Obras li­te­rá­ria e mu­si­cal lan­ça­das ho­je na Tri­e­nal

Jornal de Angola - - CULTURA -

O Pa­lá­cio de Fer­ro de Lu­an­da tes­te­mu­nha ho­je, às 18h00, mais dois im­por­tan­tes even­tos cul­tu­rais. Tra­ta-se dos lan­ça­men­tos do li­vro “Nza­ji - O Úl­ti­mo Con­tra­ta­do”, do es­cri­tor Do­min­gos Fer­nan­des de Bar­ros Ne­to, e do CD “Nzun­zu”, de Su­za­na Ni­co­lau In­glês.

“Nza­ji - O Úl­ti­mo Con­tra­ta­do”é um li­vro no qual o au­tor re­tra­ta, nu­ma nar­ra­ti­va his­tó­ri­ca, a fa­se crí­ti­ca do co­lo­ni­a­lis­mo, so­bre o sis­te­ma de tra­ba­lho for­ça­do pro­mo­vi­do pe­lo re­gi­me co­lo­ni­al por­tu­guês, tra­du­zi­do no agra­va­men­to da re­pres­são.

O li­vro tem pre­fá­cio de António Cos­ta e é pu­bli­ca­do sob chan­ce­la da editora Ima­gens e Le­tras.

A obra dis­co­grá­fi­ca “Nzun­zu” (Sau­da­de) con­ta as vi­vên­ci­as, me­mó­ri­as e so­nhos da au­to­ra e dos hau­ri­dos da sua fa­mí­lia, do seu tor­rão na­tal e dos sen­ti­men­tos do po­vo.

“Fi­la­xi ka itun­gu”, “Meu país”, “Na­nhi wa­tu­ban­ge­la?”, “Mu bvi­ti wa nji­la”, “Ugam­ba”, “Mo­na­mi”, “Kwan­za thun­da”, “Nden­ge ni nden­ge”, “Na kwem­bu”, “Ngi­di­te­la thun­da” e “Dia mbwembwa” são os te­mas que com­põem a obra de ca­rác­ter his­tó­ri­co-pe­da­gó­gi­co, que pre­ten­de dei­xar a sua im­pres­são di­gi­tal no uni­ver­so cul­tu­ral na­ci­o­nal.

A pri­mei­ra can­ção do dis­co, “Fi­la­xi”, se­gun­do a can­to­ra, abor­da as his­tó­ri­as das pes­so­as que lu­tam e lu­ta­ram pe­los gran­des ide­ais e, amiú­de, aca­bam dei­xan­do o mun­do dos vi­vos sem ve­rem re­a­li­za­das as cau­sas pe­las quais se ba­te­ram e, não pou­cas ve­zes, mor­rem por cau­sa de­las. Aos que ain­da vi­vem, nem sem­pre lhes é re­co­nhe­ci­do o mé­ri­to e, nal­guns ca­sos, são até mar­gi­na­li­za­dos. Des­ta ma­nei­ra, o dis­co tor­na-se, tam­bém, uma obra de re­fle­xão.

A III Tri­e­nal de Lu­an­da co­me­çou no dia 1 de No­vem­bro de 2015 e vai até 30 de No­vem­bro do cor­ren­te ano, sob o le­ma “Da uto­pia à re­a­li­da­de”. Se­gun­do o pa­tro­no da fun­da­ção ho­mó­ni­ma, Sin­di­ka Do­ko­lo, a Tri­e­nal de Lu­an­da é mui­to mais do que um es­pa­ço de ar­te, “é um sím­bo­lo de li­ber­da­de, um es­pa­ço pa­ra alar­gar o es­pec­tro do diá­lo­go cul­tu­ral”.

Do tra­di­ci­o­nal à ar­te mul­ti­mé­dia, a Tri­e­nal de Lu­an­da é um exer­cí­cio que se con­tra­põe à violência, res­pei­ta a di­fe­ren­ça, re­di­men­si­o­na e va­lo­ri­za o ou­tro, en­quan­to su­jei­to ar­tís­ti­co de ac­ção, ten­do co­mo ob­jec­ti­vo o res­ga­te, atra­vés das Ar­tes Vi­su­ais e Cé­ni­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.