Dí­vi­da é sus­ten­tá­vel

Mi­nis­tro das Fi­nan­ças jus­ti­fi­ca com me­lho­ri­as na re­dac­ção e afir­ma que a dí­vi­da é sus­ten­tá­vel

Jornal de Angola - - PARTADA - ADELINA INÁCIO |*

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças afas­tou qual­quer ce­ná­rio de in­sus­ten­ta­bi­li­da­de da dí­vi­da an­go­la­na. Ao di­ri­gir-se a de­pu­ta­dos na ses­são que apro­vou, na ge­ne­ra­li­da­de, a pro­pos­ta de Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017, Archer Man­guei­ra afir­mou que a dí­vi­da con­traí­da pe­lo Go­ver­no an­go­la­no no mer­ca­do ex­ter­no é sus­ten­tá­vel, por tra­tar-se de re­cur­sos des­ti­na­dos ao fi­nan­ci­a­men­to de des­pe­sa de ca­pi­tal pa­ra cri­ar ri­que­za. Exis­tem três for­mas de fi­nan­ci­ar o or­ça­men­to: com re­cei­tas tri­bu­tá­ri­as, do­a­ções e fi­nan­ci­a­men­tos. Da­do que as re­cei­tas tri­bu­tá­ri­as bai­xa­ram, uma si­tu­a­ção que re­sul­ta da que­da do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, o Es­ta­do po­de re­cor­rer ao fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no pa­ra cri­ar ri­que­za. “Não ha­ve­rá for­ma di­fe­ren­te de cri­ar ri­que­za e di­ver­si­fi­car a eco­no­mia se não re­a­li­zar­mos pro­jec­tos im­por­tan­tes nas áre­as da ener­gia, água e es­tra­das, que po­dem aju­dar a re­du­zir os cus­tos de in­ves­ti­men­tos pri­va­dos e atrair ou­tras ca­pa­ci­da­des que po­dem per­mi­tir di­ver­si­fi­car a eco­no­mia, au­men­tar a pro­du­ção in­ter­na, equi­li­brar a ba­lan­ça de pa­ga­men­tos e cri­ar des­te mo­do sus­ten­ta­bi­li­da­de na amor­ti­za­ção da dí­vi­da”, re­fe­riu.

A cla­ri­fi­ca­ção de con­cei­tos e uni­for­mi­za­ção das re­gras uti­li­za­das no sis­te­ma de ges­tão da dí­vi­da pú­bli­ca es­tão na ba­se da pro­pos­ta de al­te­ra­ção à Lei so­bre o Re­gi­me Ju­rí­di­co da Emis­são e Ges­tão da Dí­vi­da Pú­bli­ca Di­rec­ta e In­di­rec­ta do Es­ta­do apro­va­da sex­ta-fei­ra na ge­ne­ra­li­da­de pe­los de­pu­ta­dos.

Se­gun­do o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Archer Man­guei­ra, há um er­ro na lei que pre­ci­sa de ser cor­ri­gi­do. “A Lei ac­tu­al pre­vê a dí­vi­da pú­bli­ca di­rec­ta e in­di­rec­ta e in­clui o sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co, on­de as em­pre­sas têm os seus ac­ti­vos, a sua ac­ti­vi­da­de mer­can­til, que pro­du­zem re­cei­tas e po­dem ga­ran­tir a sua pró­pria dí­vi­da atra­vés dos seus ac­ti­vos”, dis­se.

O mi­nis­tro afir­mou, igual­men­te, que a dí­vi­da con­traí­da pe­lo Go­ver­no an­go­la­no no mer­ca­do ex­ter­no é sus­ten­tá­vel, por tra­ta­rem-se de re­cur­sos des­ti­na­dos ao fi­nan­ci­a­men­to de des­pe­sa de ca­pi­tal pa­ra cri­ar ri­que­za, afir­mou o mi­nis­tro das Fi­nan­ças. Archer Man­guei­ra ex­pli­cou que exis­tem três for­mas de fi­nan­ci­ar o or­ça­men­to, com re­cei­tas tri­bu­tá­ri­as, do­a­ções e fi­nan­ci­a­men­tos. Da­do que as re­cei­tas tri­bu­tá­ri­as bai­xa­ram, re­sul­tan­te da que­da do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, es­cla­re­ceu o mi­nis­tro, o Es­ta­do tem que re­cor­rer ao fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no pa­ra cri­ar ri­que­za.

O mi­nis­tro ga­ran­tiu aos de­pu­ta­dos an­go­la­nos ha­ver uma enor­me con­cen­tra­ção des­tes re­cur­sos na des­pe­sa de ca­pi­tal, ra­zão pe­la qual em re­la­ção ao OGE 2016 re­vis­to, em 2017 ve­ri­fi­ca-se uma pre­vi­são de au­men­to de 7 por cen­to das des­pe­sas de ca­pi­tal. O no­vo sis­te­ma im­ple­men­ta­do pe­la Uni­da­de de Ges­tão da Dí­vi­da Pú­bli­ca é de­sen­vol­vi­do em par­ce­ria com a Con­fe­rên­cia das Na­ções Uni­das pa­ra o Co­mér­cio e De­sen­vol­vi­men­to (CNUCED).

Mas os ar­gu­men­tos do mi­nis­tro das Fi­nan­ças não ti­ve­ram acei­ta­ção pa­cí­fi­ca por par­te da opo­si­ção, no­me­a­da­men­te da UNITA e CASACE. O de­pu­ta­do Lin­do Ber­nar­do Ti­to, da CA­SA-CE, afir­mou que as de­cla­ra­ções de Archer Man­guei­ra não pas­sa­vam de um sub­ter­fú­gio pa­ra per­mi­tir ul­tra­pas­sar o li­mi­te de en­di­vi­da­men­to que a ac­tu­al lei im­põe. “O ob­jec­ti­vo úni­co é o de pro­cu­rar evi­tar que se­ja ul­tra­pas­sa­do o rá­cio de 60 por cen­to de en­di­vi­da­men­to em re­la­ção ao PIB. Por­que, com o or­ça­men­to de 2017, o en­di­vi­da­men­to pú­bli­co atin­gi­rá na­da mais, na­da me­nos, que 56,6 mil mi­lhões de dó­la­res”, dis­se Ti­to.

Fer­nan­do Hei­tor, da UNITA, de­fen­de que os par­ti­dos de­vem es­tar uni­dos na ques­tão da dí­vi­da pú­bli­ca. O de­pu­ta­do en­ten­de que o Exe­cu­ti­vo deve de­fi­nir o li­mi­te obri­ga­tó­rio da dí­vi­da pú­bli­ca. “Se­rá que a eco­no­mia do país no fu­tu­ro vai ter ca­pa­ci­da­de de gerar ren­di­men­tos pa­ra hon­rar os com­pro­mis­sos da dí­vi­da?”, ques­ti­o­nou Fer­nan­do Hei­tor. Sil­ves­tre Samy, tam­bém da UNITA, su­bli­nhou que o seu par­ti­do es­tá pre­o­cu­pa­do com o con­teú­do da ma­té­ria a ser al­te­ra­da. Re­fe­riu, por exem­plo, que na pro­pos­ta os com­pro­mis­sos de em­pre­sas pú­bli­cas dei­xam de con­tar nas dí­vi­das pú­bli­cas. Na sua opi­nião, es­te fac­to con­tra­ria o FMI em ter­mos de de­fi­ni­ção dos pe­rí­me­tros da dí­vi­da.

An­dré Men­des de Car­va­lho, lí­der do gru­po par­la­men­tar da CA­SA-CE, en­ten­de que as dí­vi­das das em­pre­sas pú­bli­cas de­vem ser as­su­mi­das pe­lo Es­ta­do. “Se a TAAG ou a So­nan­gol se en­di­vi­da­rem, a dí­vi­da não se­rá do Es­ta­do? Quem vai pa­gar, não é o erá­rio pú­bli­co?”, ques­ti­o­nou o de­pu­ta­do, ape­lan­do à ra­ci­o­na­li­za­ção nes­te ti­po de ma­té­ri­as.

Sér­gio dos San­tos, do MPLA, veio a ter­rei­ro pa­ra acla­rar a di­fe­ren­ça en­tre o sec­tor pú­bli­co ad­mi­nis­tra­ti­vo e o em­pre­sa­ri­al pú­bli­co. “O sec­tor pú­bli­co é com­pos­to pe­lo sec­tor pú­bli­co ad­mi­nis­tra­ti­vo e o sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co. Mas a con­fu­são es­tá no fac­to de que, nes­ta Ca­sa de Leis, não apro­va­mos or­ça­men­tos do sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co. En­tão há aqui um equi­vo­co que é pre­ci­so es­cla­re­cer”, dis­se.

O de­pu­ta­do do par­ti­do mai­o­ri­tá­rio re­fe­riu ain­da que o sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co con­ta com aqui­lo a que se cha­ma in­de­pen­dên­cia or­ça­men­tal. Por is­so, acres­cen­tou, a dí­vi­da do sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co não po­de, de ma­nei­ra ne­nhu­ma, ser afec­ta­da na análise do sec­tor pú­bli­co ad­mi­nis­tra­ti­vo que é fei­ta pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal. “Qu­an­do apro­va­mos o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do, apro­va­mos as des­pe­sas e re­cei­tas do sec­tor pú­bli­co ad­mi­nis­tra­ti­vo. Por ve­zes, o sec­tor pú­bli­co ad­mi­nis­tra­ti­vo tem re­la­ções com o sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co na cha­ma­da dí­vi­da in­di­rec­ta, qu­an­do ga­ran­te es­sa dí­vi­da”, dis­se ain­da Sér­gio dos San­tos.

João Pin­to, tam­bém do MPLA, pe­diu a apro­va­ção da Lei e ga­ran­tiu que o Exe­cu­ti­vo vai cum­prir as su­as obri­ga­ções in­ter­na­ci­o­nais, pa­gan­do a dí­vi­da. As dis­cus­sões cul­mi­na­ram com a apro­va­ção da Lei de Al­te­ra­ção à Lei so­bre o Re­gi­me Ju­rí­di­co da Emis­são e Ges­tão da Dí­vi­da Pú­bli­ca Di­rec­ta e In­di­rec­ta do Es­ta­do com 133 vo­tos a fa­vor, 34 con­tra e três abs­ten­ções.

Pa­ra Archer Man­guei­ra, es­te é um si­nal inequí­vo­co de que o Exe­cu­ti­vo, ape­sar dos exí­guos re­cur­sos, con­ti­nua a apos­tar em in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos que po­dem per­mi­tir a re­a­li­za­ção do in­ves­ti­men­to pri­va­do. “Não há for­ma di­fe­ren­te de cri­ar ri­que­za e di­ver­si­fi­car a eco­no­mia se não re­a­li­zar­mos pro­jec­tos im­por­tan­tes nas áre­as da ener­gia, água e es­tra­das, que po­dem aju­dar a re­du­zir os cus­tos de in­ves­ti­men­tos pri­va­dos e atrair ou­tras ca­pa­ci­da­des que po­dem per­mi­tir di­ver­si­fi­car a eco­no­mia, au­men­tar a pro­du­ção in­ter­na, equi­li­brar a ba­lan­ça de pa­ga­men­to e cri­ar des­te mo­do sus­ten­ta­bi­li­da­de na amor­ti­za­ção da dí­vi­da”, su­bli­nhou.

Du­ran­te a mes­ma ses­são foi tam­bém apro­va­do o Pacote Le­gis­la­ti­vo da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, que in­te­gra as leis de Im­pren­sa, da En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al An­go­la­na (ERCA), so­bre o Exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de de Televisão e Ra­di­o­di­fu­são e a de Pro­tec­ção das Re­des e Sis­te­mas In­for­má­ti­cos, além do Es­ta­do do Jor­na­lis­ta.

SAN­TOS PE­DRO

Mi­nis­tro das Fi­nan­ças Archer Man­guei­ra

SAN­TOS PE­DRO

Mi­nis­tro das Fi­nan­ças es­te­ve no Par­la­men­to a res­pon­der às ques­tões dos de­pu­ta­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.