Ro­ma aper­ta o cer­co a “sa­las de ora­ção”

Jornal de Angola - - OPINIÃO - GONZALO SÁNCHEZ

Na pe­ri­fe­ria de Ro­ma, mi­lha­res de mu­çul­ma­nos fre­quen­tam to­dos os dias as cha­ma­das “sa­las de ora­ção”, ga­ra­gens con­ver­ti­das em mesquitas que es­tão sen­do ins­pec­ci­o­na­das pe­la pre­fei­tu­ra e, em al­guns ca­sos, fe­cha­das de­vi­do à pre­ca­ri­e­da­de das ins­ta­la­ções.

Pe­lo me­nos 100 mil dos 1,5 mi­lhão de mu­çul­ma­nos que vi­vem em Itá­lia re­si­dem na ca­pi­tal, se­gun­do as es­ti­ma­ti­vas do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, mas na ci­da­de só há um lo­cal de cul­to ofi­ci­al­men­te re­co­nhe­ci­do: a Gran­de Mes­qui­ta.

O tem­plo, o mai­or da Eu­ro­pa, tem ca­pa­ci­da­de pa­ra 12 mil fiéis, mas es­tá afas­ta­do pa­ra a mai­o­ria dos mu­çul­ma­nos, que mo­ram em bair­ros pe­ri­fé­ri­cos da ca­pi­tal ita­li­a­na.

Di­an­te da si­tu­a­ção, nos úl­ti­mos anos uma re­de de mo­vi­men­ta­dos “cen­tros de ora­ção” foi se de­sen­vol­ven­do em ga­ra­gens e ar­ma­zéns des­sas re­giões. O Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or es­ti­ma que ha­ja 700 lo­cais co­mo es­se sem to­do o país, mas não há da­dos pre­ci­sos.

É o ca­so do “cen­tro de cul­tu­rais lâ­mi­ca” da ave­ni­da Ga­brio Ser­bel­lo­ni, um lo­cal es­trei­to e la­bi­rín­ti­co que é aces­sa­do por um lon­go cor­re­dor com vá­ri­as câ­me­ras de se­gu­ran­ça e uni­ca­men­te ilu­mi­na­do por uma má­qui­na de ven­da de re­fri­ge­ran­tes.

Ao fun­do, após vá­ri­as cor­ti­nas, de­ze­nas de me­ni­nos e me­ni­nas apren­dem a re­ci­tar os tex­tos re­li­gi­o­sos. Jun­to à im­pro­vi­sa­da es­co­la tam­bém há uma apa­ra­to­sa co­zi­nha e uma sé­rie de tor­nei­ras.

No co­ra­ção do cen­tro, a sa­la de ora­ção, há um am­plo es­pa­ço pa­vi­men­ta­do com car­pe­te ver­de e com um fal­so tec­to on­de es­tão pre­sos al­guns ven­ti­la­do­res, o úni­co sis­te­ma de ven­ti­la­ção do lo­cal. Na sa­la há al­gu­mas pou­cas fo­tos de Ro­ma, um re­ló­gio di­gi­tal e o “mih­rab”, o ni­cho pa­ra es­tá­tu­as que apon­ta pa­ra Me­ca.

As au­to­ri­da­des con­si­de­ram es­ses es­pa­ços co­mo ir­re­gu­la­res e o prin­ci­pal pro­ble­ma são os pe­ri­gos que ele re­pre­sen­tam, já que re­ce­bem um gran­de nú­me­ro de fiéis ape­sar da au­sên­cia de me­di­das de se­gu­ran­ça, co­mo alar­mes de in­cên­dio e saí­das de emer­gên­cia.

Por es­sa ra­zão, a po­lí­cia fe­chou cin­co cen­tros no bair­ro de Cen­to­cel­le e de­nun­ci­ou os ge­ren­tes. O úni­co da re­gião que con­ti­nua aber­to es­tá com os dias con­ta­dos, já que tam­bém re­ce­beu a no­ti­fi­ca­ção pa­ra en­cer­rar as ac­ti­vi­da­des.

Ba­ch­cur é um ben­ga­lês que vi­ve há 27 anos na Itá­lia e que tra­ba­lha com a tra­mi­ta­ção dos pe­di­dos de asi­lo dos imi­gran­tes. Ele re­pre­sen­ta a As­so­ci­a­ção Dhu­um­ca­tu, que pro­mo­veu pro­tes­tos con­tra o en­cer­ra­men­to dos lo­cais em­ble­má­ti­cos da ca­pi­tal, co­mo o Co­li­seu. “Es­ta­mos de acor­do, sa­be­mos e com­pre­en­de­mos que há uma ir­re­gu­la­ri­da­de, não ile­ga­li­da­de. Não se po­de fe­char os cen­tros, is­so sig­ni­fi­ca cus­pir na ca­ra da fé”, afir­mou. Pa­ra ele, os cen­tros de ora­ção são uma al­ter­na­ti­va nu­ma ci­da­de que só pos­sui uma mes­qui­ta. “É co­mo se um ca­tó­li­co ti­ves­se que atra­ves­sar Ro­ma to­dos os dias pa­ra as­sis­tir a uma mis­sa no Va­ti­ca­no”, com­pa­rou.

Ba­ch­cur ava­li­ou que o me­lhor se­ria dar tem­po pa­ra que os mu­çul­ma­nos apre­sen­tas­sem pro­jec­tos de ade­qua­ção pa­ra os cen­tros. Ca­so o edi­fí­cio em que es­tão não pos­sa ser mo­di­fi­ca­do, ele su­ge­re que o uso pro­vi­só­rio se­ja au­to­ri­za­do até que um no­vo lo­cal se­ja en­con­tra­do.

O por­ta-voz da Gran­de Mes­qui­ta, Omar Ca­mi­let­ti, re­co­nhe­ceu que o tem­plo fi­ca um pou­co afas­ta­do da re­gião ha­bi­ta­da pe­los mu­çul­ma­nos, mas des­ta­cou que é pos­sí­vel vi­si­tá-lo com re­la­ti­va fa­ci­li­da­de. A pre­fei­tu­ra co­lo­cou uma li­nha de au­to­car­ros à dis­po­si­ção dos fiéis, além de ou­tros veí­cu­los que par­tem pa­ra o cen­tro to­das as sex­tas-fei­ras, qu­an­do a mes­qui­ta re­ce­be três mil fiéis pa­ra a ora­ção co­le­ti­va, ex­pli­cou Ca­mi­let­ti.

Em qual­quer ca­so, dis­se o por­ta­voz, o en­cer­ra­men­to das “mesquitas-ga­ra­gem” é um “te­ma de­li­ca­do” pa­ra as au­to­ri­da­des ro­ma­nas e fe­riu a sen­si­bi­li­da­de de seus fiéis.

Ba­ch­cur des­ta­cou que mui­tos dos seus co­nhe­ci­dos “sen­tem rai­va” da si­tu­a­ção, mas que os es­for­ços da or­ga­ni­za­ção co­man­da­da por ele é fa­zer com que “se li­vrem da rai­va com a ora­ção”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.