Do­en­tes re­nais ví­ti­mas de dis­cri­mi­na­ção

De­vi­do ao tra­ta­men­to pro­lon­ga­do al­guns são des­pe­di­dos

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - PAULO CACULO |

AAs­so­ci­a­ção An­go­la­na de Do­en­tes Re­nais ma­ni­fes­tou on­tem, em Lu­an­da, a sua pre­o­cu­pa­ção pe­lo nú­me­ro de ca­sos de do­en­tes des­pe­di­dos das em­pre­sas em que tra­ba­lham por se au­sen­ta­rem cons­tan­te­men­te pa­ra se­rem sub­me­ti­dos à he­mo­diá­li­se.

A pre­o­cu­pa­ção foi ma­ni­fes­ta­da ao Jor­nal de An­go­la pe­lo pre­si­den­te da as­so­ci­a­ção, Paulo Car­los de An­dra­de, que la­men­tou a dis­cri­mi­na­ção de que são ví­ti­mas os do­en­tes re­nais nos seus lo­cais de tra­ba­lho.

O ac­ti­vis­ta so­ci­al acen­tu­ou que a au­sên­cia jus­ti­fi­ca­da de do­en­tes com in­su­fi­ci­ên­cia re­nal do lo­cal de tra­ba­lho se de­ve ao “tra­ta­men­to pro­lon­ga­do e de­li­ca­do a que são sub­me­ti­dos.”

“Há pes­so­as que, após di­ag­nos­ti­ca­da a do­en­ça, são obri­ga­das a des­lo­car-se a Lu­an­da ou a ou­tras pro­vín­ci­as on­de exis­tem cen­tros de he­mo­diá­li­se e aca­bam de­pois por per­der os res­pec­ti­vos em­pre­gos, de­vi­do ao tra­ta­men­to de­li­ca­do e pro­lon­ga­do a que são sub­me­ti­das”, sa­li­en­tou Paulo Car­los de An­dra­de.

No Mo­xi­co, o cen­tro de he­mo­diá­li­se exis­ten­te, inau­gu­ra­do re­cen­te­men­te pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, ain­da não abriu as por­tas à po­pu­la­ção, um si­tu­a­ção que faz com que os do­en­tes re­nais con­ti­nu­em a des­lo­car-se a Lu­an­da, à pro­cu­ra de tra­ta­men­to mé­di­co. “Pre­ci­sa­mos que o cen­tro de he­mo­diá­li­se do Mo­xi­co fun­ci­o­ne pa­ra dar as­sis­tên­cia mé­di­ca ao nú­me­ro de pa­ci­en­tes da zo­na les­te do país”, de­cla­rou Paulo Car­los de An­dra­de, que re­ve­lou es­ta­rem sob con­tro­lo da as­so­ci­a­ção cer­ca de 4.007 pa­ci­en­tes em to­do o país, a mai­o­ria dos qu­ais con­cen­tra­da em Lu­an­da.

A con­cen­tra­ção em Lu­an­da da mai­o­ria dos do­en­tes re­nais se de­ve ao fac­to de ha­ver ser­vi­ços de he­mo­diá­li­se nos hos­pi­tais pú­bli­cos Maria Pia e Amé­ri­co Bo­a­vi­da e nas clí­ni­cas Mul­ti­per­fil, Gi­ras­sol e Sa­gra­da Es­pe­ran­ça.” Um dos gran­des de­sa­fi­os da as­so­ci­a­ção, fun­da­da em Maio de 2014, é pôr fim às di­fi­cul­da­des que os do­en­tes re­nais en­fren­tam no aces­so às ses­sões de he­mo­diá­li­se, já que, pa­ra o tra­ta­men­to, é ne­ces­sá­rio que se te­nha uma jun­ta mé­di­ca.

“O pa­ci­en­te que não ti­ver uma jun­ta mé­di­ca cor­re ris­co de vi­da", aler­tou o ac­ti­vis­ta so­ci­al. Em uma se­ma­na o do­en­te é sub­me­ti­do a três ses­sões de he­mo­diá­li­se, ca­da uma das qu­ais du­ra qua­tro ho­ras, pro­vo­can­do “uma fa­di­ga enor­me a mui­tos pa­ci­en­tes.” “De­vi­do ao tra­ta­men­to pro­lon­ga­do, mui­tos aca­bam por ser afas­ta­dos do em­pre­go e nin­guém faz na­da por es­sas pes­so­as”, al­gu­mas das qu­ais são che­fes de fa­mí­lia, la­men­tou Paulo Car­los de An­dra­de. O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Do­en­tes Re­nais in­sis­tiu na ne­ces­si­da­de da cri­a­ção, pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de, de con­di­ções, in­cluin­do ju­rí­di­co-le­gais, pa­ra a re­a­li­za­ção de trans­plan­tes de rim em An­go­la.

O mai­or pro­ble­ma, acres­cen­tou, não re­si­de no trans­plan­te, mas no pe­río­do pós-trans­plan­te. O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção An­go­la­na de Do­en­tes Re­nais de­fen­de, an­tes da apro­va­ção de uma lei so­bre trans­plan­te, a cri­a­ção de ban­cos de ór­gãos com ca­pa­ci­da­de pa­ra dar res­pos­ta à pro­cu­ra.

Paulo Car­los de An­dra­de in­for­mou que a as­so­ci­a­ção che­gou a ser re­ce­bi­da pe­la VII Co­mis­são da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, em cu­ja reu­nião foi in­for­ma­da so­bre a exis­tên­cia de um pro­jec­to de lei so­bre trans­plan­te de ór­gãos em An­go­la.

SAN­TOS PE­DRO

Paulo de An­dra­de pre­si­den­te da as­so­ci­a­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.