A violência e as fa­mí­li­as

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Há em to­do o país um mo­vi­men­to de in­dig­na­ção em re­la­ção a ac­tos de violência do­més­ti­ca co­me­ti­dos em vá­ri­os la­res do país e de que são ge­ral­men­te ví­ti­mas mu­lhe­res, cri­an­ças e ido­sos. É bom que a so­ci­e­da­de es­te­ja per­ma­nen­te­men­te aten­ta a es­te fe­nó­me­no de violência do­més­ti­ca que afec­ta mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas, ha­ven­do inú­me­ros ca­sos dra­má­ti­cos.

É bom que os an­go­la­nos con­tes­tem a violência e não per­mi­tam que ha­ja aten­ta­dos con­tra a dig­ni­da­de da pessoa hu­ma­na. A mo­bi­li­za­ção que se faz pa­ra con­tes­tar a violência do­més­ti­ca é tam­bém uma for­ma de se ini­bir os po­ten­ci­ais au­to­res de ac­tos vi­o­len­tos con­tra as pes­so­as de pra­ti­ca­rem ac­ções ilí­ci­tas.

A violência do­més­ti­ca é um gran­de pro­ble­ma que te­mos e é ne­ces­sá­rio que ha­ja uma lu­ta co­or­de­na­da con­tra um fe­nó­me­no que afec­ta to­do o nos­so país. Os di­ver­sos sec­to­res da so­ci­e­da­de de­vem es­tar dis­po­ní­veis pa­ra co­o­pe­ra­rem, a fim de en­con­tra­rem so­lu­ções con­jun­tas des­ti­na­das a re­sol­ver pro­gres­si­va­men­te um pro­ble­ma que é cau­sa de mui­tos pro­ble­mas nas fa­mí­li­as. Que­re­mos to­dos que ha­ja no país fa­mí­li­as es­tá­veis, e é de­ver de to­da a so­ci­e­da­de ci­vil co­la­bo­rar com o Estado pa­ra as­se­gu­rar a paz so­ci­al na nos­sa ter­ra. A nos­sa ter­ra não de­ve vi­ver com fa­mí­li­as ins­tá­veis e de­ses­tru­tu­ra­das.

Já vi­ve­mos uma guer­ra de lon­ga du­ra­ção que de­ses­tru­tu­rou fa­mí­li­as de to­do o país, com con­sequên­ci­as ne­fas­tas. Te­mos de tu­do fa­zer pa­ra que a violência do­més­ti­ca se­ja er­ra­di­ca­da dos nos­sos la­res, en­ve­re­dan­do-se por pro­gra­mas in­ten­si­vos de edu­ca­ção jun­to das co­mu­ni­da­des.

É ne­ces­sá­rio que se tra­ba­lhe jun­to das co­mu­ni­da­des por via, por exem­plo, de bri­ga­das cons­ti­tuí­das por pes­so­as que pos­sam aju­dar as fa­mí­li­as a su­pe­rar os seus pro­ble­mas. Tra­ta-se de um tra­ba­lho que de­ve ser per­sis­ten­te, por­que afi­nal não são pou­cos os pro­ble­mas.

An­go­la es­tá em paz des­de 2002 e es­ta­mos a cons­truir uma so­ci­e­da­de em que to­dos pos­sam vi­ver com dig­ni­da­de. O Estado tem fei­to tu­do pa­ra não per­mi­tir que um ci­da­dão se­ja ví­ti­ma de maus tra­tos no seu pró­prio lar.

É ne­ces­sá­rio que as or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, de di­ver­sa na­tu­re­za, e as igre­jas se­jam ca­da vez mais ac­ti­vi­da­des em prol da de­fe­sa das pes­so­as vul­ne­rá­veis, co­mo as cri­an­ças e os ido­sos, que ge­ral­men­te são ví­ti­mas de abu­sos por par­te dos seus pró­pri­os fa­mi­li­a­res. Te­mos de con­ti­nu­ar a es­tar in­dig­na­dos com os ac­tos que põem em pe­ri­go a vi­da de mui­tos dos nos­sos com­pa­tri­o­tas nos la­res em que vi­vem.

Não po­de­mos con­des­cen­der com aque­les que não amam o pró­xi­mo e pra­ti­cam a violência con­tra os seus pró­pri­os fa­mi­li­a­res, cau­san­do-lhes le­sões de vá­ria or­dem. Te­mos,é ver­da­de, le­gis­la­ção que pe­na­li­za a violência do­més­ti­ca, mas te­mos vin­do a cons­ta­tar que a exis­tên­cia de­la pa­ra pre­ver pe­na­li­da­des não é su­fi­ci­en­te, por si só, pa­ra evi­tar o au­men­to de ac­tos de violência nos la­res.

Se­rá ne­ces­sá­rio apos­tar-se mui­to na pre­ven­ção de ac­tos de violência do­més­ti­ca nos la­res. É pre­ci­so co­me­çar a pen­sar na for­ma­ção de es­pe­ci­a­lis­tas pa­ra tra­ba­lhar jun­to das fa­mí­li­as. O Mi­nis­té­rio da As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al e o Mi­nis­té­rio da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher de­vem tra­çar um pro­gra­ma que con­tem­ple ac­ções de gran­de al­can­ce des­ti­na­das a ac­tu­ar jun­to dos agre­ga­dos fa­mi­li­a­res que apre­sen­tem pro­ble­mas que pos­sam cons­ti­tuir ris­cos pa­ra os seus mem­bros, em par­ti­cu­lar pa­ra as cri­an­ças e ido­sos.

Pe­ran­te a gra­vi­da­de dos pro­ble­mas que ocor­rem em mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas, no que res­pei­ta à violência do­més­ti­ca, é ur­gen­te que as ins­ti­tui­ções vo­ca­ci­o­na­das pa­ra os re­sol­ver ajam ra­pi­da­men­te pa­ra que se re­du­zam os ca­sos de violência do­més­ti­ca no país.

É im­por­tan­te que es­pe­ci­a­lis­tas, co­mo so­ció­lo­gos e psi­có­lo­gos, não se­jam es­que­ci­dos nes­te es­for­ço que se pre­ten­de re­a­li­zar pa­ra se aca­bar com a violência do­més­ti­ca. É ver­da­de que a violência do­més­ti­ca não vai aca­bar de um dia pa­ra o ou­tro, mas a com­ple­xi­da­de do pro­ble­ma não nos de­ve im­pe­dir de con­ti­nu­ar a com­ba­ter um fe­nó­me­no que cau­sa so­fri­men­to a mui­ta gen­te. O so­fri­men­to por que pas­sam mui­tas pes­so­as, em vir­tu­de da violência do­més­ti­ca, de­ve in­cen­ti­var-nos a com­ba­ter te­naz­men­te o fe­nó­me­no. Pre­ten­de­mos que a paz rei­ne em to­dos os la­res de An­go­la e que ne­nhum an­go­la­no con­ti­nue a so­frer nas re­si­dên­ci­as em que vi­vem. De­ve­mos to­dos cri­ar uma re­de de solidariedade com to­dos os nos­sos com­pa­tri­o­tas que pre­ci­sam de aju­da nos seus la­res. So­mos uma Re­pú­bli­ca que de­fen­de a dig­ni­da­de da pessoa hu­ma­na. Nin­guém de­ve fi­car des­can­sa­do en­quan­to hou­ver um an­go­la­no a so­frer no seio da sua pró­pria fa­mí­lia. As nos­sas cri­an­ças e ido­sos de­vem me­re­cer pro­tec­ção es­pe­ci­al, e de­ve­mos to­dos es­tar dis­po­ní­veis pa­ra de­nun­ci­ar to­dos os ac­tos que aten­tem con­tra as su­as vi­das, se­ja por fal­ta de as­sis­tên­cia, se­ja por ac­ções vi­o­len­tas con­tra a sua in­te­gri­da­de fí­si­ca.

O mo­vi­men­to de in­dig­na­ção con­tra ac­tos de violência do­més­ti­ca de­ve pros­se­guir em to­do o país e não se de­ve dar tré­guas aos que pra­ti­cam ac­ções cri­mi­no­sas no seio de mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.