O cal­vá­rio dos cris­tãos ira­qui­a­nos que es­tão nas mãos do Da­esh

Jornal de Angola - - OPINIÃO - SAFA MAJEED e JE­AN MARC MOJON | AFP

Eles fo­ram tor­tu­ra­dos, for­ça­dos a cus­pir num cru­ci­fi­xo ou con­ver­ter­se ao is­la­mis­mo. Mas um gru­po de cris­tãos ira­qui­a­nos,mi­la­gro­sa­men­te,so­bre­vi­veu a mais de dois anos sob o ju­go do gru­po ex­tre­mis­ta Estado Is­lâ­mi­co (EI).

Quan­do os ex­tre­mis­tas is­lâ­mi­cos in­va­di­ram a pla­ní­cie de Ní­ni­ve, no nor­te do Ira­que, em 2014, eles obri­ga­ram os cris­tãos a es­co­lher en­tre con­ver­ter-se, sair ou mor­rer. Cer­ca de 120 mil de­les fu­gi­ram.

Ac­tu­al­men­te, as for­ças ira­qui­a­nas as­su­mi­ram gran­de par­te da re­gião, e aque­les que não ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de fu­gir, mas que so­bre­vi­ve­ram, tes­te­mu­nham dois anos de pri­va­ção e iso­la­men­to.

Is­mail Mat­ti ti­nha 14 anos quan­do o EI en­trou na sua ci­da­de de Bar­tal­la, a les­te de Mos­sul. Ele aguar­da­va a che­ga­da de pa­ren­tes pa­ra fu­gir com a sua mãe do­en­te, Jan­dar Na­si, mas nin­guém veio.

En­tão eles ten­ta­ram fu­gir, mas fo­ram im­pe­di­dos du­as ve­zes pe­los ex­tre­mis­tas, que os co­lo­ca­ram na cadeia em Mos­sul.

“Ha­via mui­tos xi­i­tas na ce­la ao la­do da nos­sa. Eles pe­ga­ram um, dis­pa­ra­ram con­tra a sua ca­be­ça e jo­ga­ram o seu cor­po à fren­te de nós”, re­la­ta. “Eles avi­sa­ram a mi­nha mãe que o mes­mo des­ti­no me aguar­da­va se nos re­cu­sás­se­mos a con­ver­ter. Por­tan­to, a gen­te con­ver­teu-se”, lem­bra Is­mail, ago­ra aco­lhi­do num abri­go ad­mi­nis­tra­do pe­la Igre­ja ca­tó­li­ca em Er­bil, ca­pi­tal do Cur­dis­tão ira­qui­a­no.

Após a pri­são, a mãe e o seu filho vol­ta­ram e, em se­gui­da, fo­ram en­vi­a­dos pa­ra o vi­la­re­jo de Chu­rikhan, a oes­te de Mos­sul.

“To­dos os nos­sos vi­zi­nhos eram do Da­esh”, re­la­ta, usan­do a si­gla em ára­be pa­ra o EI. “Eles vi­nham ve­ri­fi­car se eu res­pei­ta­va a sha­ria (lei is­lâ­mi­ca)”.”Se eles vis­sem que eu não ti­nha ido pa­ra a mes­qui­ta pa­ra orar, po­de­ri­am chi­co­te­ar-me”.

Is­mail saía às ve­zes pa­ra pe­dir ali­men­tos a pes­so­as sim­pá­ti­cas, mas a sua mãe era man­ti­da em clau­su­ra. Ho­je, Jan­dar re­cu­sa fa­lar so­bre es­ses dois anos, mas elo­gia a aju­da do seu filho. “Ele, Deus e Maria li­vra­ram-nos da mor­te. Nós es­ta­re­mos sem­pre jun­tos”, sus­sur­ra.

Dois anos sem sair

Za­ri­fa Ba­ko­os Dad­do, de 77 anos, qua­se não saiu de ca­sa em Qa­raqosh, que era a mai­or ci­da­de cris­tã no Ira­que.Ela abri­ga­va uma ami­ga ido­sa, Ba­driya.

“Du­ran­te to­do es­se tem­po nós­não vi­mos as nos­sas fa­mí­li­as, ape­nas es­ses ter­ro­ris­tas”, diz a viú­va anal­fa­be­ta.”Os mais ve­lhos tran­qui­li­za­vam-nos di­zen­do que éra­mos co­mo ir­mãs pa­ra eles, mas os jo­vens eram hos­tis”.

Za­ri­fa e Ba­driya fo­ram de­ti­das em Mos­sul, on­de di­vi­di­ram a ce­la com mu­lhe­res di­vor­ci­a­das ou viú­vas, an­tes de se­rem le­va­das pa­ra Qa­raqosh.

“Um dia, um de­les veio pe­dir di­nhei­ro e ou­ro. Ele co­lo­cou a ar­ma nas mi­nhas cos­te­las, ame­a­çan­do”, lem­bra Za­ri­fa. Ela deu os 300 dó­la­res que ti­nha e a sua ami­ga 15 qui­la­tes de ou­ro.

“Ou­tra vez foi um jo­vem de 20, 21 anos, que veio di­zer-nos que de­vía­mos con­ver­ter-nos. Eu dis­se que ele ti­nha a sua fé e nós a nos­sa”.

En­tão, “ele or­de­nou que eu cus­pis­se nu­ma re­pro­du­ção da Vir­gem Maria e num cru­ci­fi­xo. Eu re­cu­sei, mas ele obri­gou-me. To­do es­se tem­po, fa­lei com Deus no meu co­ra­ção pa­ra lhe di­zer que era con­tra a mi­nha von­ta­de”, afir­ma, emo­ci­o­na­da. “Eu sa­bia que Deus me ti­nha ou­vi­do por­que quan­do o ho­mem ten­tou quei­mar a ima­gem da Vir­gem, o is­quei­ro não fun­ci­o­nou”, dis­se Za­ri­fa, pro­vo­can­do o ri­so da sua fa­mí­lia ao ou­vir a sua his­tó­ria.

Quan­do as for­ças ira­qui­a­nas en­tra­ram em Qa­raqosh no fi­nal de Ou­tu­bro, as du­as mu­lhe­res per­ma­ne­ce­ram em ca­sa du­ran­te os com­ba­tes. Elas fo­ram en­con­tra­das por sol­da­dos vá­ri­os di­as de­pois da to­ma­da da lo­ca­li­da­de. O re­en­con­tro com os seus en­tes que­ri­dos fa­zem es­que­cer os seus tor­men­tos. Za­ri­fa, cu­ja pri­mei­ra lín­gua é o si­ría­co, até vê uma van­ta­gem nes­ses dois anos sob a lei dos jiha­dis­tas. “O meu ára­be me­lho­rou com o con­tac­to com eles.”

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.