Pro­fes­sor qua­li­fi­ca­do é o de­sa­fio do sec­tor

Jornal de Angola - - PARTADA - VIC­TOR PE­DRO |

O mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Pin­da Si­mão, apon­tou on­tem, no Sum­be, que a pri­o­ri­da­de do sec­tor é a qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal do pro­fes­sor nos di­ver­sos sub­sis­te­mas de en­si­no e apren­di­za­gem, pro­ces­so que se en­con­tra bem avan­ça­do, ten­do em con­ta os avul­ta­dos in­ves­ti­men­tos que o Exe­cu­ti­vo efec­tu­ou nos úl­ti­mos 14 anos. Pin­da Si­mão dis­cur­sa­va no ac­to cen­tral alu­si­vo ao Dia Na­ci­o­nal do Edu­ca­dor, que on­tem se as­si­na­lou.

O mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Pin­da Si­mão, apon­tou on­tem, no Sum­be, Cu­an­za Sul, que a pri­o­ri­da­de do sec­tor é a qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal do pro­fes­sor e da edu­ca­ção nos di­ver­sos sub­sis­te­mas de en­si­no e apren­di­za­gem, pro­ces­so que se en­con­tra bem avan­ça­do, ten­do em con­ta os avul­ta­dos in­ves­ti­men­tos que o Exe­cu­ti­vo efec­tu­ou nos úl­ti­mos 14 anos.

Ao dis­cur­sar no ac­to cen­tral alu­si­vo ao 40º ani­ver­sá­rio do Dia Na­ci­o­nal do Edu­ca­dor, o mi­nis­tro lem­brou que a data foi ins­ti­tuí­da pe­lo pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, em 1976, du­ran­te o lan­ça­men­to da pri­mei­ra Cam­pa­nha Na­ci­o­nal con­tra o Anal­fa­be­tis­mo.

Pin­da Si­mão con­si­de­rou a qua­li­da­de do en­si­no um pro­ces­so em cur­so que exi­ge a par­ti­ci­pa­ção efec­ti­va e res­pon­sá­vel de to­dos os ac­to­res so­ci­ais, que de­pen­de de vá­ri­os fac­to­res co­mo o as­se­gu­ra­men­to das in­fra-es­tru­tu­ras, ma­te­ri­al di­dác­ti­co, ges­tão, ins­pec­ção, su­per­vi­são e de pro­fes­so­res mo­ti­va­dos e com­pro­me­ti­dos com a cau­sa da edu­ca­ção.

A exis­tên­cia de do­cen­tes des­mo­ti­va­dos nas ins­ti­tui­ções por vá­ri­os fac­to­res co­mo ab­sen­tis­mo, sa­lá­ri­os in­com­pa­tí­veis com as res­pec­ti­vas ca­te­go­ri­as, as dis­tân­ci­as lon­gas en­tre a re­si­dên­cia e a ins­ti­tui­ção de en­si­no e a não pro­mo­ção do do­cen­te na car­rei­ra, fri­sou, têm con­tri­buí­do pa­ra a fal­ta de as­si­dui­da­de e per­ma­nên­cia dos do­cen­tes nas res­pec­ti­vas ins­ti­tui­ções de en­si­no e no cum­pri­men­to do ca­len­dá­rio lec­ti­vo de for­ma ri­go­ro­sa.

As co­me­mo­ra­ções do Dia Na­ci­o­nal do Edu­ca­dor, dis­se, es­tão em con­so­nân­cia com o Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção “Edu­car An­go­la 2017/2030”, que vem con­so­li­dar os êxi­tos al­can­ça­dos nos 14 anos de paz e per­mi­tiu au­men­tar o nú­me­ro de alu­nos e es­tu­dan­tes nos di­ver­sos ní­veis e sub­sis­te­mas de en­si­no, a ex­pan­são da re­de es­co­lar do en­si­no pri­má­rio ao se­cun­dá­rio, o in­cre­men­to da ofer­ta pú­bli­ca e pri­va­da pa­ra o aces­so ao en­si­no su­pe­ri­or, bem co­mo o crescimento do cor­po do­cen­te.

O go­ver­na­dor do Cu­an­za Sul, Eu­sé­bio de Brito Tei­xei­ra, apon­tou a edu­ca­ção co­mo uma via in­con­tor­ná­vel pa­ra a for­ma­ção do ho­mem nos seus as­pec­tos mul­ti­fa­ce­ta­dos, atra­vés da ins­tru­ção, so­ci­a­li­za­ção, pre­pa­ra­ção e seu en­qua­dra­men­to na vi­da, on­de a es­co­la de­ve con­ti­nu­ar a de­sen­vol­ver ac­ções que vi­sam pri­mar por uma edu­ca­ção pa­ra a paz, cons­tru­ção e con­so­li­da­ção de um Es­ta­do de di­rei­to e de­mo­crá­ti­co.

Eu­sé­bio de Brito Tei­xei­ra dis­se que a data de­ve ser­vir de re­fle­xão pa­ra os in­ter­ve­ni­en­tes da sociedade e os que tra­ba­lham di­rec­ta­men­te no sec­tor da Edu­ca­ção. Apon­tou a ex­pan­são do en­si­no su­pe­ri­or nos di­ver­sos pon­tos da pro­vín­cia pa­ra evi­tar a fu­ga de for­ça de tra­ba­lho nes­tas zo­nas e per­mi­tir que es­tes se fi­xem e de­sen­vol­vam os seus mu­ni­cí­pi­os. O go­ver­na­dor dis­se que a ex­ten­são de es­co­las do I e II ci­clos já é re­a­li­da­de, ape­sar de ha­ver ain­da mui­to por fa­zer.

FER­NAN­DO CAMILO

Mi­nis­tro da Edu­ca­ção pre­si­diu a o ac­to cen­tral do Dia do Edu­ca­dor no Cu­an­za Sul

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.