O de­ba­te Par­la­men­tar do Or­ça­men­to de 2017

Jornal de Angola - - PARTADA - GUILHERMINO ALBERTO |

Apro­pos­ta de Lei do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano, apro­va­da quin­ta-fei­ra na ge­ne­ra­li­da­de, me­re­ceu um ace­so de­ba­te da par­te dos de­pu­ta­dos da nos­sa As­sem­bleia Na­ci­o­nal. Os vo­tos con­tra da Opo­si­ção in­di­cam que os con­sen­sos ne­ces­sá­ri­os pa­ra mo­men­tos ex­tra­or­di­ná­ri­os, co­mo es­ses que o país vi­ve com a cri­se fi­nan­cei­ra mun­di­al, con­ti­nu­am a não fa­zer eco, va­len­do to­da­via o de­ba­te con­tra­di­tó­rio que se lhe se­guiu. Com ou sem ra­zão o de­ba­te con­tra­di­tó­rio acon­te­ceu e, co­mo em qual­quer de­mo­cra­cia, aca­bou por ven­cer a mai­o­ria par­la­men­tar.

Na sua de­cla­ra­ção de vo­to, a ban­ca­da par­la­men­tar do par­ti­do que su­por­ta o Go­ver­no fez ques­tão de re­cor­dar que já é tem­po da pro­mo­ção de uma dis­cus­são aber­ta e se­re­na das gran­des ques­tões na­ci­o­nais, co­mo é o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do, um im­por­tan­te do­cu­men­to de po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca, mas que per­ma­ne­ce pa­ra a Opo­si­ção co­mo um jo­go des­ti­na­do a con­se­guir van­ta­gens nas pró­xi­mas elei­ções.

Num dis­cur­so se­re­no e de gran­de pen­dor aca­dé­mi­co, Vir­gí­lio de Fon­tes Pe­rei­ra, o che­fe da ban­ca­da par­la­men­tar do MPLA, es­cla­re­ceu que os 7,6 tri­liões de kwan­zas de re­cei­tas e des­pe­sas pre­vis­tos pa­ra o Or­ça­men­to do pró­xi­mo ano vi­sam a sa­tis­fa­ção das ne­ces­si­da­des das po­pu­la­ções, com a con­cre­ti­za­ção de pro­jec­tos de gran­de im­pac­to so­ci­al, sem es­que­cer os pro­gra­mas pa­ra im­pul­si­o­nar a eco­no­mia e ga­ran­tir em­pre­go pa­ra a ju­ven­tu­de.

Os ar­gu­men­tos es­gri­mi­dos por Vir­gí­lio de Fon­tes Pe­rei­ra não te­rão, em to­da a li­nha, con­ven­ci­do o mai­or par­ti­do na opo­si­ção par­la­men­tar e a CA­SA-CE, que vo­ta­ram con­tra e de­fen­dem que os sec­to­res da Edu­ca­ção e da Saúde de­vem me­re­cer uma fa­tia mai­or do bo­lo e não con­ti­nu­ar a des­ti­nar na pro­gra­ma­ção dos gas­tos or­ça­men­tais ele­va­dos re­cur­sos pa­ra a De­fe­sa e Se­gu­ran­ça. Um ar­gu­men­to pron­ta­men­te re­cha­ça­do por de­pu­ta­dos da ban­ca­da par­la­men­tar do MPLA e cor­ro­bo­ra­do por al­guns es­pe­ci­a­lis­tas li­ga­dos à ge­o­es­tra­té­gia.

Pa­ra es­ta cor­ren­te de pen­sa­men­to, num mun­do ca­da vez mais vo­lá­til, on­de os re­cur­sos são sem­pre li­mi­ta­dos pa­ra ne­ces­si­da­des ili­mi­ta­das, é pe­ri­go­so e de uma ex­tra­or­di­ná­ria mi­o­pia po­lí­ti­ca des­cu­rar as ques­tões de de­fe­sa e se­gu­ran­ça nu­ma re­gião co­mo a nos­sa.

Re­du­zir pa­ra nú­me­ros in­sus­ten­tá­veis o Or­ça­men­to pa­ra as for­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça é, pa­ra quem tem olhos de ver, um au­tên­ti­co sui­cí­dio, que abri­ria se­gu­ra­men­te ca­mi­nho pa­ra uma no­va ins­ta­bi­li­da­de. E não é is­so que os an­go­la­nos, que co­nhe­cem o so­fri­men­to da guer­ra e os ga­nhos da paz, pre­ten­dem.

Re­co­nhe­cen­do o mau mo­men­to por que pas­sa a eco­no­mia glo­bal, os an­go­la­nos pre­ten­dem com os pou­cos re­cur­sos dis­po­ní­veis cons­truir as su­as vi­das em paz e se­gu­ran­ça. Es­can­ca­rar as por­tas a to­da a sor­te de pe­ri­gos, não só é de­sa­con­se­lhá­vel co­mo é um risco ex­tra­or­di­ná­rio que mais nin­guém quer cor­rer.

Co­mo dis­se aos de­pu­ta­dos o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Archer Man­guei­ra, por mais ad­ver­sos que pos­sam ser os ven­tos e as ma­rés, de­ve­mos to­dos jun­tos re­mar pa­ra ven­cer as tem­pes­ta­des e le­var o bar­co a bom por­to. Até por­que as di­fi­cul­da­des ac­tu­ais, de­cor­ren­tes da cri­se pro­vo­ca­da com a que­bra das re­cei­tas pro­ve­ni­en­tes da ex­por­ta­ção de pe­tró­leo, não são es­tra­nhas a An­go­la, vis­to que ao lon­go de 41 anos de in­de­pen­dên­cia o Es­ta­do não dispôs sem­pre de re­cur­sos abun­dan­tes.

Aliás, pa­ra­fra­se­an­do ain­da o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, vi­ve­mos du­ran­te a mai­or par­te do tem­po com gran­de so­bri­e­da­de de mei­os - e é es­sa cul­tu­ra de tem­pe­ran­ça que ago­ra te­mos to­dos de res­ga­tar: fa­zer mais e me­lhor pa­ra o País e pa­ra o po­vo com os re­cur­sos dis­po­ní­veis. Vi­gi­ar e com­ba­ter o des­per­dí­cio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.