Or­ga­ni­za­ção de pro­du­to­res me­lho­ra es­co­a­men­to de bens

Jornal de Angola - - MUNDO -

O au­men­to dos ní­veis de co­mer­ci­a­li­za­ção e es­co­a­men­to de pro­du­tos agrí­co­las de­pen­de, em gran­de par­te, da me­lho­ria do ní­vel de or­ga­ni­za­ção e de fun­ci­o­na­men­to das as­so­ci­a­ções e co­o­pe­ra­ti­vas agrí­co­las nas co­mu­ni­da­des, por se­rem ac­to­res que in­ter­vêm di­rec­ta­men­te nas ta­re­fas de de­sen­vol­vi­men­to do sec­tor agrá­rio.

A afir­ma­ção é do di­rec­tor pro­vin­ci­al da ADRA (Ac­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral e Am­bi­en­te) em Malanje, Fer­nan­do San­tos, à mar­gem do pri­mei­ro se­mi­ná­rio so­bre co­mer­ci­a­li­za­ção e es­co­a­men­to de pro­du­tos agrí­co­las, associativismo e co­o­pe­ra­ti­vis­mo, pro­mo­vi­do pe­la mes­ma ins­ti­tui­ção.

Fer­nan­do San­tos acres­cen­tou que, a par da or­ga­ni­za­ção, a di­vul­ga­ção cons­tan­te das po­ten­ci­a­li­da­des agrí­co­las das co­mu­ni­da­des é ou­tro fac­tor pre­pon­de­ran­te pa­ra a me­lho­ria do flu­xo de co­mer­ci­a­li­za­ção e es­co­a­men­to dos pro­du­tos do cam­po pa­ra os cen­tros de con­su­mo e a con­se­quen­te ga­ran­tia do be­mes­tar da po­pu­la­ção.

En­cer­ra­do on­tem, o se­mi­ná­rio dis­cu­tiu ma­té­ri­as li­ga­das à im­por­tân­cia do associativismo e do co­o­pe­ra­ti­vis­mo e fez uma re­fle­xão em tor­no das su­as im­pli­ca­ções ju­rí­di­cas, a co­mer­ci­a­li­za­ção e o es­co­a­men­to dos pro­du­tos do cam­po e ex­pe­ri­ên­cia dos mer­ca­dos ru­rais da pro­vín­cia do Uí­ge. O even­to foi fi­nan­ci­a­do pe­la em­pre­sa pe­tro­lí­fe­ra To­tal e pe­lo go­ver­no pro­vin­ci­al e con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de as­so­ci­a­ções de cam­po­ne­ses e co­o­pe­ra­ti­vas agrí­co­las, re­pre­sen­tan­tes das di­rec­ções pro­vin­ci­ais da Agri­cul­tu­ra, Co­mér­cio, Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher, As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al e Jus­ti­ça e Di­rei­tos Hu­ma­nos, além de téc­ni­cos das es­ta­ções de De­sen­vol­vi­men­to Agrá­rio e par­cei­ros.

Os pre­ços dos pro­du­tos ali­men­ta­res que com­põem a ces­ta bá­si­ca, no­me­a­da­men­te o ar­roz, açú­car, a fu­ba de mi­lho, mas­sa e o óleo ali­men­tar, re­gis­tam uma con­tí­nua des­ci­da nos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais da pro­vín­cia, fru­to das me­di­das de pre­ven­ção da es­pe­cu­la­ção le­va­da a ca­bo pe­las au­to­ri­da­des lo­cais.

O po­der de com­pra por par­te dos con­su­mi­do­res es­tá pau­la­ti­na­men­te a nor­ma­li­zar, com­pa­ra­ti­va­men­te aos úl­ti­mos me­ses em que os pre­ços eram tri­pli­ca­dos. O sa­co de ar­roz de 25 qui­lo­gra­mas ven­di­do a 12 mil kwan­zas, no mês pas­sa­do, cus­ta ago­ra 6300 kwan­zas, ao pas­so que o sa­co de fu­ba de mi­lho de 25 qui­lo­gra­mas até en­tão co­mer­ci­a­li­za­do a 6300 kwan­zas es­tá a ser ven­di­do ho­je a 5800 kwan­zas.

A cai­xa de mas­sa to­ma­te que, an­te­ri­or­men­te, cus­ta­va 4300 kwan­zas re­gis­tou uma re­du­ção de mil kwan­zas, en­quan­to a cai­xa de óleo ali­men­tar pas­sou de 14 mil pa­ra 5800 kwan­zas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.