MICROCRÉDITO AMI­GO DO BAN­CO SOL For­ma­ção ti­ra jo­vens do de­sem­pre­go

Jornal de Angola - - DESPORTO - EDIVALDO CRIS­TÓ­VÃO |

O Sis­te­ma Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal es­tá a ti­rar ca­da vez mais jo­vens do de­sem­pre­go e a afas­tá-los da de­linquên­cia. Até ao mo­men­to, já fo­ram cri­a­dos 595 cen­tros de for­ma­ção, re­gis­ta­dos mais de 234.744 for­man­dos e, des­tes, 196.884 ter­mi­na­ram os cur­sos com su­ces­so nas 111 es­pe­ci­a­li­da­des mi­nis­tra­das. Pa­ra ca­da jo­vem for­ma­do, o Estado gas­ta 800 mil kwan­zas.

O pro­gra­ma de for­ma­ção con­ce­deu on­tem, em par­ce­ria com o Ban­co Sol, microcrédito a 50 jo­vens do dis­tri­to ur­ba­no do Ki­lam­ba Ki­a­xi, du­ran­te a re­a­ber­tu­ra do Cen­tro de Apren­di­za­gem e Pres­ta­ção de Ser­vi­ços da­que­le dis­tri­to.

O mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al, Pi­tra Ne­to, dis­se na oca­sião que o pro­gra­ma de for­ma­ção e de microcrédito vi­sa cri­ar con­di­ções pa­ra que os mu­ni­cí­pi­os te­nham ca­pa­ci­da­de for­ma­ti­va pa­ra a ju­ven­tu­de, pa­ra com­ba­te­rem de for­ma efec­ti­va o de­sem­pre­go.

O Cen­tro de Apren­di­za­gem e Pres­ta­ção de Ser­vi­ços do Ki­lam­ba Ki­a­xi in­se­re-se no âm­bi­to da ex­pan­são da ofer­ta for­ma­ti­va do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal, vo­ca­ci­o­na­do pa­ra a ca­pa­ci­ta­ção dos jo­vens no do­mí­nio das ar­tes e ofí­ci­os, bem co­mo pa­ra apoi­ar os em­pre­en­de­do­res na pres­ta­ção de ser­vi­ços com qua­li­da­de em es­pa­ços e ofi­ci­nas con­dig­nas. O cen­tro foi re­es­tru­tu­ra­do pa­ra se adap­tar à pro­cu­ra, por­que ha­via mui­tos pe­di­dos pa­ra as es­pe­ci­a­li­da­des de cor­te e cos­tu­ra, re­fri­ge­ra­ção, em­pre­ga­da do­més­ti­ca, co­zi­nha, pas­te­la­ria e con­ta­bi­li­da­de in­for­ma­ti­za­da. Es­tes cur­sos já fo­ram in­se­ri­dos no pro­gra­ma cur­ri­cu­lar. Nes­te mo­men­to, o cen­tro tem ca­pa­ci­da­de pa­ra 220 for­man­dos e anu­al­men­te po­de for­mar cer­ca de 1.010 jo­vens em cur­sos de cur­ta du­ra­ção. É tam­bém pos­sí­vel fa­zer cur­sos pós-la­bo­rais pa­ra aque­les que ain­da não têm ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal.

A re­cém-for­ma­da Só­nia Sil­va, an­tes de fre­quen­tar o curso de cu­li­ná­ria no cen­tro, não tra­ba­lha­va. De­pois de con­cluir o curso, con­se­guiu be­ne­fi­ci­ar do microcrédito “Ami­go”. Ago­ra, vai in­ves­tir na­qui­lo que apren­deu. “É de lou­var a ini­ci­a­ti­va do Exe­cu­ti­vo. Ape­lo aos ou­tros jo­vens que es­tão no de­sem­pre­go pa­ra fre­quen­ta­rem es­ta for­ma­ção, por­que de fac­to mu­da a nos­sa vi­da”, dis­se. Ca­ta­ri­na Men­des da Sil­va fre­quen­tou os cur­sos de em­pre­ga­da do­més­ti­ca e me­sa e bar e tam­bém be­ne­fi­ci­ou do cré­di­to, mas an­tes já ven­dia be­bi­das e ge­la­dos, além de dar ex­pli­ca­ções em ca­sa.

O pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do Ban­co Sol, Cou­ti­nho No­bre Mi­guel, dis­se que a ban­ca an­go­la­na é par­cei­ra do Exe­cu­ti­vo na con­cre­ti­za­ção de po­lí­ti­cas de fo­men­to, pro­mo­ção e con­so­li­da­ção em­pre­sa­ri­al. Re­fe­riu que a ban­ca es­tá pre­sen­te pa­ra con­tri­buir pa­ra a trans­for­ma­ção da vi­da re­al das fa­mí­li­as.

Cou­ti­nho No­bre Mi­guel ga­ran­tiu que o Ban­co Sol es­tá aberto pa­ra apoi­ar to­das as ini­ci­a­ti­vas em­pre­en­de­do­ras, to­dos os jo­vens com ini­ci­a­ti­vas de cri­ar pe­que­nos ne­gó­ci­os ou que pre­ten­dam am­pli­ar, “po­dem pro­cu­rar os nos­sos bal­cões sem re­cei­os.”

Mes­mo em ca­so de in­cum­pri­men­to não de­vem ter re­ceio de vol­tar ao ban­co, por­que há equi­pas es­pe­cí­fi­cas pa­ra tra­tar da re­es­tru­tu­ra­ção dos cré­di­tos e re­for­çar as ga­ran­ti­as, pa­ra pos­te­ri­or­men­te as­se­gu­rar os in­ves­ti­men­tos, dis­se.

O que ocor­re mui­tas ve­zes, quan­do os jo­vens não con­se­guem hon­rar os com­pro­mis­sos, eles des­li­gam os te­le­mó­veis e fo­gem das res­pon­sa­bi­li­da­des. “Não há ne­ces­si­da­de dis­so, por­que o bal­cão tem co­mo mos­trar os ca­mi­nhos ade­qua­dos pa­ra sal­va­guar­dar as ac­ti­vi­da­des”.

Com a cri­a­ção do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal, sob ges­tão do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al (MAPTSS), o de­sem­pre­go en­tre os jo­vens tem di­mi­nuí­do subs­tan­ci­al­men­te. Os pro­gra­mas de for­ma­ção es­tão sub­di­vi­di­dos em bri­ga­das e fo­ram cri­a­dos pa­ra aju­dar a com­ba­ter a de­linquên­cia ju­ve­nil e im­pul­si­o­nar o em­pre­en­de­do­ris­mo que dá pos­si­bi­li­da­de aos jo­vens de cri­a­rem as su­as pró­pri­as em­pre­sas. O pro­gra­ma de em­pre­en­de­do­ris­mo na co­mu­ni­da­de “Cré­di­to Ami­go”, em par­ce­ria com o Ban­co Sol, dá mai­or so­li­dez ao pro­gra­ma de for­ma­ção e, de­pois, ocu­pa­ção pro­fis­si­o­nal dos jo­vens.

CONTREIRAS PIPA

Sis­te­ma Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal pro­mo­ve cur­sos pa­ra mi­lha­res de jo­vens

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.