Al-Si­si pre­co­ni­za união con­tra o ter­ro­ris­mo

Jornal de Angola - - CLASSIFICADOS -

O Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no, Fi­li­pe Nyu­si, as­se­gu­rou que o Go­ver­no vai con­ti­nu­ar a acom­pa­nhar a si­tu­a­ção di­fí­cil das fa­mí­li­as en­lu­ta­das na tra­gé­dia de Te­te, e que es­tá a to­mar as me­di­a­das ne­ces­sá­ri­as.

“O nos­so Go­ver­no acom­pa­nha aten­ta­men­te a si­tu­a­ção e to­ma as me­di­das ne­ces­sá­ri­as”, afir­mou o Che­fe de Es­ta­do mo­çam­bi­ca­no, fa­lan­do du­ran­te uma ce­ri­mó­nia de en­cer­ra­men­to de cur­sos no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Es­tu­dos de De­fe­sa, em Ma­pu­to.

O úl­ti­mo ba­lan­ço ofi­ci­al da tra­gé­dia ocor­ri­da na lo­ca­li­da­de de Caphi­rid­zan­ge, no dis­tri­to de Mo­a­ti­ze, dá con­ta da exis­tên­cia de 60 mor­tos con­fir­ma­dos e 108 fe­ri­dos, em re­sul­ta­do da ex­plo­são de um ca­mião-cis­ter­na na quin­ta-fei­ra na pro­vín­cia de Te­te, cen­tro de Moçambique.

“Qu­e­re­mos ma­ni­fes­tar, em no­me de to­do o po­vo mo­çam­bi­ca­no e do Go­ver­no, o nos­so sen­ti­men­to e pro­fun­da cons­ter­na­ção”, de­cla­rou o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, rei­te­ran­do que o seu Exe­cu­ti­vo faz tu­do pa­ra as­sis­tir os so­bre­vi­ven­tes e os fa­mi­li­a­res das ví­ti­mas mor­tais. A equi­pa en­vi­a­da pe­lo Con­se­lho de Mi­nis­tros pa­ra Te­te já tra­ba­lha na pro­vín­cia, ten­do reu­ni­do com o Go­ver­no lo­cal pa­ra in­tei­rar-se da si­tu­a­ção. A mi­nis­tra da Ad­mi­nis­tra­ção Es­ta­tal e Fun­ção Pú­bli­ca, Car­me­li­ta Na­mashu­lua, que li­de­ra o gru­po, fe­li­ci­tou o Go­ver­no pro­vin­ci­al e as or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil pe­lo tra­ba­lho fei­to na as­sis­tên­cia às ví­ti­mas, la­men­tan­do o in­ci­den­te. “Em no­me do Go­ver­no, agra­de­ce­mos a to­dos os que es­tão a apoi­ar as fa­mí­li­as”, afir­mou a mi­nis­tra, que anun­ci­ou que as fa­mí­li­as en­lu­ta­das re­ce­be­rão apoio do Go­ver­no cen­tral.

O Pre­si­den­te do Egip­to, Ab­del Fat­tah al-Si­si, pe­diu uma mai­or união da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal no com­ba­te ao ter­ro­ris­mo is­lâ­mi­co, apoi­an­do os paí­ses que com­ba­tem or­ga­ni­za­ções ex­tre­mis­tas.

“O re­al ini­mi­go que es­ta­mos a en­fren­tar, to­dos nós es­ta­mos a en­fren­tar, não es­tá ape­nas no Ira­que, Sí­ria ou Lí­bia. Na ver­da­de, es­tá a ten­tar ata­car to­do o Mun­do e é o ter­ro­ris­mo”, sa­li­en­tou o Che­fe de Es­ta­do nu­ma en­tre­vis­ta à agên­cia de no­tí­ci­as Lu­sa em que não dis­tin­gue os ele­men­tos da Ir­man­da­de Mu­çul­ma­na que com­ba­tem as tro­pas egíp­ci­as no Si­nai das for­ças do au­to-de­no­mi­na­do “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” na Sí­ria ou na Lí­bia.

Por is­so, num ape­lo à co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, dis­se que é pre­ci­so “jun­tar for­ças nu­ma es­tra­té­gia abran­gen­te pa­ra o con­fron­to”.

“E qu­an­do es­tou a fa­lar de uma es­tra­té­gia abran­gen­te, não qu­e­ro li­mi­tar o sig­ni­fi­ca­do da es­tra­té­gia às di­men­sões de se­gu­ran­ça ou mi­li­tar ape­nas, mas há uma abor­da­gem ho­lís­ti­ca que in­clui ou­tras com­po­nen­tes e in­gre­di­en­tes, in­cluin­do as mi­li­ta­res, mas tam­bém as di­men­sões eco­nó­mi­cas, cul­tu­rais, in­te­lec­tu­ais e que to­que nas so­ci­e­da­des e nos mo­dos de vi­da”, de­cla­rou.

A to­ma­da de Mos­sul e a der­ro­ta mi­li­tar do “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” na Sí­ria e no Ira­que po­de­rá le­var à fu­ga de ele­men­tos ra­di­cais pa­ra ou­tros “paí­ses on­de as si­tu­a­ções in­ter­nas não aju­dam mui­to, co­mo é o ca­so da Lí­bia”, aler­tou Ab­del Fat­tah alSi­si, que de­fen­de uma mai­or co­o­pe­ra­ção das au­to­ri­da­des de in­for­ma­ções e se­gu­ran­ça no com­ba­te ao ex­tre­mis­mo re­li­gi­o­so. “É uma ra­zão mais pa­ra tra­ba­lhar­mos jun­tos pa­ra im­pe­dir­mos es­ta gen­te de pro­cu­rar ‘san­tuá­ri­os’ e des­ti­nos se­gu­ros”, dis­se. Na Eu­ro­pa, acres­cen­tou, os po­lí­ti­cos “es­tão to­dos mui­tos pre­o­cu­pa­dos com imi­gra­ções, re­fu­gi­a­dos e ile­gais”, mas é ne­ces­sá­rio que os es­for­ços se di­ri­jam ao “pro­ble­ma sub­ja­cen­te”, por­que é pre­ci­so “tra­tar a do­en­ça e não só os sin­to­mas”.

“O ter­ro­ris­mo é uma en­car­na­ção de uma ide­o­lo­gia ex­tre­mis­ta e de um mo­de­lo de pen­sa­men­to ex­tre­mis­ta”, pe­lo que são ne­ces­sá­ri­os “cri­té­ri­os aper­ta­dos pa­ra paí­ses que su­por­tam o ter­ro­ris­mo, se­ja sob a for­ma de fun­dos ou de ar­mas”, avi­sou o Pre­si­den­te egípcio. Na Pe­nín­su­la do Si­nai, “o Egip­to es­tá a com­ba­ter con­tra ter­ro­ris­tas no so­lo egípcio. Não são in­sur­gen­tes nem re­bel­des”, mas ter­ro­ris­tas, as­se­gu­rou. Usar ou­tros ter­mos mais su­a­ves “é com­ple­ta­men­te er­ra­do e não dá uma ver­da­dei­ra tra­du­ção do que se es­tá a pas­sar no Si­nai”, su­bli­nhou. So­bre even­tu­ais ata­ques a po­pu­la­ções ci­vis ou a fal­ta de ob­ser­va­do­res in­ter­na­ci­o­nais na zo­na, o Pre­si­den­te egípcio sa­li­en­tou que “as pre­o­cu­pa­ções de se­gu­ran­ça” são pri­o­ri­tá­ri­as, mas ne­gou que o Go­ver­no es­te­ja a co­me­ter os cri­mes de que é acu­sa­do.

“Es­ta­mos mui­to com­pro­me­ti­dos em en­con­trar um equi­lí­brio en­tre as me­di­das de se­gu­ran­ça e o res­pei­to dos di­rei­tos hu­ma­nos”, ga­ran­tiu Ab­del Fat­tah al-Si­si.

AFP

Ab­del Fat­tah Al-Si­si pe­de com­ba­te sem tré­guas às or­ga­ni­za­ções ex­tre­mis­tas no mun­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.