Con­ti­nen­te é o mai­or be­ne­fi­ciá­rio do fun­do glo­bal de vi­da sel­va­gem

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Pa­pa Fran­cis­co au­to­ri­zou, on­tem, to­dos os sa­cer­do­tes a man­te­rem de­fi­ni­ti­va­men­te a ca­pa­ci­da­de de ab­sol­vi­ção das mu­lhe­res que te­nham fei­to um abor­to.

“Pa­ra que ne­nhum obs­tá­cu­lo se in­ter­po­nha en­tre o pe­di­do de re­con­ci­li­a­ção e o per­dão de Deus, con­ce­do a to­dos os pa­dres, a par­tir de ago­ra, a faculdade de ab­sol­ver o pe­ca­do do abor­to”, es­cre­veu o Pa­pa na car­ta apos­tó­li­ca “Mi­se­ri­cor­dia et Mi­se­ra”.

A Igre­ja Católica con­si­de­ra o abor­to um pe­ca­do gra­ve que po­de le­var à ex­co­mu­nhão e, até ago­ra, um sa­cer­do­te só o po­dia ab­sol­ver de­pois de ter au­to­ri­za­ção de um bis­po ou mes­mo do Pa­pa.

O Pon­tí­fi­ce pro­lon­ga as­sim uma dis­po­si­ção ini­ci­al­men­te es­ta­be­le­ci­da ape­nas pa­ra o Ju­bi­leu. “Que­ro en­fa­ti­zar, com to­das as mi­nhas for­ças, que o abor­to é um pe­ca­do gra­ve, por­que põe fim a uma vi­da hu­ma­na ino­cen­te. Com a mes­ma for­ça, no en­tan­to, pos­so e de­vo afir­mar que não exis­te ne­nhum pe­ca­do que a mi­se­ri­cór­dia de Deus não pos­sa al­can­çar e des­truir, ali on­de se en­con­tra um co­ra­ção ar­re­pen­di­do”, es­cre­ve o Pa­pa.

Na car­ta “Mi­se­ri­cor­dia et Mi­se­ra”, que con­vi­da à re­no­va­ção do tem­po de per­dão, re­con­ci­li­a­ção e ca­ri­da­de pa­ra os mais ne­ces­si­ta­dos, Fran­cis­co es­ten­deu aos sa­cer­do­tes da Fra­ter­ni­da­de de São Pio X, os cha­ma­dos le­feb­vri­a­nos, ou­tras dis­po­si­ções, au­to­ri­za­das ape­nas por oca­sião do Ju­bi­leu da Mi­se­ri­cór­dia, co­mo a con­ces­são de ab­sol­vi­ção dos pe­ca­dos. O Pa­pa jus­ti­fi­cou es­sa de­ci­são “pe­lo bem pas­to­ral dos fiéis” que quei­ram con­fes­sar-se nas igre­jas ofi­ci­ais pe­los sa­cer­do­tes da Fra­ter­ni­da­de.

Os se­gui­do­res de Mar­cel Le­feb­vre não re­co­nhe­cem o Con­cí­lio Va­ti­ca­no II e, por is­so, es­tão fo­ra da Igre­ja des­de 1988.

Fran­cis­co lem­brou tam­bém aos sa­cer­do­tes as di­fe­ren­tes si­tu­a­ções fa­mi­li­a­res na ac­tu­a­li­da­de, pe­din­do que, pe­ran­te es­tes ca­sos, te­nham “um dis­cer­ni­men­to es­pi­ri­tu­al aten­to, pro­fun­do e pru­den­te pa­ra que ca­da um, sem ex­cluir nin­guém, sem im­por­tar a si­tu­a­ção em que vi­va, pos­sa sen­tir-se aco­lhi­do con­cre­ta­men­te por Deus, par­ti­ci­par ac­ti­va­men­te na vi­da da co­mu­ni­da­de.” Su­bli­nhan­do que o per­dão de Deus não tem li­mi­tes, o Pa­pa pe­diu a to­dos os sa­cer­do­tes que se­jam ge­ne­ro­sos ao re­ce­ber a con­fis­são dos fiéis. “O Ju­bi­leu ter­mi­na e a Por­ta San­ta se fe­cha. Mas a por­ta da mi­se­ri­cór­dia do nos­so co­ra­ção ain­da con­ti­nua aber­ta”, de­cla­rou o Pon­tí­fi­ce ar­gen­ti­no.

Fran­cis­co é o lí­der má­xi­mo dos ca­tó­li­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.