Mí­dia e ma­ni­pu­la­ção em Trump

Jornal de Angola - - PARTADA - MA­NU­EL RUI |

O que acon­te­ceu nas elei­ções pre­si­den­ci­ais dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, foi uma no­tá­vel con­fir­ma­ção de to­do o pen­sa­men­to que o sá­bio des­se país NOAM CHOMSKI vem de­sen­vol­ven­do so­bre co­mu­ni­ca­ção, prin­ci­pal­men­te so­bre a ma­ni­pu­la­ção da opi­nião pú­bli­ca atra­vés da mí­dia.

O ci­da­dão co­mum é to­dos os di­as in­va­di­do por to­ne­la­das de ca­nais te­le­vi­si­vos com o cul­to da violência in­cluin­do ar­mas ima­gi­ná­ri­as que vo­mi­tam fo­go, os con­cur­sos de co­mi­das pa­ra en­gor­dar e em con­tra­pon­to os pro­gra­mas com di­e­tas, os pro­gra­mas de gor­dos a pe­sa­rem-se, en­vol­ven­do tu­do com o en­tre­te­ni­men­to, te­le­no­ve­las (não é por aca­so que quan­do uma re­por­ta­gem ou um as­sun­to se ar­ras­ta se de­sig­na por te­le­no­ve­la, co­mo a de Trump). Chomsky es­ta­be­le­ce “fil­tros” e “ma­ni­pu­la­ções.” 1º fil­tro- PRO­PRI­E­DA­DE:A mai­o­ria dos prin­ci­pais mei­os de co­mu­ni­ca­ção de mas­sa per­ten­ce às gran­des em­pre­sas.

2º fil­tro- FI­NAN­CI­A­MEN­TO: Os prin­ci­pais mei­os de co­mu­ni­ca­ção ob­têm a mai­or par­te da sua ren­da, não de seus lei­to­res, mas sim da pu­bli­ci­da­de (que, cla­ro, é pa­ga pe­las gran­des em­pre­sas).

3º fil­tro- FON­TE: As prin­ci­pais in­for­ma­ções são ge­ra­das por gran­des em­pre­sas e ins­ti­tui­ções.

Trump não se en­cos­ta aos “fil­tros” pois ele é um dos mai­o­res pa­trões dos “fil­tros,” ele co­man­da as tá­ti­cas e es­tra­té­gi­as pa­ra ma­ni­pu­lar. São dez as prin­ci­pais “ma­ni­pu­la­ções” co­lo­ca­das por Chomsky. A pri­mei­ra é a es­tra­té­gia da dis­tra­ção, ele­men­to pri­mor­di­al do con­tro­lo so­ci­al, que con­sis­te em des­vi­ar a aten­ção do pú­bli­co dos pro­ble­mas im­por­tan­tes, tam­bém pa­ra im­pe­dir que o pú­bli­co se in­te­res­se pe­los co­nhe­ci­men­tos es­sen­ci­ais, na área da ci­ên­cia, eco­no­mia, psi­co­lo­gia, neu­ro­bi­o­lo­gia e da ci­ber­né­ti­ca. Ou­tra ma­ni­pu­la­ção é cri­ar pro­ble­mas e de­pois ofe­re­cer so­lu­ções. Ou­tra é man­ter o pú­bli­co na ig­no­rân­cia e na me­di­o­cri­da­de. Ou­tra, ain­da não me­nos im­por­tan­te, é di­ri­gir-se ao pú­bli­co co­mo se fos­sem me­no­res de ida­de ou uti­li­zar mais ele­men­tos emo­ci­o­nais do que a re­fle­xão.

As­sim, com es­te ar­se­nal, o bi­mi­li­o­na­ris­mo, a de­pen­dên­cia di­rec­ta ou in­di­rec­ta de mi­lha­res de pes­so­as des­de os fa­bri­can­tes de gra­va­tas aos da in­dús­tria ho­te­lei­ra, ban­cos e ca­si­nos, o pa­trão dos “fil­tros e ma­ni­pu­la­ções”, Hil­lary não per­deu. En­trou lo­go a per­der, tan­to mais que o “ar­tis­ta” pu­xou a con­ver­sa pa­ra a bai­xa­ria, fil­trou e ma­ni­pu­lou e Hil­lary dei­xou-se le­var de for­ma a que o ad­ver­sá­rio ti­ves­se pro­du­zi­do cer­ca de cin­co mil men­ti­ras, ma­ni­fes­tou-se ho­mo­fó­bi­co, ra­cis­ta, con­tra os di­rei­tos hu­ma­nos, ini­mi­go de ani­mais, in­ten­tan­do de­por­tar la­ti­nos e ára­bes, in­vo­can­do uma cer­ti­dão de nas­ci­men­to de Oba­ma co­mo ten­do nas­ci­do no Qué­nia, de­fen­sor do uso e por­te de ar­mas, ame­a­çan­do no­me­ar, quan­do to­mas­se pos­se, um pro­cu­ra­dor pa­ra man­dar pren­der Hil­lary por cau­sa dos e-mails. Pi­or é a bom­ba ató­mi­ca e a re­cu­sa aos acor­dos so­bre o efei­to es­tu­fa.

O pro­ces­so co­mu­ni­ca­ci­o­nal é in­di­fe­ren­te à ver­da­de e, des­ta vez, o pú­bli­co, por me­do ou ver­go­nha, pe­las pri­mei­ra vez que eu sai­ba, fez com que a qua­se una­ni­mi­da­de das son­da­gens, pro­du­zi­das to­dos os di­as em to­do o mun­do, in­clu­sas per­so­na­li­da­des po­lí­ti­cas do oci­den­te, co­men­ta­do­res, ti­ves­sem si­do “ma­ni­pu­la­das” pa­ra a men­ti­ra pois se as son­da­gens apon­tas­sem pa­ra Trump ha­ve­ria lo­go um “che­ga pa­ra lá” po­pu­lar a fa­vor de Hil­lary.

Os mo­vi­men­tos po­pu­lis­tas que se ve­ri­fi­ca­ram an­tes da 2ª guer­ra mun­di­al, co­me­çam a pro­li­fe­rar pe­la eu­ro­pa e ago­ra com Trump é às cla­ras e ele pró­prio con­se­guiu que a cam­pa­nha elei­to­ral en­tras­se no seu mun­do co­mu­ni­ca­ci­o­nal co­mo o dos ca­si­nos, fa­lên­ci­as e pa­trão do con­cur­so miss uni­ver­so ou­tro fil­tro e ma­ni­pu­la­ção.

O pi­or foi afir­mar que ia cons­truir um mu­ro na fron­tei­ra com o Mé­xi­co e os me­xi­ca­nos se­ri­am obri­ga­dos a pa­gar. Os me­xi­ca­nos que já lá es­ta­vam quan­do che­ga­ram os in­va­so­res que, mais tar­de, no ci­ne­ma, trans­for­ma­ram os ín­di­os em vi­lões e os cow­boys em he­róis exi­bin­do es­cal­pes ar­ran­ca­dos aos ín­di­os e, com is­so ma­ni­pu­lan­do ge­ra­ções e ge­ra­ções de jo­vens que pe­di­am aos pais pis­to­las de ful­mi­nan­tes…

As cons­ti­tui­ções ou leis cons­ti­tu­ci­o­nais de­ve­ri­am in­cluir no seu tex­to a proi­bi­ção de pro­pó­si­tos con­tra os di­rei­tos hu­ma­nos ma­ni­fes­ta­dos por can­di­da­tos a lu­ga­res po­lí­ti­cos ci­mei­ros e me­ca­nis­mos de ex­clu­são da can­di­da­tu­ra. É que nem mes­mo Hi­tler, em prin­cí­pio de car­rei­ra, nos seus dis­cur­sos con­tra o ca­pi­ta­lis­mo e o mar­xis­mo-le­ni­nis­mo foi tão lon­ge co­mo Trump que co­me­ça pe­lo Hi­tler com o na­zis­mo já “adul­to.”

Tão co­nhe­ce­dor e pa­trão de mei­os de co­mu­ni­ca­ção, Trump con­se­guiu que mi­lhões de pes­so­as, mes­mo em paí­ses de ho­rá­rio da ma­dru­ga­da, se­guis­sem a con­ta­gem de um sis­te­ma que aca­bou des­pin­do a sua ine­fi­cá­cia pois sen­do o vo­to in­di­rec­to, ca­da vi­tó­ria em di­rec­to é que con­ta pa­ra o co­lé­gio elei­to­ral, não obs­tan­te Hil­lary ter ob­ti­do mais vo­tos in­di­vi­du­ais… per­deu. Trump de­ve ter ti­do mais es­pec­ta­do­res que o cam­pe­o­na­to do mun­do de fu­te­bol.

Com tu­do is­so, um ho­mem des­te per­fil che­fia o mais for­te país do mun­do, re­ple­to de sá­bi­os, pré­mi­os no­bel, po­lí­ti­cos hon­ra­dos, com tu­do is­so até a Co­mu­ni­da­de Eu­ro­peia tre­meu e idem pa­ra o Bre­xit que, com a saí­da do eu­ro con­ta­va com o seu par­cei­ro pri­vi­le­gi­a­do, a Amé­ri­ca. Trump de­fen­de o “fe­cha­men­to” da Amé­ri­ca, a ir­ra­ci­o­na­li­da­de em que apos­tou com os bran­cos de uma clas­se mé­dia ra­cis­ta e o apoio de uma or­ga­ni­za­ção ter­ro­ris­ta de­no­mi­na­da Ku-KluxK­lan. E ago­ra?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.