De­cre­ta­do lu­to pe­las ví­ti­mas de Te­te

TRA­GÉ­DIA EM MO­ÇAM­BI­QUE Ex­plo­são de ca­mião-cis­ter­na pro­vo­cou de­ze­nas de mor­tos e fe­ri­dos

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Go­ver­no mo­çam­bi­ca­no de­cre­tou, on­tem, três di­as de lu­to na­ci­o­nal pe­las ví­ti­mas da ex­plo­são de um ca­mião-cis­ter­na, ocor­ri­da quin­ta-fei­ra, na pro­vín­cia de Te­te, cen­tro do país, que pro­vo­cou 56 mor­tos con­fir­ma­dos e 108 fe­ri­dos.

O lu­to ini­ci­ou às 00h00 de ho­je e ter­mi­na se­gun­da-fei­ra, in­for­mou Mou­zi­nho Saí­de, por­ta-voz do Con­se­lho de Mi­nis­tros, que es­te­ve reu­ni­do, on­tem de ma­nhã, em ses­são ex­tra­or­di­ná­ria em Ma­pu­to.

“Du­ran­te o pe­río­do de lu­to na­ci­o­nal, a ban­dei­ra na­ci­o­nal se­rá iça­da a meia-has­te em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal e nas mis­sões di­plo­má­ti­cas e con­su­la­res de Mo­çam­bi­que”, dis­se aos jor­na­lis­tas Mou­zi­nho Saí­de.

É a se­gun­da vez em me­nos de dois anos que o Go­ver­no de­cre­ta lu­to na­ci­o­nal por cau­sa de uma tra­gé­dia na pro­vín­cia de Te­te, após 75 pes­so­as te­rem mor­ri­do em Chi­ti­ma em Ja­nei­ro de 2015 de en­ve­ne­na­men­to por uma be­bi­da tra­di­ci­o­nal, quan­do re­gres­sa­vam de um fu­ne­ral.

O por­ta-voz do Con­se­lho de Mi­nis­tros dis­se igual­men­te que se­rá cri­a­da uma co­mis­são de inqué­ri­to pa­ra in­ves­ti­gar a ex­plo­são do ca­mião-sis­ter­na, a ser li­de­ra­da pe­lo Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e in­te­gra­da pe­los mi­nis­té­ri­os do In­te­ri­or, Ad­mi­nis­tra­ção Es­ta­tal e Fun­ção Pú­bli­ca e Ener­gia e Re­cur­sos Mi­ne­rais.

O ba­lan­ço apre­sen­ta­do pe­lo Go­ver­no re­fe­re a exis­tên­cia de 56 mor­tos con­fir­ma­dos e 108 fe­ri­dos, abai­xo das 73 ví­ti­mas mor­tais avan­ça­das na noi­te de quin­ta-fei­ra pe­la Rá­dio pú­bli­ca de Mo­çam­bi­que, ci­tan­do o Go­ver­no Pro­vin­ci­al de Te­te. Se­gun­do a ver­são do Go­ver­no, o ca­mião des­vi­ou-se da sua ro­ta pa­ra a lo­ca­li­da­de de Caphi­rid­zan­ge, no dis­tri­to de Mo­a­ti­ze, on­de ocor­reu a tra­gé­dia, após o mo­to­ris­ta ter aban­do­na­do o veí­cu­lo em so­bre­a­que­ci­men­to. De­ze­nas de pes­so­as, de acor­do com o Go­ver­no, ten­ta­vam re­ti­rar o com­bus­tí­vel do ca­mião quan­do fo­ram sur­pre­en­di­das por uma ex­plo­são.

À en­tra­da do Con­se­lho de Mi­nis­tros ex­tra­or­di­ná­rio, o Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no, Filipe Nyu­si, la­men­tou a tra­gé­dia e dis­se que é pre­ci­so fle­xi­bi­li­da­de das au­to­ri­da­des na as­sis­tên­cia às ví­ti­mas.“A tra­gé­dia ba­teu a nos­sa por­ta uma vez mais, atra­vés da pro­vín­cia de Te­te.

O im­por­tan­te ago­ra é ser fle­xí­vel na as­sis­tên­cia às po­pu­la­ções e to­mar me­di­das”, afir­mou Filipe Nyu­si à en­tra­da de uma ses­são ex­tra­or­di­ná­ria do Con­se­lho de Mi­nis­tros em Ma­pu­to, que te­ve co­mo pon­to úni­co o de­sas­tre ocor­ri­do em Caphi­rid­zan­ge, dis­tri­to de Mo­a­ti­ze, no cen­tro do país.

O Con­se­lho de Mi­nis­tros ex­tra­or­di­ná­rio ocor­reu em pa­ra­le­lo com o en­vio pre­vis­to pa­ra o lo­cal da tra­gé­dia de uma equi­pa go­ver­na­men­tal, di­ri­gi­da pe­la mi­nis­tra da Ad­mi­nis­tra­ção Es­ta­tal e Fun­ção Pú­bli­ca, Car­me­li­ta Na­mashu­lua, acom­pa­nha­da pe­lo mi­nis­tro dos Trans­por­tes e Co­mu­ni­ca­ções, Car­los Mes­qui­ta, pe­lo vi­ce-mi­nis­tro da Saú­de, Mou­zi­nho Saí­de, e pe­lo di­rec­tor do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Ges­tão de Ca­la­mi­da­des, Os­val­do Ma­cha­ti­ne.

AFP

Mo­çam­bi­ca­nos es­tão cho­ca­dos com a tra­gé­dia nu­ma al­tu­ra em que o Che­fe de Es­ta­do pe­de fle­xi­bi­li­da­de na as­sis­tên­cia às ví­ti­mas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.