A chu­va in­vi­sí­vel

Jornal de Angola - - LAZER -

A chu­va (do la­tim plu­via) é um fe­nó­me­no me­te­o­ro­ló­gi­co que re­sul­ta da pre­ci­pi­ta­ção das go­tas lí­qui­das ou só­li­das da água das nu­vens so­bre a su­per­fí­cie da ter­ra. Du­ran­te o fe­nó­me­no da pre­ci­pi­ta­ção, go­tas pe­que­nas cres­cem por con­den­sa­ção de va­por de água. A se­guir, elas po­dem cres­cer por cap­tu­ra de go­tas me­no­res que se en­con­tram na sua tra­jec­tó­ria de que­da, ou por ou­tros fe­nó­me­nos. Es­se ti­po de chu­va é di­fe­ren­te de um ti­po de chu­va cha­ma­do vir­ga ou in­vi­sí­vel.

Em me­te­o­ro­lo­gia, vir­ga, tam­bém co­nhe­ci­da por “chu­va in­vi­sí­vel” ou “chu­va fan­tas­ma”, é um ti­po de pre­ci­pi­ta­ção que cai de uma nu­vem mas eva­po­ra-se an­tes de atin­gir o so­lo en­quan­to es­tá ain­da a cair, num fe­nó­me­no que acon­te­ce prin­ci­pal­men­te em pe­río­dos/lo­cais de ar se­co.

Em al­ti­tu­des ele­va­das, a pre­ci­pi­ta­ção cai prin­ci­pal­men­te co­mo cris­tais de ge­lo an­tes de der­re­ter­se e, fi­nal­men­te, eva­po­rar-se. Is­so ocor­re ge­ral­men­te de­vi­do ao ca­lor com­pres­si­o­nal, por­que a pres­são at­mos­fé­ri­ca é mai­or per­to do so­lo. É mui­to co­mum em de­ser­tos e em cli­mas tem­pe­ra­dos. Na Amé­ri­ca do Nor­te, é ge­ral­men­te vis­to na re­gião oes­te dos Es­ta­dos Uni­dos e nas pra­da­ri­as do Ca­na­dá.

A vir­ga po­de cau­sar va­ri­a­dos efei­tos cli­má­ti­cos, por­que a chu­va no es­ta­do lí­qui­do se tor­na ga­so­sa e en­tão pas­sa a re­mo­ver ca­lor do ar de­vi­do ao al­to ca­lor de va­po­ri­za­ção da água. Em al­guns ca­sos, es­tas bol­sas de ar mais frio des­cem ra­pi­da­men­te, cri­an­do uma tur­bu­lên­cia que po­de ser ex­tre­ma­men­te pe­ri­go­sa pa­ra a avi­a­ção. Re­ci­pro­ca­men­te, a pre­ci­pi­ta­ção que se eva­po­ra em al­ti­tu­des ele­va­das po­de com­pres­si­va­men­te es­quen­tar qu­an­do cai e is­so re­sul­ta nu­ma tem­pes­tu­o­sa tur­bu­lên­cia que po­de con­si­de­ra­vel e ra­pi­da­men­te es­quen­tar a tem­pe­ra­tu­ra da su­per­fí­cie. Es­te fe­nó­me­no re­la­ti­va­men­te ra­ro, cha­ma­do de ex­plo­são de ca­lor, tam­bém ten­de a ser um ar ex­ces­si­va­men­te se­co.

A vir­ga tam­bém tem o pa­pel de plan­tar cé­lu­las de tem­pes­ta­de, pe­la qual pe­que­nas par­tí­cu­las de uma nu­vem são so­pra­das num ar su­per­sa­tu­ra­do vi­zi­nho e agem co­mo um nú­cleo de con­den­sa­ção pa­ra a se­guin­te nu­vem de tem­pes­ta­de co­me­çar a for­mar-se.

A vir­ga po­de pro­du­zir ce­nas bo­ni­tas e dra­má­ti­cas, es­pe­ci­al­men­te du­ran­te um pôr do sol aver­me­lha­do. A luz ver­me­lha po­de tor­nar vi­sí­vel as cor­ren­tes de ar e a pre­ci­pi­ta­ção que cai e os ven­tos po­dem em­pur­rar as ex­tre­mi­da­des in­fe­ri­o­res de uma vir­ga, fa­zen­do com que ela caia num ân­gu­lo que faz com que as nu­vens pa­re­çam ter for­ma­to de vír­gu­la.

A pa­la­vra vir­ga é de­ri­va­da do la­tim ga­lho ou ra­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.