­os in­di­a­nos in­te­res­sa­dos nos seus pro­du­tos”, con­fir­ma.

Ma­dei­ra de qua­li­da­de

A in­dús­tria con­ta com mais de 80 fun­ci­o­ná­ri­os, dos quais 16 mu­lhe­res (uma ex­pa­tri­a­da). A fá­bri­ca tra­ba­lha com ma­té­ria-pri­ma na­ci­o­nal, com ex­cep­ção da me­la­mi­na. Se­gun­do Ar­tur So­a­res, to­do o pro­du­to é de origem na­ci­o­nal, des­de a ma­dei­ra às fer­ra­gens que vêm de ou­tras em­pre­sas tam­bém lo­ca­li­za­das na Zo­na Eco­nó­mi­ca.

Es­tá a ser fei­to um es­for­ço pa­ra que to­da a pro­du­ção se­ja na­ci­o­nal, in­cluin­do a me­la­mi­na. Mas é um ca­mi­nho lon­go. Ar­tur So­a­res re­al­ça a van­ta­gem que re­pre­sen­ta o fac­to de An­go­la ser um país ri­co em ma­dei­ra e além dis­so ha­ver uma gran­de va­ri­e­da­de. “Só a aqui­si­ção de aces­só­ri­os é que nos ti­ra o so­no.”

O Exe­cu­ti­vo con­si­de­rou em 2013 “im­pres­cin­dí­vel” a con­tri­bui­ção dos re­cur­sos flo­res­tais pa­ra a eco­no­mia do país e das fa­mí­li­as, pe­lo fac­to de ser “uma das prin­ci­pais fon­tes de mei­os pri­má­ri­os de sub­sis­tên­cia”.

An­go­la tem uma su­per­fí­cie flo­res­tal es­ti­ma­da em 53 mi­lhões de hec­ta­res, o que cor­res­pon­de a cer­ca de me­ta­de (43 por cen­to) do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal com uma ca­pa­ci­da­de anu­al de cor­te ava­li­a­da em 326 mil me­tros cú­bi­cos de ma­dei­ra, mi­lha­res de to­ne­la­das de car­vão e le­nha.

Ar­tur So­a­res re­co­nhe­ceu que há pro­cu­ra, mas os in­di­ca­do­res ain­da não são sa­tis­fa­tó­ri­os, aten­den­do à ne­ces­si­da­de da fá­bri­ca ex­pan­dir-se e cri­ar uma re­de de dis­tri­bui­ção em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal e pro­mo­ver-se em mer­ca­dos além-fron­tei­ras.

Po­lí­ti­ca de pre­ços jus­ta

Quan­to aos pre­ços, o res­pon­sá­vel con­si­de­rou que a fá­bri­ca pra­ti­ca uma po­lí­ti­ca de pre­ços ra­zoá­vel, que se ajus­ta às ori­en­ta­ções do mer­ca­do. A ideia é man­ter-se lon­ge da es­pe­cu­la­ção.

Ar­tur So­a­res la­men­tou o fac­to de mui­tos ci­da­dãos des­co­nhe­ce­rem os pro­du­tos da In­du­car­pin, ten­do re­fe­ri­do que os mes­mos che­gam a ter mais qua­li­da­de, quan­do com­pa­ra­dos com al­guns dos pro­du­tos vin­dos da Chi­na.

A qua­li­da­de dos pro­du­tos da In­du­car­pin es­tá pró­xi­ma da li­nha dos pro­du­zi­dos na Eu­ro­pa. Ele acres­cen­tou que há uma van­ta­gem em com­prar os pro­du­tos na­ci­o­nais, por­que, ao im­por­tar­mos, in­cor­re­mos em ris­cos des­ne­ces­sá­ri­os e, além dis­so, dei­xa­mos de con­tri­buir pa­ra o cres­ci­men­to da eco­no­mia na­ci­o­nal.

“A nos­sa apos­ta é me­lho­rar ca­da vez mais os nos­sos pro­du­tos pa­ra mul­ti­pli­car­mos as ven­das, e com is­so op­ti­mi­zar­mos os pre­ços das mo­bí­li­as”, dis­se So­a­res. Um dos gran­des fo­cos da In­du­car­pin é cri­ar há­bi­tos de tra­ba­lho, dar for­ma­ção aos ope­rá­ri­os e co­la­bo­ra­do­res pa­ra que se con­so­li­dem e aju­dem a con­quis­tar o mer­ca­do que es­tá nas mãos da Chi­na e de ou­tros paí­ses.

“Te­mos ma­té­ria-pri­ma, co­nhe­ci­men­to e bons ar­tí­fi­ces, um pes­so­al mui­to ca­paz”, as­si­na­la o es­pe­ci­a­lis­ta, vi­si­vel­men­te or­gu­lho­so.

In­te­res­sa­dos

Pa­ra qu­em es­te­ja in­te­res­sa­do em en­co­men­dar mo­bi­liá­rio, Ar­tur So­a­res ex­pli­ca que bas­ta di­ri­gir-se ao pa­vi­lhão da em­pre­sa na Zo­na Eco­nó­mi­ca. Uma vez lá, a pessoa po­de pe­dir o que pre­ten­de, e de­pois de dis­cu­ti­das as me­di­das e os mo­de­los os téc­ni­cos exe­cu­tam a obra na ho­ra.

A In­du­car­pin tra­ba­lha com vá­ri­as ti­po­lo­gi­as de ma­dei­ra, des­de a me­la­mi­na, pa­ra mó­veis pré-fa­bri­ca­dos, ma­dei­ras ma­ci­ças afri­ca­nas, pa­ra ca­mas e me­sas, li­nha em que os gran­des cli­en­tes são os res­tau­ran­tes.

Ener­gia lim­pa

Du­ran­te a nos­sa vi­si­ta à fá­bri­ca, Ar­tur So­a­res ex­pli­ca que pa­ra o tra­ta­men­to da ma­dei­ra a In­du­car­pin não usa a ener­gia eléc­tri­ca, pois a ges­tão mo­bi­li­zou me­ca­nis­mos pa­ra ex­plo­rar ener­gia re­no­vá­vel, ex­traí­da da ma­dei­ra. Es­te pro­ces­so, pi­o­nei­ro no país, evi­ta a quei­ma de ener­gia. “Tu­do é apro­vei­ta­do a par­tir dos des­per­dí­ci­os da ma­dei­ra e trans­for­ma­do em al­go fun­da­men­tal pa­ra a con­ti­nui­da­de do pro­ces­sa­men­to de cor­ren­te eléc­tri­ca pa­ra as má­qui­nas.”

Com a en­tra­da em vi­gor do no­vo De­cre­to Exe­cu­ti­vo 169/16, o trans­por­te de ma­dei­ra in­ter e in­tra­pro­vin­ci­al de­ve ser efec­tu­a­do em con­di­ções téc­ni­cas de se­gu­ran­ça pa­ra se evi­tar ví­ti­mas hu­ma­nas e pre­juí­zos ma­te­ri­ais nas vi­as ro­do­viá­ri­as. A cir­cu­la­ção de ma­dei­ra em to­ro é ad­mi­ti­da ape­nas den­tro das pro­vín­ci­as pro­du­to­ras.

Já o De­cre­to Exe­cu­ti­vo Con­jun­to 199/16 do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, Agri­cul­tu­ra e dos Trans­por­tes apro­vam os re­qui­si­tos de se­gu­ran­ça pa­ra o trans­por­te in­tra-pro­vin­ci­al da ma­dei­ra em to­ro e in­ter­pro­vin­ci­al da ma­dei­ra ser­ra­da.

As nor­mas do De­cre­to que en­tra­ram em vi­gor 360 di­as após a sua pu­bli­ca­ção vi­sam ga­ran­tir con­di­ções téc­ni­cas de se­gu­ran­ça e di­mi­nuir as per­das de vi­da hu­ma­nas e pre­juí­zos ma­te­ri­ais nas vi­as ro­do­viá­ri­as. O mes­mo es­ta­be­le­ce que os veí­cu­los pa­ra trans­por­te de ma­dei­ra em to­ro de­vem ser de car­ro­ça­ria aber­ta e pos­suir tai­pal di­an­tei­ro com lar­gu­ra igual à res­pec­ti­va cai­xa de car­ga, se­ja ela fi­xa em chas­sis-ca­bi­na ou em se­mi-re­bo­que pla­ta­for­ma com uma al­tu­ra mí­ni­ma de 50 cen­tí­me­tros.

A ma­dei­ra ser­ra­da de­ve ser trans­por­ta­da em veí­cu­los chas­sis-ca­bi­na com cai­xa de car­ga ou se­mi-re­bo­que aber­tos com tai­pal fron­tal, tra­sei­ro e la­te­ral, sen­do o tai­pal fron­tal com lar­gu­ra igual à res­pec­ti­va cai­xa de car­ga e al­tu­ra mí­ni­ma de 50 cen­tí­me­tros.

O De­cre­to es­ta­be­le­ce tam­bém que den­tro das pro­vín­ci­as pro­du­to­ras ha­ve­rá cir­cu­la­ção das ma­dei­ras em to­ro e fo­ra de­la a sua proi­bi­ção, mas a ser­ra­da po­de cir­cu­lar fo­ra da pro­vín­cia pro­du­to­ra. Com is­so, pre­ten­de o Exe­cu­ti­vo em par­ce­ria com os in­ves­ti­do­res, cri­ar no­vas in­fra-es­tru­tu­ras, ge­rar em­pre­go e ri­que­za na­ci­o­nal.

O con­ti­nen­te afri­ca­no con­ti­nua a ser o mai­or ex­por­ta­dor de ma­té­ri­a­pri­ma pa­ra os ou­tros con­ti­nen­tes. Sen­do An­go­la mem­bro da União Afri­ca­na, as­si­nou a con­ven­ção que proí­be a trans­por­ta­ção des­ta ma­té­ria-pri­ma e faz par­te das re­so­lu­ções des­ta or­ga­ni­za­ção, bem co­mo no Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to.

In­dús­tria na­ci­o­nal de car­pin­ta­ria ga­ran­te em­pre­go a mi­lha­res de jo­vens e apoia o sec­tor da cons­tru­ção ci­vil com por­tas e ja­ne­las que an­tes eram im­por­ta­das

MARIA AU­GUS­TA

MARIA AU­GUS­TA

Ar­tur So­a­res ex­pli­ca que a qua­li­da­de e va­ri­e­da­de das pe­ças re­sul­tam em gran­de par­te da ima­gi­na­ção e tra­que­jo de jo­vens que já são gran­des mes­tres ape­sar do pou­co tem­po de pro­fis­são

MARIA AU­GUS­TA

Mi­lha­res de vi­si­tan­tes do sa­lão de ex­po­si­ções da In­du­car­pin apro­vam a qua­li­da­de do mo­bi­liá­rio fei­to em An­go­la

MARIA AU­GUS­TA

Gra­ças ao em­pe­nho e ao bom am­bi­en­te de tra­ba­lho mui­tos jo­vens pas­sa­ram a ser ver­da­dei­ros mes­tres de car­pin­ta­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.