Independência e edi­fi­ca­ção da an­go­la­ni­da­de

Jornal de Angola - - OPINIÃO - FILIPE ZAU |*

Após o iní­cio da lu­ta ar­ma­da em An­go­la, a 4 de Fe­ve­rei­ro de 1961, cer­ca de 400 co­lo­nos cer­ca­ram e iso­la­ram o con­su­la­do ame­ri­ca­no, em Lu­an­da e ati­ra­ram às águas da baía o car­ro do côn­sul Wil­li­am Gib­son (20 de Mar­ço de 1961). A ins­pi­ra­ção ame­ri­ca­na da re­vol­ta da UPA era in­dis­far­çá­vel e Henry Kis­sin­ger, se­cre­tá­rio de Es­ta­do, con­fir­mou, mais tar­de, o seu apoio a Hol­den Ro­ber­to, já que, a 30 de Abril de 1961, o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça nor­te-ame­ri­ca­no foi se­cre­ta­men­te au­to­ri­za­do a fi­nan­ci­ar aque­le mo­vi­men­to.

Em 31 de Mar­ço de 1961, é pre­so em Lu­an­da, o Pe. Manuel Jo­a­quim Men­des das Ne­ves, Vi­gá­rio Ge­ral da Di­o­ce­se, “acu­sa­do de ser o che­fe da organização res­pon­sá­vel pe­los ac­tos de ter­ro­ris­mo ocor­ri­dos em An­go­la” e, tal co­mo ele, pre­sos e de­por­ta­dos pa­ra Portugal, no­ve pa­dres an­go­la­nos, acu­sa­dos de li­ga­ções com os mo­vi­men­tos na­ci­o­na­lis­tas. A men­ta­li­da­de com que as tro­pas por­tu­gue­sas en­tra­ram na gu­er­ra fi­cou bem pa­ten­te no dis­cur­so de des­pe­di­da de um con­tin­gen­te, pro­fe­ri­do pe­lo en­tão mi­nis­tro do Exér­ci­to, ge­ne­ral Má­rio Silva: “Va­mos pa­ra com­ba­ter, não con­tra se­res hu­ma­nos, mas con­tra fe­ras e sel­va­gens. Va­mos pa­ra com­ba­ter ani­mais sel­va­gens. Va­mos en­fren­tar ter­ro­ris­tas que de­vem ser aba­ti­dos co­mo ani­mais sel­va­gens”. Sob a ale­ga­ção de que os guer­ri­lhei­ros acre­di­ta­vam na res­sur­rei­ção, os mi­li­ta­res por­tu­gue­ses che­ga­ram a es­pe­tar a ca­be­ça de na­ci­o­na­lis­tas em es­ta­cas de ma­dei­ra.

O cor­res­pon­den­te do jor­nal Ob­ser­ver, em Lu­an­da, a 7 de Maio de 1961, cal­cu­la que, des­de o iní­cio da re­vol­ta, em 4 de Fe­ve­rei­ro, já ha­vi­am si­do mor­tos mais de 20 mil afri­ca­nos, quan­do, a 9 de Ju­nho de 1961, se dá a apro­va­ção, pe­lo Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, de uma re­so­lu­ção de­plo­ran­do pro­fun­da­men­te os mas­sa­cres e de­mais me­di­das de re­pres­são da po­pu­la­ção an­go­la­na. Po­rém, as de­nún­ci­as de mas­sa­cres nun­ca dei­xa­ram de sur­gir, co­mo, en­tre ou­tras, a da cha­ci­na de 135 ci­vis em Qui­ba­xe, apre­sen­ta­da, em 26 de Ju­lho de 1973, por mis­si­o­ná­ri­os ho­lan­de­ses.

No dia 18 de Abril de 1961, ocor­re a fun­da­ção, em Ca­sa­blan­ca, da CONCP (Con­fe­rên­cia das Or­ga­ni­za­ções Na­ci­o­na­lis­tas das Co­ló­ni­as Por­tu­gue­sas). Em De­zem­bro de 1961, o en­tão lí­der do MPLA, Má­rio Pin­to de An­dra­de e o ge­ne­ral Hum­ber­to Del­ga­do de­ci­dem cri­ar uma Fren­te Uni­da en­tre an­go­la­nos e por­tu­gue­ses pa­ra lu­tar con­tra o re­gi­me de Sa­la­zar. Mais tar­de, em 13 de Ou­tu­bro de 1963, Hum­ber­to Del­ga­do reú­ne-se pa­ra con­ver­sa­ções, no Rio de Ja­nei­ro, com re­pre­sen­tan­tes da FNLA.

Tal co­mo An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, tam­bém o Pe. Jo­a­quim Pin­to de An­dra­de ha­via si­do pre­so, em Ju­nho de 1960 e de­por­ta­do pa­ra Lis­boa. Foi, no en­tan­to, en­car­ce­ra­do no te­ne­bro­so For­te de Pe­ni­che, on­de após au­to­ri­za­ção de re­nún­cia ao sa­cer­dó­cio pe­lo Va­ti­ca­no, foi, na­que­la mes­ma pri­são, au­to­ri­za­do a ca­sar-se pe­lo ci­vil com Vic­tó­ria de Al­mei­da e Sou­sa, em No­vem­bro de 1971. Em Ou­tu­bro de 1963, os no­ve pa­dres an­go­la­nos de­por­ta­dos em Portugal ha­vi­am-se di­ri­gi­do ao Nún­cio Apos­tó­li­co pa­ra de­nun­ci­a­rem o que ape­li­da­ram de “co­lo­ni­a­lis­mo mis­si­o­ná­rio”. Mas, ape­nas, a 10 de Fe­ve­rei­ro de 1971, se ini­ci­ou o seu jul­ga­men­to, em Lis­boa, in­cluin­do o de Jo­a­quim Pin­to de An­dra­de, acu­sa­dos de ten­ta­rem ob­ter “por mei­os vi­o­len­tos a se­pa­ra­ção de An­go­la da Mãe-Pá­tria”.

Já an­te­ri­or­men­te, em Ju­nho de 1962, um tri­bu­nal de Lu­an­da ha­via con­de­na­do os es­cri­to­res an­go­la­nos An­tó­nio Ja­cin­to, An­tó­nio Car­do­so e Jo­sé Gra­ça (Lu­an­di­no Vi­ei­ra) a 4 anos de pri­são por “ac­ti­vi­da­des con­tra a se­gu­ran­ça ex­te­ri­or do Es­ta­do”. Em Maio de 1965, a Sociedade Por­tu­gue­sa de Es­cri­to­res atri­buiu o Pré­mio Ca­mi­lo Cas­te­lo Bran­co a Lu­an­di­no Vi­ei­ra, o que le­vou a Le­gião Por­tu­gue­sa a as­sal­tar a se­de da­que­la agre­mi­a­ção, que foi dis­sol­vi­da pe­lo Go­ver­no.

Em Agos­to de 1966, um gru­po de cris­tãos de­nun­cia aos bis­pos de An­go­la ac­ções do Exér­ci­to con­tra po­pu­la­ções ci­vis e re­cla­ma da Igre­ja uma to­ma­da de po­si­ção cla­ra. Em 11 de De­zem­bro des­se ano, o có­ne­go Manuel das Ne­ves aca­bou por fa­le­cer no exí­lio. Na sequên­cia das va­gas de pri­sões em Lu­an­da (Ou­tu­bro de 1969) e de es­tu­dan­tes afri­ca­nos nas uni­ver­si­da­des por­tu­gue­sas (Fe­ve­rei­ro de 1970), re­a­li­zou-se, em Ro­ma, de 27 a 29 de Ju­nho de 1970, a “II Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal de So­li­da­ri­e­da­de pa­ra com os Po­vos das Co­ló­ni­as Por­tu­gue­sas” e, lo­go de se­gui­da, no dia 1 de Ju­lho, o Pa­pa Paulo VI re­ce­be em au­di­ên­cia, no Va­ti­ca­no, Agos­ti­nho Ne­to, Amíl­car Ca­bral e Marcelino dos San­tos.

No dia 2 de De­zem­bro de 1970, o Go­ver­no en­tre­gou à As­sem­bleia Na­ci­o­nal uma pro­pos­ta de re­vi­são da Cons­ti­tui­ção que con­tem­pla­va um “es­ta­tu­to de au­to­no­mia in­ter­na” pa­ra “as pro­vín­ci­as ul­tra­ma­ri­nas”. Mas, a 17 de Fe­ve­rei­ro de 1971, Mar­ce­lo Caetano de­cla­ra que “as re­for­mas cons­ti­tu­ci­o­nais pre­vis­tas pa­ra o Ul­tra­mar não são um pri­mei­ro pas­so pa­ra a independência” e em Agos­to de 1971, dá-se a pu­bli­ca­ção da Lei de Re­vi­são Cons­ti­tu­ci­o­nal. An­go­la e Mo­çam­bi­que pas­sam en­tão a ser de­sig­na­dos por “Es­ta­dos”.

A 21 de Agos­to de 1973, ca­pi­tães do Exér­ci­to co­me­ça­ram a pro­mo­ver reu­niões de con­tes­ta­ção a de­cre­tos do Go­ver­no so­bre car­rei­ras mi­li­ta­res e a 24 de No­vem­bro des­se ano, co­lo­ca-se, pe­la pri­mei­ra vez, a hi­pó­te­se de der­ru­bar o Go­ver­no, nu­ma reu­nião do “Mo­vi­men­to dos Ca­pi­tães”. A As­sem­bleia Na­ci­o­nal apro­va um vo­to de con­fi­an­ça na po­lí­ti­ca ul­tra­ma­ri­na do Go­ver­no (5 de Mar­ço de 1974) e pos­te­ri­or­men­te, o Go­ver­no por­tu­guês de­mi­te o che­fe e o vi­ce­che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral, ge­ne­rais Cos­ta Go­mes e An­tó­nio Spí­no­la (15 de Mar­ço de 1974).

No dia se­guin­te, uma co­lu­na mi­li­tar avan­ça das Cal­das da Rai­nha so­bre Lis­boa mas é con­ti­da às por­tas da ca­pi­tal (16 de Mar­ço de 1974). O Go­ver­no, em co­mu­ni­ca­do so­bre os acon­te­ci­men­tos mi­li­ta­res, de­cla­ra que “rei­na a or­dem em to­do o país”. Até que, a 25 de Abril de 1974, o Mo­vi­men­to das For­ças Ar­ma­das der­ru­ba Mar­ce­lo Caetano, con­si­de­ran­do que ao fim de 13 anos de gu­er­ra o re­gi­me não con­se­guiu de­fi­nir uma po­lí­ti­ca ul­tra­ma­ri­na que con­du­zis­se à paz.

No cam­po po­lí­ti­co-mi­li­tar, fa­lha a 9 de Abril de 1961, o pro­nun­ci­a­men­to do ge­ne­ral Bo­te­lho Mo­niz pa­ra de­por Sa­la­zar, que, lo­go a se­guir, no dia 14, de­cla­rou o se­guin­te: “a ex­pli­ca­ção é An­go­la, an­dar ra­pi­da­men­te e em for­ça é o ob­jec­ti­vo (…)”.

Em fi­nais de 1961, Portugal ti­nha 33.447 mi­li­ta­res em An­go­la. Po­rém, es­se nú­me­ro foi sem­pre cres­cen­do, pe­lo que não me pa­re­ce ra­zoá­vel di­zer-se que, se não fos­se o 25 de Abril de 1974, a gu­er­ra de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal es­ta­ria con­de­na­da ao fra­cas­so. Ve­ja­mos, pois, a ten­dên­cia cres­cen­te do nú­me­ro de efec­ti­vos ao fi­nal de ca­da ano de con­fli­tos ar­ma­dos:

- Em 1962, ha­via um to­tal de 44.925 mi­li­ta­res, que cres­ce pa­ra 47.400, em 1963, pa­ra 52.493, em 1964, pa­ra 57.053, em 1965 e pa­ra 57.420, em 1966, ape­sar do co­ro­nel Re­bo­cho Vaz, de­sig­na­do nes­se mês go­ver­na­dor-ge­ral de An­go­la, de­cla­rar no seu dis­cur­so de to­ma­da de pos­se que a gu­er­ra “es­tá pra­ti­ca­men­te ga­nha”;

- O nú­me­ro de 57.420 mi­li­ta­res man­te­ve-se, em 1967, au­men­tou pa­ra 58.230, em 1968 e di­mi­nuiu pa­ra 55.574, em 1969, ape­sar de, no dia 24 de Ja­nei­ro de 1969, co­mu­ni­ca­dos mi­li­ta­res por­tu­gue­ses as­si­na­la­rem, nos úl­ti­mos dois me­ses, a exis­tên­cia de com­ba­tes em oi­to pro­vín­ci­as de An­go­la;

- O efec­ti­vo mi­li­tar vol­tou a di­mi­nuir, em 1970, pa­ra 55.233, de­pois cres­ceu con­si­de­ra­vel­men­te pa­ra 62.060 mi­li­ta­res, em 1971, di­mi­nuiu li­gei­ra­men­te pa­ra 60.317, em 1972 e vol­tou a au­men­tar sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te pa­ra 65.592, em 1973, so­bre­tu­do, quan­do as che­fi­as mi­li­ta­res con­si­de­ra­ram que se vi­via uma si­tu­a­ção pré-in­sur­rec­ci­o­nal no sul de An­go­la.

O sa­cri­fí­cio de mui­tos an­go­la­nos pe­la nos­sa au­to­no­mia po­lí­ti­ca te­rá evi­den­te­men­te de ser mi­ni­ma­men­te com­pen­sa­do com a ne­ces­si­da­de im­pe­ri­o­sa de cons­ci­en­ci­a­li­za­ção da edi­fi­ca­ção da na­ção an­go­la­na, on­de to­dos, in­de­pen­den­te­men­te das su­as di­fe­ren­ças de or­dem ét­ni­ca, re­li­gi­o­sa, his­tó­ri­co­cul­tu­ral, só­cio-eco­nó­mi­ca ou po­lí­ti­co-ide­o­ló­gi­ca, se re­co­nhe­çam em um mes­mo sen­ti­men­to de um to­do po­li­ti­ca­men­te iden­ti­tá­rio: a an­go­la­ni­da­de ou a na­ção de um só po­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.