Pla­no de elec­tri­fi­ca­ção com ener­gi­as re­no­vá­veis

Jornal de Angola - - PARTADA -

Bair­ro so­ci­al nos ar­re­do­res da ci­da­de do Sum­be, no Cu­an­za Sul, aco­lhe o ac­to de con­sig­na­ção de um pro­jec­to de ins­ta­la­ção de pai­néis so­la­res em ha­bi­ta­ções, pos­tos de ilu­mi­na­ção na via pú­bli­ca, es­qua­dras po­li­ci­ais e ou­tros edi­fí­ci­os pú­bli­cos. A pri­mei­ra fa­se abran­ge tam­bém as pro­vín­ci­as da Lun­da Sul e Cu­an­do Cu­ban­go.

O ac­to de con­sig­na­ção as­si­na­do há pou­co mais de uma se­ma­na, na pro­vín­cia do Cu­an­za Sul, en­tre o Go­ver­no, re­pre­sen­ta­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Ener­gia e Águas, e a em­pre­sa LTP Ener­gi­as, pa­ra a ins­ta­la­ção de kits fo­to­vol­tai­cos de au­to­con­su­mo e de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca, re­pre­sen­ta um pas­so im­por­tan­te na ma­te­ri­a­li­za­ção de um am­bi­ci­o­so pro­gra­ma go­ver­na­men­tal que se pro­põe ca­pi­ta­li­zar ao má­xi­mo as vá­ri­as fon­tes de ener­gia re­no­vá­veis num ho­ri­zon­te tem­po­ral de­fi­ni­do.

De­no­mi­na­da “Vi­são An­go­la Ener­gia 2025”, a es­tra­té­gia na­ci­o­nal pa­ra as no­vas ener­gi­as re­no­vá­veis de­fi­ne me­tas con­cre­tas pa­ra as vá­ri­as fon­tes de ener­gia re­no­vá­veis até 2025. Ten­do em con­si­de­ra­ção o po­ten­ci­al de ca­da um dos re­cur­sos, os pro­jec­tos iden­ti­fi­ca­dos e as me­tas as­su­mi­das na res­pec­ti­va es­tra­té­gia, o Exe­cu­ti­vo se­lec­ci­o­nou pa­ra ca­da re­cur­so um con­jun­to de pro­jec­tos pri­o­ri­tá­ri­os a in­te­grar no pro­gra­ma.

Uma no­ta de re­al­ce no pro­gra­ma é o fac­to de os pro­jec­tos se­lec­ci­o­na­dos se­rem me­ra­men­te in­di­ca­ti­vos. Com­pe­te à ini­ci­a­ti­va pri­va­da o pa­pel de con­cre­ti­zá-los ou de iden­ti­fi­car ou­tras al­ter­na­ti­vas que cum­pram as me­tas de­fi­ni­das na es­tra­té­gia do Go­ver­no.

Foi na ver­da­de o que acon­te­ceu na lo­ca­li­da­de do Al­to Chin­go, ar­re­do­res da ci­da­de do Sum­be. A as­si­na­tu­ra do ac­to de con­sig­na­ção do pro­jec­to que é fi­nan­ci­a­do pe­la Es­pa­nha re­pre­sen­ta um pas­so im­por­tan­te na es­tra­té­gia do Go­ver­no, que as­sim en­ga­ja a ini­ci­a­ti­va pri­va­da no au­men­to da ofer­ta de um bem com in­fluên­cia di­rec­ta na qua­li­da­de de vi­da das fa­mí­li­as e que ao mes­mo tem­po aju­da a ex­pan­dir a re­de eléc­tri­ca na­ci­o­nal.

Luís Fi­guei­re­do, que as­si­nou pe­la em­pre­sa LTP Ener­gi­as, res­pon­sá­vel pe­la exe­cu­ção das obras, des­ta­ca no pro­jec­to as so­lu­ções ba­se­a­das em ener­gi­as re­no­vá­veis, atra­vés de sis­te­mas so­la­res. Os kits fo­to­vol­tai­cos em re­fe­rên­cia pos­su­em um pai­nel so­lar com ca­pa­ci­da­de de 100 watts, um mo­dem com 12v e 24a e du­as ba­te­ri­as que ab­sor­vem a luz so­lar.

O pro­jec­to tem co­mo ob­jec­ti­vo ins­ta­lar equi­pa­men­tos em du­as ver­ten­tes fun­da­men­tais: a pri­mei­ra nas zo­nas pú­bli­cas, co­mo es­tra­das e vi­as, e a se­gun­da vai per­mi­tir a apli­ca­ção de kits de pro­du­ção au­tó­no­ma, is­to é, ilu­mi­na­ção de ins­ti­tui­ções pú­bli­cas, co­mo es­co­las, pos­tos de saú­de, es­qua­dras po­li­ci­ais, mer­ca­dos, par­ques e ou­tras.

Nu­ma pri­mei­ra fa­se vão ser ins­ta­la­dos 4.785 pos­tos de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca, 686 kits de pro­du­ção au­tó­no­ma e 116 bai­xa­das de li­ga­ção na re­de pú­bli­ca, em di­ver­sas co­mu­nas e al­dei­as, quer nas zo­nas su­bur­ba­nas quer ru­rais.

Mas exis­te uma ou­tra ver­ten­te im­por­tan­te nes­te pro­jec­to. A LTP Ener­gi­as en­ten­de que, mais do que ge­rar ener­gia eléc­tri­ca e me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da das fa­mí­li­as, é im­por­tan­te con­tri­buir pa­ra a ge­ra­ção de ren­da pa­ra fa­mí­li­as de jo­vens an­go­la­nos.

É as­sim que de mo­do a con­tri­buir pa­ra os es­for­ços do Exe­cu­ti­vo no com­ba­te à po­bre­za e me­lho­rar os ser­vi­ços so­ci­ais e pú­bli­cos, a LTP Ener­gi­as de­ci­diu não ape­nas ofe­re­cer em­pre­gos, mas dar for­ma­ção a elec­tri­cis­tas, na es­pe­ci­a­li­da­de em ener­gia re­no­vá­veis, nu­ma aca­de­mia cen­tral em Lu­an­da e no es­ta­lei­ro lo­cal a ser cons­truí­do em bre­ve.

Es­sa pre­o­cu­pa­ção da LTP Ener­gi­as foi bem aco­lhi­da pe­las au­to­ri­da­des pro­vin­ci­ais. O vi­ce-go­ver­na­dor do Cu­an­za Nor­te pa­ra o Sec­tor Eco­nó­mi­co ex­pres­sou vi­va­men­te a sua sa­tis­fa­ção, pri­mei­ro pe­la es­co­lha da pro­vín­cia, co­mo pon­to de par­ti­da de um pro­jec­to com “tão ele­va­do sim­bo­lis­mo” pa­ra o país.

Fran­klin For­tu­na­to e Sil­va vai mais lon­ge e fa­la do pro­jec­to de ins­ta­la­ção de kits fo­to­vol­tai­cos co­mo mais uma opor­tu­ni­da­de pa­ra a ju­ven­tu­de, sen­do que a pre­sen­ça da LTP Ener­gi­as no Cu­an­za Sul po­de sig­ni­fi­car uma vi­ra­gem na vi­da de mui­tos jo­vens da re­gião que além do pri­mei­ro em­pre­go vão apren­der uma pro­fis­são.

Pon­to de vi­ra­gem

A re­pre­sen­tar o Mi­nis­té­rio da Ener­gia e Águas no Al­to Chin­go es­te­ve o se­cre­tá­rio de Es­ta­do Jo­a­quim Ven­tu­ra, pa­ra quem o pro­jec­to de ins­ta­la­ção de kits fo­to­vol­tai­cos de au­to­con­su­mo e ilu­mi­na­ção pú­bli­ca mar­ca uma vi­ra­gem em re­la­ção às me­tas do pla­no na­ci­o­nal ener­gé­ti­co.

Nu­ma pri­mei­ra fa­se o pro­jec­to de­ve­rá abran­ger as pro­vín­ci­as do Cu­an­za Sul, Lun­da Sul e Cu­an­do Cu­ban­go. “É pri­o­ri­da­de do Exe­cu­ti­vo apos­tar ca­da vez mais em fon-

tes de ener­gia re­no­vá­veis de mo­do a pre­en­cher as la­cu­nas exis­ten­tes, re­du­zir cus­tos e for­ne­cer ener­gia de qua­li­da­de às fa­mí­li­as que ha­bi­tam em zo­nas mais recôn­di­tas.”

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do evo­ca ou­tras van­ta­gens do pro­jec­to, par­ti­cu­lar­men­te na ilu­mi­na­ção da via pú­bli­ca. “Atra­vés des­te pro­jec­to vai ser pos­sí­vel ga­ran­tir a se­gu­ran­ça pú­bli­ca nas ci­da­des, bair­ros e ru­as, uma for­ma de com­ba­ter mui­tos ma­les, co­mo a de­linquên­cia no seio da ju­ven­tu­de e não só.”

Ener­gia so­lar

An­go­la tem um ele­va­do po­ten­ci­al de re­cur­so so­lar, com uma ra­di­a­ção so­lar glo­bal em pla­no ho­ri­zon­tal anu­al mé­dia com­pre­en­di­da en­tre 1.350 e 2.070kwh/m2/ano. Es­te é o mai­or re­cur­so re­no­vá­vel do país e o mais uni­for­me­men­te dis­tri­buí­do. A tec­no­lo­gia mais ade­qua­da pa­ra apro­vei­tar o re­cur­so so­lar em An­go­la é a pro­du­ção de elec­tri­ci­da­de, atra­vés de sis­te­mas fo­to­vol­tai­cos, sen­do a tec­no­lo­gia de mais rá­pi­da ins­ta­la­ção (pra­zos in­fe­ri­o­res a um ano) e me­nor cus­to de ma­nu­ten­ção. A pri­mei­ra fá­bri­ca de equi­pa­men­tos de ener­gia so­lar foi inau­gu­ra­da em Lu­an­da há qua­tro anos. Um in­ves­ti­men­to de seis mi­lhões de dó­la­res fei­to pe­lo gru­po em­pre­sa­ri­al Opa­la. O fac­to de An­go­la ser um dos paí­ses com mai­or nú­me­ro de ho­ras de sol, mo­ti­vou a apos­ta da Gre­en Power que pas­sou a re­a­li­zar al­gu­mas ex­pe­ri­ên­ci­as-pi­lo­to nas pro­vín­ci­as do Na­mi­be e Cu­an­za Nor­te.

Elec­tri­fi­ca­ção ru­ral

A es­tra­té­gia es­ta­be­le­ceu uma me­ta pa­ra ins­ta­lar 100mw de pro­jec­tos so­la­res até 2025. O es­tu­do de pla­ne­a­men­to da elec­tri­fi­ca­ção ru­ral per­mi­tiu iden­ti­fi­car um po­ten­ci­al pa­ra in­te­grar 22mw nos es­for­ços de elec­tri­fi­ca­ção ru­ral, sen­do 10 nas al­dei­as so­la­res, 10 de for­ma com­ple­men­tar ao ga­só­leo nas se­des de mu­ni­cí­pio elec­tri­fi­ca­dos por sis­te­mas iso­la­dos e 2 no pro­jec­to 100 por cen­to so­lar do Ri­vun­go.

A ex­pan­são da re­de de ener­gia so­lar re­duz a ne­ces­si­da­de de uti­li­za­ção de ge­ra­do­res, li­ber­tan­do o com­bus­tí­vel pa­ra ou­tras uti­li­za­ções. O Go­ver­no an­go­la­no pre­ten­de, por via do pro­jec­to de elec­tri­fi­ca­ção ru­ral, du­pli­car em 10 anos a po­pu­la­ção com aces­so à elec­tri­ci­da­de no país, que ac­tu­al­men­te ron­da os 7,3 mi­lhões de pes­so­as. A ta­xa de elec­tri­fi­ca­ção do país de­ve du­pli­car em 2025, pas­san­do pa­ra 60 por cen­to da po­pu­la­ção.

É nos­sa pri­o­ri­da­de apos­tar em fon­tes de ener­gia re­no­vá­veis de mo­do a pre­en­cher as la­cu­nas exis­ten­tes, re­du­zir cus­tos e for­ne­cer ener­gia de qua­li­da­de às fa­mí­li­as no meio ru­ral

Em An­go­la já é pos­sí­vel ver a uti­li­za­ção de pai­néis so­la­res em di­ver­sas es­tra­das na­ci­o­nais o que mos­tra o po­ten­ci­al na pro­du­ção de ener­gia lim­pa

FER­NAN­DO CAMILO

A tec­no­lo­gia mais ade­qua­da pa­ra a pro­du­ção de elec­tri­ci­da­de é atra­vés de sis­te­mas fo­to­vol­tai­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.