Au­men­ta o te­mor pe­la in­fluên­cia da fa­mí­lia de Trump no Go­ver­no

Jornal de Angola - - OPINIÃO - CATHERINE TRIOMPHE | AFP

Ivan­ka Trump com o pri­mei­ro­mi­nis­tro ja­po­nês, Shin­zo Abe, e o ma­ri­do Ja­red Kush­ner que quer par­ti­ci­par das reu­niões diá­ri­as so­bre se­gu­ran­ça na Ca­sa Bran­ca: a fa­mí­lia de Do­nald Trump es­tá om­ni­pre­sen­te, ali­men­tan­do os te­mo­res so­bre os con­fli­tos de in­te­res­se e a fal­ta de ex­pe­ri­ên­cia.

As fo­tos da pri­mei­ra reu­nião do mag­na­ta no­va-ior­qui­no com um lí­der es­tran­gei­ro na quin­ta-fei­ra (17) pro­vo­cou uma en­xur­ra­da de tuí­tes de in­dig­na­dos sim­pa­ti­zan­tes de Hil­lary Clin­ton.

Nu­ma de­las, apa­re­ce Ivan­ka, sem­pre mui­to ele­gan­te, sen­ta­da com o seu pai e o pri­mei­ro-mi­nis­tro ja­po­nês na Trump Tower, em No­va Ior­que. Nu­ma ou­tra, Abe e Trump con­ver­sam, ob­ser­va­dos pe­lo ca­sal Ivan­ka e Ja­red.

“Con­fli­to de in­te­res­ses é um eu­fe­mis­mo”, dis­se Matt Or­te­ga, um exe­cu­ti­vo da cam­pa­nha di­gi­tal de Hil­lary.

“OMGOMGOMGOMGOMG” por “Oh My God” (Oh meu Deus), re­a­giu a re­vis­ta de es­quer­da Mother Jo­nes.

Ci­tan­do fon­tes anó­ni­mas, o jor­nal The New York Ti­mes afir­mou que Kush­ner con­sul­tou um ad­vo­ga­do so­bre a pos­si­bi­li­da­de de en­trar pa­ra o go­ver­no do so­gro.

Uma lei an­ti-ne­po­tis­mo adop­ta­da em 1967, de­pois que o ex­pre­si­den­te John F. Ken­nedy no­me­ou o seu ir­mão Bobby co­mo se­cre­tá­rio de Jus­ti­ça, proí­be - em prin­cí­pio - qual­quer mem­bro da fa­mí­lia di­rec­ta, ou po­lí­ti­ca, de um pre­si­den­te de ter um em­pre­go re­mu­ne­ra­do nu­ma agên­cia fe­de­ral.

A le­gis­la­ção é, po­rém, mais am­bí­gua no que se re­fe­re a car­gos de as­ses­so­res na Ca­sa Bran­ca, de acor­do com a im­pren­sa ame­ri­ca­na.

De­pois de ser elei­to, Trump deu si­nais de que pre­ten­de con­ti­nu­ar a dar à sua fa­mí­lia um pa­pel pri­mor­di­al no seu go­ver­no.

Du­ran­te a cam­pa­nha, o mag­na­ta apoi­ou-se nos seus fi­lhos Eric, Do­nald Jr. e Ivan­ka, que tam­bém são mui­to en­vol­vi­dos nos seus ne­gó­ci­os. Ja­red foi, por sua vez, um fi­el con­se­lhei­ro.

“Es­pe­ci­a­lis­tas pri­mei­ro”

A in­fluên­cia exer­ci­da pe­la fa­mí­lia Trump não é no­va, lem­bra o pro­fes­sor de Ci­ên­cia Po­lí­ti­ca Sam Abrams, na Sa­rah La­wren­ce Col­le­ge, de No­va Ior­que.

De Ele­a­no­re Ro­o­se­velt a Mi­chel­le Oba­ma, pas­san­do pe­las fa­mí­li­as Ken­nedy e Bush, as es­po­sas e os fi­lhos de­sem­pe­nham, com frequên­cia, um pa­pel im­por­tan­te na to­ma­da de de­ci­sões dos pre­si­den­tes, em­bo­ra na mai­o­ria dos ca­sos te­nha si­do um pro­ces­so in­for­mal. A lei an­ti-ne­po­tis­mo nun­ca im­pe­diu que is­so acon­te­ces­se, afir­mou.

Se­gun­do Da­ni­el DiSal­vo, es­pe­ci­a­lis­ta do City Col­le­ge de No­va Ior­que, o bi­li­o­ná­rio re­pu­bli­ca­no re­pre­sen­ta uma com­bi­na­ção iné­di­ta “pe­la na­tu­re­za do seu ne­gó­cio”.

“O seu no­me re­pre­sen­ta gran­de par­te do va­lor dos seus ac­ti­vos, co­mo os seus pré­di­os e cam­pos de gol­fe, a im­por­tân­cia da sua for­tu­na e os fi­lhos adul­tos que me­teu nos seus ne­gó­ci­os”, co­men­tou.

“Tu­do is­so fa­vo­re­ce os even­tu­ais con­fli­tos de in­te­res­se”, afir­ma DiSal­vo, acres­cen­tan­do que “não se­rão re­sol­vi­dos” com a cri­a­ção de um “blind trust”, uma so­ci­e­da­de fi­du­ciá­ria que se­rá ad­mi­nis­tra­da pe­los seus fi­lhos, na­qual o pre­si­den­te não te­rá qual­quer po­der.

Se­gun­do Abrams, ain­da que a in­fluên­cia da fa­mí­lia Trump não te­nha na­da de sur­pre­en­den­te, o em­pre­sá­rio co­me­te um er­ro ao pô-la em pri­mei­ro pla­no des­de ago­ra, so­bre­tu­do, quan­do ain­da não no­me­ou re­co­nhe­ci­dos es­pe­ci­a­lis­tas isen­tos de polémica pa­ra o seu go­ver­no.

“É nor­mal en­vol­ver a fa­mí­lia, mas quan­do vo­cê se vai reu­nir com Shin­zo Abe, um ali­a­do pró­xi­mo dos Es­ta­dosU­ni­dos, é ne­ces­sá­rio fa­lar pri­mei­ro com os es­pe­ci­a­lis­tas em vez de se vi­rar pa­ra Ja­red e per­gun­tar-lhe: “o que é que vo­cê acha?”, ale­ga Abrams.

Na quin­ta-fei­ra, es­pe­ci­a­lis­tas ci­ta­dos pe­los jor­nais ame­ri­ca­nos mos­tra­ram a sua pre­o­cu­pa­ção com o fac­to de Trump não ter pe­di­do pa­ra ser in­for­ma­do pe­lo De­par­ta­men­to de Es­ta­do an­tes do­seu en­con­tro com Abe. “Há tan­to ran­cor, tan­ta frus­tra­ção” após a elei­ção, con­si­de­rou Abrams.

“É uma má li­de­ran­ça, quan­do se sa­be que al­go não fun­ci­o­na e que as pes­so­as es­tão cha­te­a­das (...) Is­so não aju­da os ame­ri­ca­nos a sen­ti­rem-se me­lhor”, sus­ten­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.