Mi­nis­tro re­co­men­da con­ju­ga­ção de es­for­ços

Jornal de Angola - - POLÍTICA - ARCÂNGELA RO­DRI­GUES |

O mi­nis­tro da Eco­no­mia, Abraão Gour­gel, ape­lou, em Lu­an­da, a con­ju­ga­ção de es­for­ços en­tre as ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das, no com­ba­te à cor­rup­ção.

Ao dis­cur­sar no en­cer­ra­men­to da con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal pro­mo­vi­da pe­la Fun­da­ção Edu­ar­do dos San­tos (Fe­sa), sob o le­ma “Boa go­ver­na­ção, de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos, lu­ta con­tra a cor­rup­ção e trans­pa­rên­cia”, Abraão Gour­gel re­co­nhe­ceu que o fe­nó­me­no afec­ta to­dos os paí­ses, di­fi­cul­tan­do a ca­pa­ci­da­de de os Es­ta­dos pro­mo­ve­rem um cres­ci­men­to eco­nó­mi­co in­clu­si­vo.

O mi­nis­tro so­li­ci­tou às ins­ti­tui­ções mai­or trans­pa­rên­cia, nos es­for­ços ten­den­tes a es­tan­car o fe­nó­me­no, pau­tan­do pe­lo diá­lo­go con­tí­nuo. Or­ga­ni­za­da pe­la Fe­sa, a con­fe­rên­cia ofe­re­ceu uma sé­rie de ins­tru­men­tos e fer­ra­men­tas que aju­dam a com­pre­en­der e a mi­ti­gar os efei­tos da cor­rup­ção. Além de de­pu­ta­dos, par­ti­ci­pa­ram na con­fe­rên­cia mem­bros do Go­ver­no, re­pre­sen­tan­tes de Por­tu­gal, Es­pa­nha, Pe­ru e Fran­ça.

Re­co­men­da­ções

Os par­ti­ci­pan­tes à con­fe­rên­cia da Fe­sa con­cluí­ram a ne­ces­si­da­de do en­vol­vi­men­to do Es­ta­do, so­ci­e­da­de ci­vil e do sec­tor pri­va­do no con­tro­lo da cor­rup­ção, sa­li­en­tan­do que os di­rei­tos hu­ma­nos e a cor­rup­ção são de “men­su­ra­ção in­tan­gí­vel.”

Con­cluí­ram ain­da que a cor­rup­ção se apre­sen­ta co­mo uma ame­a­ça ao de­sen­vol­vi­men­to dos paí­ses. De­fen­dem, por is­so, a edu­ca­ção e a for­ma­ção da ju­ven­tu­de, pa­ra a pre­ven­ção e cor­rec­ção de even­tu­ais des­vi­os com­por­ta­men­tais.

Os par­ti­ci­pan­tes à con­fe­rên­cia su­bli­nha­ram que as no­vas tec­no­lo­gi­as de­ram lu­gar a uma mai­or trans­pa­rên­cia na ges­tão dos bens pú­bli­cos, sen­do um ele­men­to es­sen­ci­al con­tra a cor­rup­ção, per­mi­tin­do a in­te­gri­da­de da in­for­ma­ção, se­gui­men­to, aná­li­se e trans­pa­rên­cia. No do­cu­men­to fi­nal, os con­fe­ren­cis­tas re­co­nhe­cem o “es­for­ço sig­ni­fi­ca­ti­vo”, das au­to­ri­da­des an­go­la­nas no sen­ti­do de com­pre­en­de­rem a es­sên­cia do fe­nó­me­no da cor­rup­ção atra­vés da sua abor­da­gem de for­ma trans­pa­ren­te.

A cons­tru­ção da de­mo­cra­cia re­quer que se de­sen­vol­va, nos ci­da­dãos, for­mas de pen­sar, sen­tir e ac­tu­ar nu­ma cultura de­mo­crá­ti­ca, on­de o con­fli­to, a di­ver­si­da­de e a di­fe­ren­ça são ca­rac­te­rís­ti­cas da con­vi­vên­cia dos sis­te­mas de­mo­crá­ti­cos, re­fe­rem os con­fe­ren­cis­tas no do­cu­men­to fi­nal.

A con­fe­rên­cia, en­qua­dra­da nas co­me­mo­ra­ções do vi­gé­si­mo ani­ver­sá­rio da cri­a­ção da Fe­sa e do sep­tu­a­gé­si­mo quar­to ani­ver­sá­rio na­ta­lí­cio do seu pa­tro­no, re­co­men­dou uma aposta con­tí­nua em no­vas tec­no­lo­gi­as pa­ra o com­ba­te à cor­rup­ção e ou­tros ma­les co­mo o bran­que­a­men­to de ca­pi­tais.

Apro­var com ce­le­ri­da­de o có­di­go pe­nal e de­mais le­gis­la­ção per­ti­nen­te co­mo ins­tru­men­tos pa­ra com­ba­ter a cor­rup­ção, pro­mo­ver a trans­pa­rên­cia e ga­ran­tir os di­rei­tos hu­ma­nos e proi­bir a im­por­ta­ção ou ex­por­ta­ção de mo­de­los de de­mo­cra­cia são ou­tras re­co­men­da­ções saí­das da con­fe­rên­cia.

PAU­LO MULAZA

Mi­nis­tro da Eco­no­mia Abraão Gour­gel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.