Ade­são de An­go­la ga­ran­te in­ves­ti­men­tos

Jornal de Angola - - POLÍTICA - ADALBERTO CEITA |

A ade­são de An­go­la à Con­ven­ção de No­va Ior­que so­bre Arbitragem per­mi­te uma mai­or se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca das en­ti­da­des es­tran­gei­ras que es­ta­be­le­cem con­tra­tos com o Es­ta­do e en­ti­da­des pri­va­das do país, de­cla­rou quin­ta-fei­ra, em Lu­an­da, o juiz-con­se­lhei­ro do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal.

Raúl Araú­jo, que fa­la­va à mar­gem da V Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Arbitragem de Lu­an­da, in­for­mou que os di­fe­ren­dos exis­ten­tes nos gran­des con­tra­tos in­ter­na­ci­o­nais não são so­lu­ci­o­na­dos pe­los tri­bu­nais lo­cais, mas pe­los tri­bu­nais ar­bi­trais ao ní­vel in­ter­na­ci­o­nal. “Tor­nan­do-se An­go­la par­te des­ta con­ven­ção, as en­ti­da­des es­tran­gei­ras que ope­ram no país re­ce­bem ga­ran­ti­as de cum­pri­men­to ou exe­cu­ção do que for de­ci­di­do pe­lo tri­bu­nal ar­bi­tral fo­ra de An­go­la”, sus­ten­tou.

Con­di­ções cri­a­das

Ain­da so­bre a ade­rên­cia de An­go­la à con­ven­ção, Raúl Araú­jo é de opi­nião que "só o tem­po e a prá­ti­ca", po­dem con­fir­mar a pre­ten­são, sa­li­en­tan­do que as con­di­ções mí­ni­mas es­tão cri­a­das pa­ra o efei­to.

“O res­to vem da apren­di­za­gem e ex­pe­ri­ên­cia. Se fi­car­mos sem­pre a es­pe­ra do ide­al não va­mos avan­çar”, re­al­çou, apon­tan­do a re­trac­ção de al­guns in­ves­ti­men­tos es­tran­gei­ros, ali­a­da a des­con­fi­an­ça de ga­ran­tia na pro­tec­ção dos in­te­res­ses e bens dos in­ves­ti­do­res, co­mo prin­ci­pais cons­tran­gi­men­tos da não-ade­são do país à Con­ven­ção de No­va Ior­que so­bre Arbitragem. “Nos seus con­tra­tos os in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros não acei­tam que se­jam os tri­bu­nais in­ter­nos a re­sol­ver os li­tí­gi­os, de­vi­do a mo­ro­si­da­de na de­ci­são e re­ceio de fa­vo­re­ci­men­to aos ci­da­dãos lo­cais”, dis­se. O bas­to­ná­rio Manuel Gon­çal­ves es­cla­re­ceu que o pro­ces­so de ade­são de An­go­la à Con­ven­ção de No­va Ior­que so­bre Arbitragem de­cor­re há vá­ri­os anos. In­for­mou que o mes­mo já foi apro­va­do pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal e aguar­da pe­la ra­ti­fi­ca­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

“É im­por­tan­te que es­ta con­ven­ção in­ter­na­ci­o­nal en­tre em vi­gor na or­dem ju­rí­di­ca an­go­la­na, pa­ra mais fa­cil­men­te se­rem exe­cu­ta­das em An­go­la as de­ci­sões ar­bi­trais pro­fe­ri­das no es­tran­gei­ro, e vi­ce-ver­sa”, re­al­çou O bas­to­ná­rio Manuel Gon­çal­ves .

“A arbitragem em no­vos do­mí­ni­os: Arbitragem la­bo­ral, ad­mi­nis­tra­ti­va e fis­cal”, e a “Arbitragem e a al­te­ra­ção de cir­cuns­tân­ci­as em ma­té­ria de con­tra­tos” cons­tam en­tre os te­mas ana­li­sa­dos du­ran­te o en­con­tro de on­tem.

A V Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Arbitragem de Lu­an­da de­cor­reu sob o le­ma “As no­vas fron­tei­ras de arbitragem em An­go­la", e ne­le par­ti­ci­pa­ram ma­gis­tra­dos ju­di­ci­ais e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, ad­vo­ga­dos, em­pre­sá­ri­os, in­ves­ti­do­res, do­cen­tes e dis­cen­tes.

SAN­TOS PE­DRO

Juiz-con­se­lhei­ro do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal des­ta­cou a ade­são do país ao ins­tru­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.