BAI pre­pa­ra en­tra­da no agro­ne­gó­cio

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Ban­co An­go­la­no de In­ves­ti­men­tos (BAI) es­tá a es­tu­dar de for­ma atu­ra­da o sec­tor agrí­co­la e o agro­ne­gó­cio, pa­ra par­ti­ci­par de for­ma ac­ti­va na pro­du­ção ali­men­tar, anun­ci­ou quin­ta-fei­ra, em Lu­an­da, o pre­si­den­te da sua Co­mis­são Exe­cu­ti­va.

Jo­sé de Li­ma Mas­sa­no, que fa­la­va à mar­gem da IV con­fe­rên­cia anu­al so­bre “Agro­ne­gó­cio: uma al­ter­na­ti­va pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da au­to-su­fi­ci­ên­cia ali­men­tar”, re­a­li­za­da no âm­bi­to do 20º ani­ver­sá­rio do ban­co, su­bli­nhou que a sua ins­ti­tui­ção pro­cu­ra com­pre­en­der me­lhor o di­na­mis­mo des­te sec­tor.

“Qu­e­re­mos com­pre­en­der co­mo tu­do po­de acon­te­cer. Te­mos al­guns pro­jec­tos em An­go­la que têm es­ta­do a acon­te­cer com su­ces­so e ver­mos co­mo es­se apoio po­de ser fei­to de for­ma es­tru­tu­ran­te”, dis­se. O ban­quei­ro acres­cen­tou que além de com­pre­en­der me­lhor o di­na­mis­mo do sec­tor, ten­do em con­ta a sua fun­ção, o ban­co vai pro­cu­rar uti­li­zar de for­ma efi­ci­en­te os re­cur­sos que tem à dis­po­si­ção pa­ra apoi­ar um sec­tor vi­tal pa­ra a eco­no­mia na­ci­o­nal.

O an­ti­go go­ver­na­dor do BNA fri­sou que, nes­ta fa­se, ain­da não se fa­la de mon­tan­tes a in­ves­tir, mas da “com­pre­en­são do sec­tor e, em fun­ção das po­lí­ti­cas, ver a pos­si­bi­li­da­de de mo­bi­li­zar re­cur­sos pa­ra aten­der às ne­ces­si­da­des.”

O en­ge­nhei­ro agró­no­mo Al­de­mir Fer­rei­ra Ápio con­si­de­rou o agro­ne­gó­cio um ele­men­to fun­da­men­tal pa­ra me­lho­ria da qua­li­da­de de vi­da da po­pu­la­ção me­nos fa­vo­re­ci­da, por con­tri­buir pa­ra a re­du­ção da fo­me e da po­bre­za. Ao dis­ser­tar so­bre “Ca­dei­as pro­du­ti­vas e su­as re­la­ções com o agro­ne­gó­cio no con­tex­to lo­cal”, o es­pe­ci­a­lis­ta su­bli­nhou que to­da e qual­quer me­di­da vol­ta­da à pro­du­ção de ali­men­tos é no­bre e dig­na de in­cen­ti­vos por par­te de to­da a so­ci­e­da­de.

“As in­de­fi­ni­ções ma­cro­e­co­nó­mi­cas, ge­ra­das pe­las po­lí­ti­cas pú­bli­cas, e a exis­tên­cia de ins­tru­men­tos de po­lí­ti­ca agrí­co­la não per­mi­tem que o em­pre­sá­rio ru­ral se sin­ta con­for­tá­vel em in­ves­tir na ac­ti­vi­da­de”, dis­se.

O agró­no­mo re­co­nhe­ceu que a ac­ti­vi­da­de ru­ral, por si só, “é uma ac­ti­vi­da­de de al­to ris­co, pre­ci­san­do de ins­tru­men­tos es­pe­cí­fi­cos que re­gu­la­men­tem as re­la­ções de ne­gó­ci­os, ca­so ha­ja su­ces­so.” No seu en­ten­der, o agro­ne­gó­cio não exis­te de for­ma iso­la­da, pois, o seu avan­ço de­pen­de da re­la­ção as­so­ci­a­ti­va e da in­de­pen­dên­cia ope­ra­ci­o­nal.

Pa­ra o en­ge­nhei­ro agró­no­mo Al­de­mir Fer­rei­ra Ápio, na prá­ti­ca, as as­so­ci­a­ções quan­do bem ge­ri­das são im­por­tan­tes ins­tru­men­tos de au­xí­lio na for­ma­ção das po­lí­ti­cas pú­bli­cas, ten­do em vis­ta a de­fe­sa dos in­te­res­ses de ca­da sec­tor pro­du­ti­vo e a ac­tu­a­li­za­ção per­ma­nen­te dos da­dos per­ti­nen­tes.

A IV con­fe­rên­cia anu­al so­bre “Agro­ne­gó­cio: uma al­ter­na­ti­va pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da au­to­su­fi­ci­ên­cia ali­men­tar”, foi re­a­li­za­da pe­lo Ban­co Afri­ca­no de In­ves­ti­men­tos (BAI) na sua aca­de­mia, en­qua­dra­da nos seus 20 anos de exis­tên­cia.

SAN­TOS PE­DRO

Ins­ti­tui­ção ban­cá­ria es­tu­da me­ca­nis­mos de mo­bi­li­zar re­cur­sos pa­ra a pro­du­ção agrí­co­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.