CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LAURA AN­TÓ­NIO|Ben­fi­ca MÁ­RIO LU­CAS | GUILHERME JOÃO|

Cri­ses em Áfri­ca

É uma pe­na que o nos­so con­ti­nen­te con­ti­nue a es­tar mar­ca­do por gra­ves cri­ses po­lí­ti­cas, que nal­guns ca­sos re­sul­tam em mor­tes e des­trui­ções. Sou afri­ca­no e fi­co tris­te quan­do cons­ta­to que há paí­ses do nos­so con­ti­nen­te que não con­se­guem ter paz e es­ta­bi­li­da­de.

Não con­si­go per­ce­ber por que ra­zão os po­lí­ti­cos afri­ca­nos não con­se­guem su­pe­rar as su­as di­ver­gên­ci­as pa­ra evi­tar si­tu­a­ções que ge­ram pro­ble­mas mui­to gra­ves pa­ra os po­vos afri­ca­nos. Pen­so que os po­lí­ti­cos afri­ca­nos de­vi­am co­lo­car os in­te­res­ses dos po­vos afri­ca­nos aci­ma dos seus in­te­res­ses par­ti­dá­ri­os ou in­di­vi­du­ais.

Os po­vos de Áfri­ca já so­fre­ram mui­to com o sis­te­ma co­lo­ni­al. Por que ra­zão os po­lí­ti­cos afri­ca­nos, con­quis­ta­das as in­de­pen­dên­ci­as, não tra­ba­lham ex­clu­si­va­men­te pa­ra a pro­mo­ção do bem-es­tar do con­ti­nen­te, que até tem imen­sos re­cur­sos na­tu­rais? Se­rá que os po­vos afri­ca­nos es­tão des­ti­na­dos a so­frer per­ma­nen­te­men­te, mes­mo de­pois de te­rem al­can­ça­do as su­as in­de­pen­dên­ci­as? As cons­ti­tui­ções dos paí­ses afri­ca­nos con­sa­gram re­gi­mes de­mo­crá­ti­cos, com vá­ri­os par­ti­dos a con­cor­re­rem pa­ra a con­quis­ta ou ma­nu­ten­ção do po­der. Mas o que acon­te­ce é que vá­ri­os po­lí­ti­cos de Áfri­ca, no po­der, não que­rem res­pei­tar as leis fun­da­men­tais dos seus paí­ses, pro­vo­can­do si­tu­a­ções de ins­ta­bi­li­da­de. Ou qu­e­re­mos a de­mo­cra­cia ou não qu­e­re­mos a de­mo­cra­cia. Não po­de­mos es­tar a fin­gir que so­mos de­mo­cra­tas. A de­mo­cra­cia não po­de fi­car só no pa­pel. De­ve ser pra­ti­ca­da. Os po­lí­ti­cos afri­ca­nos, em par­ti­cu­lar os que es­tão no po­der, têm de res­pei­tar es­cru­pu­lo­sa­men­te as cons­ti­tui­ções e as leis dos seus paí­ses, pa­ra evi­ta­rem con­fli­tos, que cau­sam mui­to so­fri­men­to aos po­vos do con­ti­nen­te e atra­sam o seu de­sen­vol­vi­men­to.

Jo­a­quim Chis­sa­no, an­ti­go Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que, aler­tou por exem­plo pa­ra a fal­ta de cul­tu­ra de­mo­crá­ti­ca nas eli­tes po­lí­ti­cas mo­çam­bi­ca­nas. Não se tra­ta ape­nas de um pro­ble­ma de Mo­çam­bi­que. Eli­tes de ou­tros paí­ses afri­ca­nos têm o pro­ble­ma de não pre­ten­de­rem as­su­mir as op­ções fei­tas por re­gi­mes de­mo­crá­ti­cos, por­que, em de­ter­mi­na­do mo­men­to, es­sas op­ções não vão ao en­con­tro dos seus in­te­res­ses pes­so­ais.

Re­co­lha do li­xo

Ago­ra que es­tá a cho­ver em Lu­an­da, on­de se pro­duz mui­to li­xo, é po­si­ti­vo que as ope­ra­do­ras de lim­pe­za es­te­jam a ace­le­rar a re­co­lha dos re­sí­du­os só­li­dos. É in­ques­ti­o­ná­vel que a re­co­lha do li­xo na nos­sa ci­da­de ca­pi­tal es­tá a me­lho­rar con­si­de­ra­vel­men­te. As ope­ra­do­ras de lim­pe­za es­tão a re­co­lher o li­xo em to­da a pro­vín­cia com efi­ci­ên­cia.

En­quan­to ha­bi­tan­te da ci­da­de de Lu­an­da, que mui­to amo, e on­de vi­vo há mais de cin­quen­ta anos, es­tou a gos­tar do fac­to de se es­ta­rem a lim­par as va­las de dre­na­gem, on­de in­fe­liz­men­te mui­tos ci­da­dãos de­po­si­tam li­xo. Qu­e­ro ape­lar nes­te es­pa­ço aos meus com­pa­tri­o­tas pa­ra não de­po­si­ta­rem li­xo nas va­las de dre­na­gem. O li­xo de­po­si­ta­do nes­sas va­las po­de cau­sar mui­tos pro­ble­mas pa­ra as pes­so­as, em tem­po de chu­vas. Se não de­po­si­tar­mos li­xo nas va­las de dre­na­gem, is­so vai con­tri­buir pa­ra uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da.

Fis­ca­li­za­ção de obras

O ano de 2016 vai ter­mi­nar e gos­ta­va que em 2017 hou­ves­se mai­or aten­ção no que diz res­pei­to à fis­ca­li­za­ção de obras, de que é do­no o Es­ta­do. Te­mos de co­me­çar a fa­zer com que as obras te­nham qua­li­da­de. Que as nos­sas ins­ti­tui­ções vo­ca­ci­o­na­das pa­ra a fis­ca­li­za­ção de obras se­jam re­al­men­te apoi­a­das pa­ra que cum­pram o seu pa­pel.

O Es­ta­do não de­ve con­ti­nu­ar a gas­tar di­nhei­ro com obras que du­ram mui­to pou­co tem­po. De­ve ha­ver co­ra­gem pa­ra se fis­ca­li­zar de fac­to as obras que são fei­tas. As em­pre­sas fis­ca­li­za­do­ras de­vem im­pe­dir que as em­prei­tei­ras fa­çam um mau tra­ba­lho. Pen­so que de­ve ha­ver cui­da­do na con­tra­ta­ção das em­prei­tei­ras. O Es­ta­do de­ve con­tra­tar as me­lho­res em­prei­tei­ras, pa­ra não es­tar­mos sem­pre a gas­tar di­nhei­ro com cons­tan­tes re­a­bi­li­ta­ções.

ARMANDO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.