País con­quis­ta on­ze tí­tu­los em me­nos de três dé­ca­das

Jornal de Angola - - DESPORTO - VIVALDO EDU­AR­DO |

Nor­ber­to Bap­tis­ta e Eleu­té­rio Al­mei­da fo­ram os pri­mei­ros trei­na­do­res da Se­lec­ção Na­ci­o­nal sé­ni­or fe­mi­ni­na e ti­ve­ram a es­pi­nho­sa mis­são de pre­pa­rar o gru­po, ru­mo à es­treia in­ter­na­ci­o­nal, em 1981, na Tu­ní­sia. Na épo­ca, o sec­tor mas­cu­li­no re­gis­ta­va mai­or evo­lu­ção e as se­nho­ras, ain­da a dar os pri­mei­ros e ti­tu­be­an­tes pas­sos, ti­ve­ram pou­co apoio na pre­pa­ra­ção, que de­cor­reu em Lu­an­da.

O “se­te” na­ci­o­nal ocu­pou o úl­ti­mo lu­gar da clas­si­fi­ca­ção, aver­ban­do ape­nas der­ro­tas na pro­va. Co­mo con­sequên­cia, An­go­la com­pe­tiu, no mes­mo ano, no cam­pe­o­na­to con­ti­nen­tal do gru­po B, que de­cor­reu no Se­ne­gal. O se­gun­do pos­to, al­can­ça­do no tor­neio do es­ca­lão se­cun­dá­rio, le­vou a Se­lec­ção Na­ci­o­nal de vol­ta à al­ta ro­da, em 1983, no CAN do Egip­to.

Em­bo­ra te­nha con­ti­nu­a­do na cau­da da ta­be­la, na pro­va do Cai­ro, An­go­la de­no­tou acen­tu­a­da pro­gres­são téc­ni­ca. Em Lu­an­da, dois anos de­pois, su­biu ape­nas um de­grau na clas­si­fi­ca­ção, fi­can­do em quin­to, à fren­te do Egip­to, go­ran­do as ex­pec­ta­ti­vas de uma boa clas­si­fi­ca­ção em ca­sa. Pal­mi­ra Bar­bo­sa, na épo­ca me­lhor jo­ga­do­ra do país, re­cu­pe­ra­va de um par­to re­cen­te e não es­te­ve no seu me­lhor. An­go­la, já sob ori­en­ta­ção de Be­to Fer­rei­ra, equi­li­brou qua­se to­dos os jo­gos, per­den­do por mar­gens mí­ni­mas.

Mar­ro­cos 1987, não trou­xe no­vi­da­des, em ter­mos clas­si­fi­ca­ti­vos, pa­ra o com­bi­na­do na­ci­o­nal. Nu­ma com­pe­ti­ção on­de se des­ta­cou a au­sên­cia do cam­peão, Con­go Braz­za­vil­le, a Cos­ta do Mar­fim ob­te­ve o seu pri­mei­ro tí­tu­lo afri­ca­no e An­go­la con­ti­nu­ou atrás da Tu­ní­sia e à fren­te do Egip­to. Dois anos de­pois, as an­go­la­nas dei­xa­ram cair o mi­to de in­ven­ci­bi­li­da­de do Con­go Braz­za­vil­le, con­se­guin­do o pri­mei­ro tí­tu­lo con­ti­nen­tal de se­lec­ções. Uma con­quis­ta à qual não es­te­ve alheia a vi­tó­ria do Fer­ro­viá­rio de Lu­an­da, dois anos an­tes, na Ta­ça dos Clu­bes Cam­peões, em Ower­ri, Ni­gé­ria.

Ao si­nal po­si­ti­vo da­do pe­la for­ma­ção do Bun­go, se­guiu - se mai­or apos­ta do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no na se­lec­ção fe­mi­ni­na. Be­to Fer­rei­ra e Fer­nan­do Mo­rei­ra fo­ram acom­pa­nha­dos por con­cei­tu­a­dos trei­na­do­res do en­tão blo­co so­ci­a­lis­ta que do­mi­na­va a mo­da­li­da­de. An­tes do CAN, a Se­lec­ção Na­ci­o­nal be­ne­fi­ci­ou de um pro­lon­ga­do es­tá­gio na en­tão União das Re­pú­bli­cas So­ci­a­lis­tas So­vié­ti­cas.

Em 1991, a Ta­ça de Áfri­ca das Na­ções vol­tou a ser dis­pu­ta­da na Ar­gé­lia. An­go­la per­deu a fi­nal fren­te à Ni­gé­ria, no mes­mo pal­co on­de ha­via ga­nho dois anos an­tes. Do­ze me­ses de­pois, a Con­fe­de­ra­ção vol­tou a re­a­li­zar o CAN nos anos pa­res e An­go­la res­ga­tou o tí­tu­lo, na Cos­ta do Mar­fim, con­fir­man­do o as­cen­den­te so­bre o re­gres­sa­do Con­go Braz­za­vil­le. O ter­cei­ro tí­tu­lo das an­go­la­nas (se­gun­do con­se­cu­ti­vo) acon­te­ceu em Tu­nes 1994.

Con­fli­tos en­tre a Fe­de­ra­ção, atle­tas e equi­pa téc­ni­ca es­ti­ve­ram as­so­ci­a­dos à per­da do tí­tu­lo dois anos de­pois (1996) em Co­to­nou, Be­nin. Nor­ber­to Bap­tis­ta foi cha­ma­do à úl­ti­ma ho­ra pa­ra subs­ti­tuir Be­to Fer­rei­ra e al­gu­mas jo­ga­do­ras de re­fe­rên­cia não in­te­gra­ram a equi­pa na­ci­o­nal.

De 1998 a 2012, An­go­la con­se­guiu o per­cur­so iné­di­to de 8 tí­tu­los con­ti­nen­tais con­se­cu­ti­vos. A mai­or tra­jec­tó­ria vi­to­ri­o­sa de que há me­mó­ria, ao ní­vel de se­lec­ções, no an­de­bol con­ti­nen­tal, ter­mi­nou em 2014, na Ar­gé­lia, com a der­ro­ta de An­go­la, nas mei­as - fi­nais, di­an­te da Tu­ní­sia.

JO­SÉ CO­LA

“Se­te” na­ci­o­nal pre­ten­de re­to­mar ca­mi­nha­da triun­fal in­ter­rom­pi­da na Ar­gé­lia em 2014

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.