A jo­vem ba­ta­lha­do­ra dos mil ofí­ci­os

Jornal de Angola - - PERFIL -

Ama­te­ri­a­li­za­ção do so­nho de in­fân­cia é um dos ob­jec­ti­vos de Ru­fi­na An­tó­nio. A vi­da não lhe ofe­re­ceu o que sem­pre pre­ten­deu, co­nhe­cer o mun­do do ou­ro ne­gro, o pe­tró­leo, e apos­tou no Jor­na­lis­mo. Ho­je, é um ta­len­to da Rá­dio Es­co­la, o la­bo­ra­tó­rio da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do país.

Ru­fi­na Domingos An­tó­nio te­ve uma par­te da in­fân­cia com as ma­dres. De­pois, pas­sou pa­ra o pro­ces­so de afir­ma­ção na so­ci­e­da­de. Adi­an­tou que, des­de ce­do, qu­an­do se co­nhe­ceu co­mo pes­soa, aos 12 anos de ida­de, abra­çou a ideia de ser en­ge­nhei­ra de pe­tró­le­os, um de­se­jo pa­ra o qual ba­ta­lha faz tem­po, por­que sem­pre a fas­ci­nou o fe­nó­me­no por trás de um re­cur­so de­se­já­vel e mui­to pro­cu­ra­do a ní­vel do mun­do.

“Pe­las cir­cuns­tân­ci­as da vi­da, não fui di­rec­ta ao cur­so do so­nho. Que­ria es­tu­dar no Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Pe­tró­le­os, no Sum­be, mas, na al­tu­ra, os meus pais não dis­pu­nham de re­cur­sos pa­ra o efeito. Co­mo al­ter­na­ti­va, es­co­lhi ser jor­na­lis­ta, por­que sem­pre gos­tei de acom­pa­nhar as no­tí­ci­as e es­tar aten­ta aos acon­te­ci­men­tos.”

A pri­mei­ra ten­ta­ti­va de Ru­fi­na An­tó­nio pa­ra en­trar pa­ra o mun­do da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al re­dun­dou num fra­cas­so. O no­me não cons­ta­va das lis­tas pó­sins­cri­ção pa­ra a ar­te de in­for­mar. Ao in­vés, foi pu­bli­ca­da no Pu­niv (Pré-uni­ver­si­tá­rio) Cen­tral pa­ra o cur­so de Ci­ên­ci­as So­ci­ais, que de pron­to re­jei­tou e tro­cou pe­lo de Ci­ên­ci­as Exac­tas, on­de se deu bem. “No Pu­niv, re­ce­bi au­las da pro­fes­so­ra Ar­le­te. Ela fa­la­va de Ge­o­lo­gia com pra­zer, com uma pro­pri­e­da­de que me fez apai­xo­nar pe­la ci­ên­cia. Ela con­ta­va a his­tó­ria dos con­ti­nen­tes, a for­ma­ção, se­pa­ra­ção, que des­per­tou em mim um gos­to ador­me­ci­do”, re­ve­la.

“Em 2005, ten­tei a Fa­cul­da­de de En­ge­nha­ria sem su­ces­so. De­pois, Jor­na­lis­mo, na Fa­cul­da­de de Le­tras e Ci­ên­ci­as So­ci­ais. Não es­tu­dei, por­que pri­o­ri­za­ram os jor­na­lis­tas que já tra­ba­lha­vam.” Por in­fluên­cia do tio, o frei Mi­guel Cha­cas­sam­bo, aos 17 anos, Ru­fi­na fez tes­tes de ad­mis­são pa­ra tra­ba­lhar num dos mai­o­res hi­per­mer­ca­dos de Lu­an­da, on­de até 2008 de­sem­pe­nhou as fun­ções de cai­xa, uma ac­ti­vi­da­de que con­ci­li­ou com a de pro­fes­so­ra, no pe­río­do ma­ti­nal, no bair­ro on­de vi­via.

Ru­fi­na An­tó­nio fre­quen­tou o cur­so su­pe­ri­or em En­ge­nha­ria Ge­o­grá­fi­ca, em 2008. “Ti­ve de dei­xar de dar au­las. Tra­ba­lha­va co­mo cai­xa de tar­de e es­tu­da­va de noi­te”, dá a co­nhe­cer, fri­san­do que fez os três pri­mei­ros anos da fa­cul­da­de e, ao ca­bo des­te pe­río­do, apa­re­ceu a opor­tu­ni­da­de de fa­zer o cur­so de Ge­o­lo­gia.

“A mu­dan­ça de cur­so for­çou ou­tra. Ti­ve de op­tar en­tre o tra­ba­lho de cai­xa no es­pa­ço co­mer­ci­al on­de la­bo­ra­va e a fa­cul­da­de, que por coin­ci­dên­cia era no mes­mo pe­río­do, o da tar­de. Op­tei pe­la fa­cul­da­de pa­ra fa­zer aqui­lo que gos­ta­va, no ca­so, Ge­o­lo­gia, já que a for­ma­ção em pe­tró­le­os não es­ta­va ao meu al­can­ce.”

Com o pe­río­do da ma­nhã li­vre, Ru­fi­na An­tó­nio apos­ta em mais um de­sa­fio, a frequên­cia do cur­so de Jor­na­lis­mo. “De prin­cí­pio, um cur­so bá­si­co, em 2008, no Cen­tro de For­ma­ção de Jor­na­lis­mo (Ce­fo­jor). Pas­sei pe­lo es­tá­gio com pres­ta­ção po­si­ti­va. Em 2010, fiz par­te do lo­te de co­la­bo­ra­do­res e apro­vei­tei pa­ra fa­zer a for­ma­ção pro­fis­si­o­nal”, in­for­ma a jo­vem dos mil ofí­ci­os, que re­co­nhe­ce que na fa­se do apren­di­za­do pas­sou pe­lo cri­vo de gran­des pro­fes­so­res. Con­tu­do, “sem­pre gos­tei de ou­vir a Lui­sa Fan­çony, a Pau­la Si­mons, o Ma­teus Gon­çal­ves, o Amíl­car Xa­vi­er”, jor­na­lis­tas pe­los quais nu­tre es­ti­ma e cu­jo de­sem­pe­nho a mo­ti­va­ram a fa­zer rá­dio.

Ho­je, Ru­fi­na An­tó­nio é li­cen­ci­a­da em Ge­o­lo­gia. A in­ter­li­ga­ção en­tre o estudo da ter­ra e os seus pro­ces­sos com o Jor­na­lis­mo é a ques­tão. Do al­to do co­nhe­ci­men­to que os­ten­ta, adi­an­ta que já a al­cu­nha­ram de “geo-jor­na­lis­ta.” “Te­nho a for­ma­ção em Ge­o­lo­gia e obri­ga-me a fa­zer com que as pes­so­as com­pre­en­dam os fe­nó­me­nos, o pro­ces­so de for­ma­ção da ter­ra usan­do uma lin­gua­gem mais aces­sí­vel a to­dos, pa­ra per­ce­be­rem o que os ci­en­tis­tas di­zem.”

A “geo-jor­na­lis­ta” tem ex­pe­ri­ên­cia de cam­po co­mo geó­lo­ga. Re­cen­te­men­te, par­ti­ci­pou do 35º con­gres­so in­ter­na­ci­o­nal de Ge­o­lo­gia com pes­so­as de re­no­me mun­di­al. Já per­cor­reu o país de lês-a-lês e pro­cu­ra con­ci­li­ar o que sa­be, fru­to de pes­qui­sa, com o Jor­na­lis­mo. “Tra­go sem­pre uma ma­té­ria so­bre Ge­o­lo­gia”, dis­se, adi­an­tan­do que com a ar­te de in­for­mar con­se­gue le­var a ou­tra ci­ên­cia à ca­sa das pes­so­as.

Vi­da des­por­ti­va

Ru­fi­na An­tó­nio tam­bém te­ve uma pas­sa­gem fu­gaz pe­los es­ca­lões for­ma­ção do clu­be mi­li­tar do rio se­co, o 1º de Agos­to. “Jo­guei bás­que­te qu­an­do saí da ca­sa das ma­dres. De­sis­ti, por­que não da­va pa­ra con­ci­li­ar, pois fa­zia mui­tas coi­sas ao mes­mo tem­po. Fe­liz­men­te, con­ti­nuo a fa­zer até ho­je”, con­fes­sa a se­nho­ra dos mil ofí­ci­os.

Em­pre­en­de­do­ris­mo

Ru­fi­na se­gue o em­pre­en­de­do­ris­mo e, na sen­da com com an­ti­gos co­le­gas do es­cu­tis­mo, cri­ou uma em­pre­sa de co­mu­ni­ca­ção, que te­ve al­gu­ma pin­ce­la­da nas co­me­mo­ra­ções dos 40 anos de In­de­pen­dên­cia: “Os ba­lões que so­bre­vo­a­ram a Mar­gi­nal saí­ram tam­bém do meu pu­nho. Aqui­lo foi fan­tás­ti­co e con­se­gui­mos um cer­ti­fi­ca­do de mé­ri­to do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio.

PAU­LO MULAZA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.