Re­du­tos re­bel­des de Idlib e Homs são ata­ca­dos pe­la avi­a­ção rus­sa

Ex­tre­mis­tas im­pe­di­dos de es­ca­par de Mos­sul e re­for­çar po­si­ções na ci­da­de de Ale­po

Jornal de Angola - - PARTADA - ALTINO MATOS |

Aviões rus­sos in­ten­si­fi­ca­ram há três di­as os ata­ques nas pro­vín­ci­as de Idlib e de Homs, na Sí­ria, con­tra al­vos fi­xos e co­lu­nas do “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” (“EI”), quan­do ten­ta­vam aban­do­nar as su­as po­si­ções, pa­ra fu­gir ao con­tac­to com o Exér­ci­to e mi­lí­ci­as pró-go­ver­na­men­tais.

As For­ças Ar­ma­das au­men­ta­ram a in­ten­si­da­de dos com­ba­tes nes­sas pro­vín­ci­as sí­ri­as, pa­ra im­pe­dir a saí­da de gru­pos do “EI” que pre­ten­dem se­guir pa­ra Ale­po, on­de as po­si­ções dos ex­tre­mis­tas es­tão pra­ti­ca­men­te des­ba­ra­ta­das. Fon­te go­ver­na­men­tal con­fir­mou que os re­bel­des ten­tam re­ce­ber apoio lo­gís­ti­co pa­ra re­sis­tir aos ata­ques.

A For­ça Ae­ro­es­pa­ci­al Rus­sa tem o con­tro­lo da lo­ca­li­za­ção e mo­vi­men­ta­ção dos ex­tre­mis­tas, o que tor­na as coi­sas mais com­pli­ca­das pa­ra o “Es­ta­do Is­lâ­mi­co”. O Mi­nis­té­rio da De­fe­sa da Rús­sia con­fir­mou, em co­mu­ni­ca­do, que os bom­bar­de­a­men­tos a Idlib e Homs têm du­plo ob­jec­ti­vo, por­que re­du­zem os mo­vi­men­tos na Sí­ria, e im­pe­dem a re­ti­ra­da do “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” de Mos­sul.

O mi­nis­tro rus­so das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Ser­gei La­vrov, ex­pli­cou ao se­cre­tá­rio de Es­ta­do (Mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros dos EUA), John Ker­ry, em Li­ma, ca­pi­tal do Pe­ru, que a fra­ga­ta Ad­mi­ral Gri­go­ro­vi­ch e o por­ta-aviões Ad­mi­ral Kuz­net­sov par­ti­ci­pam de uma ope­ra­ção de lar­ga es­ca­la, ini­ci­a­da pe­la For­ça Ae­ro­es­pa­ci­al rus­sa, com o ob­jec­ti­vo de efec­tu­ar ata­ques ma­ci­ços con­tra os al­vos nas pro­vín­ci­as sí­ri­as de Idlib e Homs.

Du­ran­te a ope­ra­ção, as for­ças rus­sas re­cor­re­ram ao uso de mís­seis de cru­zei­ro Ka­li­br. A por­ta-voz ofi­ci­al do Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res da Rús­sia, Ma­ria Sakha­rov, de­cla­rou na quin­ta-fei­ra que os Go­ver­nos de Mos­co­vo e de Washing­ton nun­ca in­ter­rom­pe­ram os con­tac­tos so­bre a Sí­ria. “Ape­sar de ter­mos ou­vi­do is­so por par­te da Ca­sa Bran­ca (re­si­dên­cia ofi­ci­al do Pre­si­den­te dos EUA), o Pen­tá­go­no (Mi­nis­té­rio da De­fe­sa) e ou­tras agên­ci­as nor­te-ame­ri­ca­nas, os con­tac­tos com di­rec­tos não fo­ram in­ter­rom­pi­dos, nem se­quer por um dia”, dis­se a di­plo­ma­ta em en­tre­vis­ta ao ca­nal de te­le­vi­são rus­so Dozhd.

Por is­so, dis­se, é “er­ra­do di­zer que nós che­gá­mos a in­ter­rom­per os con­tac­tos, ou que nós não pre­ten­de­mos man­tê-los, ou que es­ta­mos a di­mi­nuir es­ses con­tac­tos”.

Par­ti­lha de in­for­ma­ção

O Mi­nis­té­rio da De­fe­sa rus­so afir­mou que o seu Go­ver­no nun­ca re­ce­beu dos Es­ta­dos Uni­dos ma­pas ou co­or­de­na­das so­bre qual­quer or­ga­ni­za­ção ter­ro­ris­ta na Sí­ria. Du­ran­te to­do es­te tem­po, os EUA nun­ca cum­pri­ram os com­pro­mis­sos que ti­nham as­su­mi­do den­tro dos acor­dos en­tre Washing­ton e Mos­co­vo. O ge­ne­ral rus­so Igor Ko­nashen­kov dis­se que a Rús­sia ac­tu­ou na Sí­ria sem­pre com in­for­ma­ções ob­ti­das pe­los seus ser­vi­ços de in­for­ma­ção, ape­sar de par­ti­lhar da­dos téc­ni­cos e ope­ra­ci­o­nais so­bre ba­ses e movimentações de gru­pos ex­tre­mis­tas, mas não en­con­trou a mes­ma dis­po­ni­bi­li­da­de da par­te dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca.

Os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca ale­ga­ram que na Sí­ria há gru­pos de na­tu­re­za pa­cí­fi­ca, mas mais do que is­so, a in­for­ma­ção não foi par­ti­lha­da, o que di­fi­cul­tou ao má­xi­mo o en­ten­di­men­to quan­to a uma es­tra­té­gia co­mum pa­ra o fim do con­fli­to, mes­mo so­bre gru­pos co­mo o “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” ou al-Nus­ra.

Ao re­a­gir à de­cla­ra­ção do por­ta­voz do De­par­ta­men­to de Es­ta­do nor­te-ame­ri­ca­no, John Kirby, so­bre a tré­gua hu­ma­ni­tá­ria na Sí­ria, o ma­jor-ge­ne­ral Igor Ko­nashen­kov dis­se que es­sa po­si­ção res­sal­ta a di­fe­ren­ça de en­ten­di­men­to en­tre a Rús­sia e os EUA re­la­ti­va­men­te à uti­li­da­de da pau­sa nos con­fron­tos. John Kirby re­fe­riu que os EUA con­si­de­ram que os ci­vis em Ale­po não be­ne­fi­ci­am da pau­sa hu­ma­ni­tá­ria in­tro­du­zi­da pe­la Rús­sia. “Es­sas de­cla­ra­ções mos­tram que nós e o De­par­ta­men­to de Es­ta­do te­mos um en­ten­di­men­to di­fe­ren­te da ‘uti­li­da­de' das pau­sas hu­ma­ni­tá­ri­as na Sí­ria, dis­se o ge­ne­ral Igor Ko­nashen­kov.

A Rús­sia, se­gun­do o ge­ne­ral, tem as pau­sas hu­ma­ni­tá­ri­as co­mo opor­tu­ni­da­de de mais uma pos­si­bi­li­da­de de en­tre­gar aju­da às pes­so­as. “Ao lon­go de to­da a ope­ra­ção an­ti­ter­ro­ris­ta na Sí­ria, nós es­ta­mos a pres­tar uma aten­ção es­pe­ci­al à re­con­ci­li­a­ção en­tre as par­tes em gu­er­ra e à en­tre­ga de aju­da hu­ma­ni­tá­ria aos sí­ri­os”, dis­se Igor Ko­nashen­kov.

Nos úl­ti­mos me­ses, a Rús­sia en­tre­gou mais de 100 to­ne­la­das de pro­du­tos in­dis­pen­sá­veis a Ale­po, co­mo ali­men­tos, re­mé­di­os e bens de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de.

O mi­nis­tro rus­so da De­fe­sa, ma­jor­ge­ne­ral Igor Ko­nashen­kov, con­fir­ma que tu­do foi en­tre­gue a ci­vis na ci­da­de de Ale­po, tan­to na par­te oci­den­tal co­mo ori­en­tal. O Go­ver­no rus­so re­fe­re que “o De­par­ta­men­to de Es­ta­do não en­tre­gou uma úni­ca mi­ga­lha de pão aos sí­ri­os com quem su­pos­ta­men­te se pre­o­cu­pa tan­to”.

Com­ba­tes em Mos­sul

For­ças ira­qui­a­nas apoi­a­das pe­los Es­ta­dos Uni­dos am­pli­a­ram a pre­sen­ça no la­do Les­te de Mos­sul, que es­tá de­bai­xo de fo­go há um mês, de­vi­do à ame­a­ça de mais ata­ques sui­ci­das con­tra ins­ti­tui­ções e ba­ses mi­li­ta­res. A uni­da­de de eli­te do Ser­vi­ço de Con­tra-ter­ro­ris­mo (CTS) in­va­diu o bair­ro de Tah­rir, no ex­tre­mo nor­des­te de Mos­sul, a úl­ti­ma gran­de ci­da­de sob con­tro­lo da fac­ção su­ni­ta ul­tra-ra­di­cal no Ira­que.

Fo­ram vis­tos ci­vis a sair do bair­ro pró­xi­mo de Aden, on­de ha­via in­cên­di­os, em­pur­ran­do car­ri­nhos com os seus per­ten­ces e car­re­gan­do sa­cos plás­ti­cos fei­tos em ca­sa.

As mu­lhe­res ain­da usa­vam os man­tos ne­gros im­pos­tos pe­los mi­li­tan­tes, mas a mai­o­ria ti­nha os ros­tos des­co­ber­tos en­quan­to fu­gia dos com­ba­tes in­ten­sos.

Os mi­li­tan­tes es­tão a re­cu­ar con­ti­nu­a­men­te de áre­as à vol­ta de Mos­sul pa­ra den­tro da ci­da­de, des­de que a ba­ta­lha co­me­çou, no dia 17 de Ou­tu­bro, com apoio aé­reo e ter­res­tre de co­li­ga­ção li­de­ra­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos. “O avan­ço é len­to de­vi­do aos ci­vis”, dis­se o te­nen­te­ge­ne­ral Ab­dul Wahab al-Sai­di, do CTS, ten­do acres­cen­ta­do que a uni­da­de trei­na­da pe­los nor­te-ame­ri­ca­nos pre­ten­de li­ber­tar o res­to do bair­ro du­ran­te o dia.

A ope­ra­ção já du­ra há mais de um mês, mas as for­ças ira­qui­a­nas ain­da com­ba­tem em vá­ri­as áre­as dos cer­ca de 50 bair­ros na par­te Les­te de Mos­sul. Os mi­li­tan­tes es­tão en­trin­chei­ra­dos en­tre os ci­vis, co­mo tác­ti­ca de de­fe­sa pa­ra de­sin­cen­ti­var os ata­ques aé­re­os e mo­vi­men­tam-se pe­la ci­da­de por tú­neis, lan­çam car­ros-bom­ba, fa­zem dis­pa­ros do mor­tei­ro e usam fran­co-ati­ra­do­res.

AFP

Exér­ci­to e mi­lí­ci­as pró-Go­ver­no es­tão mais pró­xi­mas de es­ta­be­le­cer um cer­co aos mi­li­tan­tes do gru­po Es­ta­do Is­lâ­mi­co nas re­gião Cen­tro e Nor­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.