De­sen­ten­di­men­tos des­ta­pam fa­lhas de Co­na­cri

PAIGC ma­ni­fes­ta de­sa­cor­do com Uma­ro Sis­so­ko e dei­xa o Pre­si­den­te sem so­lu­ção

Jornal de Angola - - MUNDO - PI­MEN­TA KAJOCOLO |*

Se é ver­da­de que a no­me­a­ção e pos­se do ac­tu­al pri­mei­ro-mi­nis­tro, Uma­ro Sis­so­ko, na sex­ta-fei­ra, em Bis­sau, aca­bou por mar­car mais uma eta­pa no com­ple­xo xa­drez po­lí­ti­co do país, tam­bém não dei­xa de ser ver­da­de ad­mi­tir que o ac­to em si não re­pre­sen­tou o fim da cri­se política que, faz tem­po, fus­ti­ga a Gui­né-Bis­sau.

Na prá­ti­ca, a so­ci­e­da­de en­ca­ra es­ta no­me­a­ção co­mo “mais uma”, igual­zi­nha a tan­tas ou­tras que à cer­ca de dois anos e de for­ma su­ces­si­va se vão mul­ti­pli­can­do na Gui­né-Bis­sau, sem, no en­tan­to, sur­ti­rem os efei­tos de­se­ja­dos, qu­an­do em cau­sa es­tá a es­ta­bi­li­da­de política.

De acor­do com in­for­ma­ções pres­ta­das por fon­tes do Jor­nal de An­go­la em Bis­sau, es­sas re­pre­sen­tam a lei­tu­ra mais fi­el que os gui­ne­en­ses fa­zem em re­la­ção à si­tu­a­ção ac­tu­al, co­mo con­sequên­cia do acor­do de Co­na­cri, que, se­gun­do de­fen­dem, es­tá ta­ci­ta­men­te re­le­ga­do ao fra­cas­so. Tra­ta-se de opi­niões co­lhi­das a vá­ri­os ní­veis. “São mui­to pou­co con­ven­ci­o­nais as me­di­das adop­ta­das pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz pa­ra no­me­ar o pri­mei­ro-mi­nis­tro”, afir­mam as fon­tes.

A no­me­a­ção, se­gun­do as fon­tes, pas­sou ao lar­go do con­sen­so “que se pre­ten­de al­can­çar pa­ra tra­zer de vol­ta a es­ta­bi­li­da­de política à Gui­né Bis­sau.” Agin­do ao mes­mo tem­po co­mo ár­bi­tro e jo­ga­dor, o Pre­si­den­te gui­ne­en­se, Jo­sé Má­rio Vaz, re­a­li­zou um cír­cu­lo de con­sul­tas com to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes no pro­ces­so, e ain­da com o Con­se­lho de Es­ta­do. Mas qual­quer um dos encontros re­a­li­za­dos, aca­ba­ram por se tor­nar in­con­clu­si­vos, por for­ça da im­po­si­ção in­ter­pos­ta, se­gun­do as nos­sas fon­tes, pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca que exi­gia que a per­so­na­li­da­de a in­di­car “ti­nha que ser de sua in­tei­ra con­fi­an­ça, con­for­me pre­vis­to no nú­me­ro 1 do acor­do de Co­na­cri.

Fra­cas­so nas ne­go­ci­a­ções

Com o fra­cas­so des­sa ron­da ne­go­ci­al, Jo­sé Má­rio Vaz aban­do­nou as con­sul­tas e atri­buiu res­pon­sa­bi­li­da­des ao PAIGC e ao PRS pa­ra re­sol­ve­rem o as­sun­to, nu­ma ba­ta­lha, até cer­to pon­to, des­le­al, se ti­ver­mos em con­ta as en­vol­vên­ci­as que cir­cu­lam à sua vol­ta, as quais, a pri­o­ri, des­car­ta­vam a hi­pó­te­se de vi­tó­ria a qual­quer um can­di­da­to sem pas­sar pe­la sua de­ci­são. O Par­ti­do de Re­no­va­ção So­ci­al (PRS) é ti­do lo­cal­men­te co­mo um apoi­an­te in­con­di­ci­o­nal das te­ses de­fen­di­das pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz, que con­tam igual­men­te com o apoio dos “15”. A par­te, o apoio de dois ou três par­ti­dos po­lí­ti­cos, que o apoi­am, na sua lu­ta, o PAIGC con­ta ape­nas com o su­por­te da cons­ti­tui­ção que na sua con­di­ção de par­ti­do ven­ce­dor das elei­ções le­gis­la­ti­vas lhe atri­bui ple­nos po­de­res pa­ra in­di­car o no­me da fi­gu­ra que vai ocu­par o car­go de pri­mei­ro-mi­nis­tro, um pro­ce­di­men­to le­gal que tem si­do vi­o­la­do, de for­ma sis­te­má­ti­ca, pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Acor­do de Co­na­cri

É dis­so exem­plo a úl­ti­ma no­me­a­ção que efec­tu­ou e cu­jo en­re­do tem tu­do pa­ra con­for­mar au­tên­ti­cas pe­ças de te­a­tro pa­ra “in­glês ver”. Com o fra­cas­so do en­con­tro en­tre o PAIGC e o PRS, ofe­re­ceu ao Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz a opor­tu­ni­da­de pa­ra jun­tar as pe­ças, de­vi­do às “de­sin­te­li­gên­ci­as” que di­vi­di­am os dois opo­nen­tes, aos po­de­res que lhe atri­bui o pon­to 1 do acor­do de Co­na­cri e fe­char com “cha­ves de ou­ro” a dis­pu­ta que sus­ci­tou a in­di­ca­ção do pri­mei­ro-mi­nis­tro.

“Con­si­de­ran­do que o pon­to um do Acor­do de Co­na­cri es­ta­be­le­ce o pro­ce­di­men­to con­sen­su­al na es­co­lha de um pri­mei­ro-mi­nis­tro e que, ao mes­mo tem­po. go­ze da con­fi­an­ça do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca; nos ter­mos do alí­nea g) do ar­ti­go 70.˚ da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca, é no­me­a­do co­mo pri­mei­ro-mi­nis­tro o Sr. Uma­ro El Mokh­tar Sis­so­co”, lê­se no de­cre­to pre­si­den­ci­al, exa­ra­do no dia 18 de No­vem­bro.

Re­a­gin­do à no­me­a­ção, o PAIGC de­mar­cou-se da de­ci­são do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e res­pon­sa­bi­li­zou-o por to­das as con­sequên­ci­as daí de­cor­ren­tes, ma­ni­fes­tan­do a sua “fir­me e ina­ba­lá­vel de­ter­mi­na­ção em con­ti­nu­ar a lu­ta pe­la afir­ma­ção do Es­ta­do de Di­rei­to e De­mo­crá­ti­co, ao la­do de to­das as for­ças pro­gres­sis­tas do país”. O PAIGC dis­se que ao no­me­ar Uma­ru Sis­so­ko Em­ba­ló pa­ra o car­go de pri­mei­ro-mi­nis­tro, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca assumiu ine­qui­vo­ca­men­te a re­nún­cia ex­pli­ci­ta do Acor­do de Co­na­cri, “op­tan­do pe­la con­ti­nui­da­de da cri­se, o que in­fe­liz­men­te não sur­pre­en­de o po­vo gui­ne­en­se, is­so se ti­ver­mos em con­ta o que o Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz, nos ha­bi­tou a “di­zer uma coi­sa ho­je, e fa­zer ou­tra ama­nhã”.

Com es­ta no­me­a­ção, Jo­sé Má­rio Vaz con­se­guiu al­can­çar os seus ob­jec­ti­vos, o de no­me­ar uma pes­soa de sua con­fi­an­ça, mas, di­ga-se, em abo­na da ver­da­de, exis­tem mui­tos ou­tros pro­ble­mas pa­ra se re­sol­ver em cu­jo êxi­to ou fra­cas­so de­pen­de o fu­tu­ro des­te país do Oes­te de Áfri­ca.

Es­ta­mos a re­fe­rir, por exem­plo, da ques­tão de se sa­ber co­mo é que o Go­ver­no do ac­tu­al pri­mei­ro-mi­nis­tro, Uma­ru Sis­so­ko Em­ba­ló, vai po­der fun­ci­o­nar se, por qual­quer even­tu­a­li­da­de, não con­se­guir o apoio su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer pas­sar o seu pro­jec­to de go­ver­na­ção no Par­la­men­to.

Um ou­tro as­sun­to, tem a ver com o re­tor­no da fac­ção dos “15”, as fi­lei­ras do PAIGC, que se­gun­do re­co­men­da­ção do acor­do de Co­na­cri, os mes­mos de­vem re­gres­sar à pro­ce­dên­cia. A alí­nea f) do pon­to dez do Acor­do de Co­na­cri, es­ta­be­le­ce o prin­cí­pio de uma rein­te­gra­ção efec­ti­va e sem con­di­ções no PAIGC, dos 15 de­pu­ta­dos dis­si­den­tes do par­ti­do mai­o­ri­tá­rio, com ba­se no res­pei­to es­cru­pu­lo­so dos pres­su­pos­tos le­gais que re­gem o fun­ci­o­na­men­to do PAIGC.

Fa­zer uma lei­tu­ra cor­rec­ta de co­mo es­sa in­te­gra­ção de­ve ser fei­ta, já que até à no­me­a­ção e pos­se do pri­mei­ro-mi­nis­tro, as par­tes não ha­vi­am che­ga­do a con­sen­so, pa­re­ce cons­tar en­tre os mui­tos pen­den­tes do acor­do de Co­na­cri, cu­ja so­lu­ção po­de le­var ain­da al­gum tem­po. Fon­tes do Jor­nal de An­go­la em Bis­sau, acre­di­tam co­mo mui­to pou­co pro­vá­vel que os “15” ve­nham a con­sen­tir um re­cuo nos seus po­si­ci­o­na­men­tos, con­si­de­ran­do que o má­xi­mo que po­de acon­te­cer é man­te­rem a sua equi­dis­tân­cia em re­la­ção ao PAIGC e fa­ci­li­tar, em as­so­ci­a­ção ao PRS, a for­ma­ção de um Go­ver­no de in­ci­dên­cia par­la­men­tar, co­mo de res­to acon­te­ceu com o Go­ver­no de Ba­ci­ro Dja.

No seu Go­ver­no, que te­ve uma du­ra­ção efé­me­ra, não foi pa­ra além dos três me­ses, Ba­ci­ro Djá não con­se­guiu fa­zer pas­sar, no Par­la­men­to, o seu pro­gra­ma de go­ver­na­ção, o que tor­nou in­viá­vel o seu man­da­to. Mes­mo a con­tar com o su­por­te do Go­ver­no de in­ci­dên­cia par­la­men­tar, o Go­ver­no de Ba­ci­lo Djá não con­se­guiu se­quer co­lo­car na agen­da da As­sem­bleia Na­ci­o­nal o seu pro­jec­to de go­ver­na­ção. As pro­pos­tas eram chum­ba­das pe­la me­sa da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, an­tes de che­ga­rem a agen­da de tra­ba­lhos.

Re­for­ma da cons­ti­tui­ção

A re­for­ma da Cons­ti­tui­ção de­fen­di­da a mais al­to ní­vel por al­guns po­lí­ti­cos lo­cais e pre­vis­ta no acor­do de Co­na­cri, po­de já ser vis­ta co­mo uma “car­ta fo­ra do ba­ra­lho”, se ti­ver­mos em con­ta os ob­jec­ti­vos que es­tas al­te­ra­ções pre­vêem e que, na opi­nião de uma boa fran­ja de ci­da­dãos gui­ne­en­ses, as mu­dan­ças ape­nas ser­vi­ri­am pa­ra be­ne­fi­ci­ar uma meia dú­zia de po­lí­ti­cos. Se­gun­do fon­tes aba­li­za­das na ma­té­ria, o pro­ble­ma da Gui­né es­tá no ho­mem e não na Cons­ti­tui­ção.

O “day af­ter”

As cau­te­las em re­la­ção ao “day af­ter”, em por­tu­guês, “o dia se­guin­te”, de acor­do com fon­tes do jor­nal de An­go­la, dominam ac­tu­al­men­te as aten­ções na Gui­né-Bis­sau, que so­bre­vi­veu as me­xi­das do fim de se­ma­na num cli­ma de apa­ren­te acal­mia e sem in­ci­den­tes a re­gis­tar.

A ce­ri­mó­nia de pos­se te­ve lu­gar al­gu­mas ho­ras após no­me­a­ção do pri­mei­ro-mi­nis­tro, num ac­to mar­ca­do pe­la au­sên­cia dos ti­tu­la­res dos ór­gãos de so­be­ra­nia, de­sig­na­da­men­te o pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal Po­pu­lar, Ci­pri­a­no Cas­sa­má, o pre­si­den­te do Tri­bu­nal Su­pre­mo de Jus­ti­ça, Pau­lo Sa­nhá, o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, An­tó­nio Sed­ja Mam, co­mo tam­bém de lí­de­res po­lí­ti­cos.

En­tre as pre­sen­ças, res­sal­ta à vis­ta a dos re­pre­sen­tan­tes de or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais (os cha­ma­dos Gru­po dos Cin­co), bem co­mo a dos em­bai­xa­do­res re­si­den­tes na Gui­né-Bis­sau, o de An­go­la, da Chi­na, de Cu­ba, de Es­pa­nha, da Rús­sia, de Por­tu­gal e do Se­ne­gal. Após a ce­ri­mó­nia de in­ves­ti­du­ra, o no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro dis­se nu­ma cur­ta de­cla­ra­ção que vai apre­sen­tar, as “li­nhas-mes­tras” da sua go­ver­na­ção, por al­tu­ra da pos­se dos mem­bros do seu Go­ver­no.

DR

In­ves­ti­du­ra do no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro Umu­ro Sis­so­ko pro­vo­ca cons­tran­gi­men­tos em Bis­sau

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.