To­dos pa­ra a es­co­la

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Co­me­mo­rou-se on­tem o Dia do Edu­ca­dor, data que é em An­go­la as­si­na­la­da com re­fle­xões so­bre o es­ta­do do nos­so en­si­no. O Dia do Edu­ca­dor cons­ti­tui uma oca­sião pa­ra se re­flec­tir so­bre o pa­pel, não só do pro­fes­sor, mas de to­dos os que con­cor­rem pa­ra o pro­ces­so de trans­mis­são de co­nhe­ci­men­tos aos es­tu­dan­tes.

Quan­do se co­me­mo­ra o Dia do Edu­ca­dor, pen­sa-se so­bre­tu­do no pro­fes­sor, co­mo se es­te fos­se o úni­co res­pon­sá­vel pe­la edu­ca­ção das cri­an­ças e dos jo­vens es­tu­dan­tes, es­que­cen­do-se que as fa­mí­li­as têm tam­bém um pa­pel im­por­tan­te a de­sem­pe­nhar nes­se pro­ces­so.

A edu­ca­ção não de­ve ser vis­ta ape­nas co­mo um as­sun­to que diz ex­clu­si­va­men­te res­pei­to às es­co­las e aos pro­fes­so­res. As fa­mí­li­as têm de es­tar mais en­vol­vi­das nos pro­ble­mas que exis­tem ao ní­vel do nos­so en­si­no, no in­te­res­se, não só dos seus edu­can­dos, mas de to­da a sociedade. De­ve ha­ver mai­or in­te­res­se dos en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção na vi­da es­co­lar dos seus edu­can­dos. Que não se pen­se que os pro­fes­so­res têm a fór­mu­la pa­ra a re­so­lu­ção de to­dos os pro­ble­mas do nos­so en­si­no. O en­vol­vi­men­to da co­mu­ni­da­de na pro­cu­ra de so­lu­ções dos pro­ble­mas do nos­so en­si­no é uma mais­va­lia, de­ven­do-se cri­ar me­ca­nis­mos de co­la­bo­ra­ção per­ma­nen­te en­tre pro­fes­so­res e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção. As fa­mí­li­as não se de­vem des­li­gar das es­co­las. As fa­mí­li­as de­vem ser tam­bém par­te da so­lu­ção dos pro­ble­mas do nos­so en­si­no. Os pro­fes­so­res e as di­rec­ções das es­co­las pre­ci­sam tam­bém das con­tri­bui­ções dos en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção, até pa­ra sa­be­rem co­mo o seu tra­ba­lho es­tá a ser ava­li­a­do pe­las fa­mí­li­as.

As au­to­ri­da­des sem­pre pres­ta­ram mui­ta aten­ção à Edu­ca­ção des­de a con­quis­ta da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal. À data da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, An­go­la ti­nha um ín­di­ce ele­va­do de anal­fa­be­tis­mo. Foi fei­to ao lon­go de vá­ri­os anos um gran­de es­for­ço pa­ra se com­ba­ter a ig­no­rân­cia, na pers­pec­ti­va de mui­tos an­go­la­nos po­de­rem par­ti­ci­par no pro­ces­so de cons­tru­ção no país de uma sociedade de pro­gres­so.

Mui­tos an­go­la­nos que em 1975 eram anal­fa­be­tos con­cluí­ram cur­sos mé­di­os e su­pe­ri­o­res e es­tão mui­tos de­les a pres­tar ho­je em di­fe­ren­tes áre­as a sua con­tri­bui­ção ao de­sen­vol­vi­men­to de An­go­la. Va­le­ram a pe­na os pro­gra­mas de al­fa­be­ti­za­ção de adul­tos, e im­por­ta que se con­ti­nue a va­lo­ri­zar o tra­ba­lho dos al­fa­be­ti­za­do­res que em to­do o país não se can­sam de en­si­nar a ler e a es­cre­ver mi­lha­res de an­go­la­nos.

Uma ho­me­na­gem de­ve ser pres­ta­da a to­dos os nos­sos com­pa­tri­o­tas al­fa­be­ti­za­do­res que, mes­mo em con­di­ções di­fí­ceis, não de­sis­tem de trans­mi­tir co­nhe­ci­men­tos a an­go­la­nos que que­rem apren­der a ler e a es­cre­ver e con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país. Os al­fa­be­ti­za­do­res de­vem ser tra­ta­dos com mui­to ca­ri­nho, pois eles ti­ra­ram da ig­no­rân­cia e do obs­cu­ran­tis­mo um nú­me­ro ele­va­do de an­go­la­nos, mui­tos de­les jo­vens, que es­tão ho­je, de­pois de al­fa­be­ti­za­dos, a exer­cer al­gu­ma pro­fis­são.

O ide­al é que não ha­ja mais adul­tos anal­fa­be­tos. As cri­an­ças em ida­de es­co­lar de­vem ir pa­ra a es­co­la. As fa­mí­li­as de­vem fa­zer com que ne­nhu­ma cri­an­ça fi­que sem es­tu­dar. No nos­so país o en­si­no pri­má­rio é gra­tui­to nas es­co­las pú­bli­cas. As cri­an­ças têm di­rei­to à es­co­la. O lu­gar da cri­an­ça em ida­de es­co­lar é num es­ta­be­le­ci­men­to de en­si­no.

Não é cor­rec­to que uma cri­an­ça se­ja de­li­be­ra­da­men­te co­lo­ca­da fo­ra do sis­te­ma de en­si­no pe­los seus pró­pri­os fa­mi­li­a­res, por­que que­rem uti­li­zá-la pa­ra tra­ba­lhos ca­sei­ros ou pa­ra ven­da de pro­du­tos di­ver­sos no mer­ca­do. É pre­ci­so que se co­nhe­ça es­te ti­po de si­tu­a­ções. O Es­ta­do cri­ou es­co­las em nú­me­ro ele­va­do pa­ra que ne­nhu­ma cri­an­ça fi­que sem es­tu­dar. Cri­ou tam­bém me­ca­nis­mos pa­ra que o pro­ces­so de re­gis­to de nas­ci­men­to se­ja cé­le­re, a fim de que as cri­an­ças pos­sam ob­ter cé­du­las pes­so­ais, com vis­ta a fa­ze­rem as su­as ma­trí­cu­las.Tu­do tem si­do fei­to pe­las au­to­ri­da­des pa­ra que ne­nhum an­go­la­no che­gue à ida­de adul­ta sem sa­ber ler e es­cre­ver.

Co­me­mo­rou-se on­tem o Dia do Edu­ca­dor, no mês da nos­sa In­de­pen­dên­cia, e va­le a pe­na que se fa­çam tam­bém re­fle­xões so­bre o fe­nó­me­no das cri­an­ças que es­tão fo­ra do sis­te­ma de en­si­no. O Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça e o Mi­nis­té­rio da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher de­vem tra­ba­lhar con­jun­ta­men­te pa­ra que se iden­ti­fi­quem os ca­sos de cri­an­ças fo­ra do sis­te­ma de en­si­no pa­ra se to­ma­rem as me­di­das ade­qua­das, no in­te­res­se dos me­no­res. Pe­la de­fe­sa dos in­te­res­ses das cri­an­ças tu­do de­ve ser fei­to.

Não de­ve­mos fi­car des­can­sa­dos en­quan­to hou­ver ain­da uma úni­ca cri­an­ça em ida­de es­co­lar fo­ra do sis­te­ma de en­si­no. É obri­ga­ção da sociedade aju­dar o Es­ta­do a re­sol­ver es­te pro­ble­ma de cri­an­ças sem es­co­la, em vir­tu­de ou da inér­cia dos en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção ou da von­ta­de des­tes de man­tê-las pro­po­si­ta­da­men­te fo­ra do sis­te­ma de en­si­no.

As fa­mí­li­as têm um pa­pel im­por­tan­te a de­sem­pe­nhar na lu­ta con­tra a ig­no­rân­cia. Le­var as cri­an­ças à es­co­la é um de­ver das fa­mí­li­as que têm a obri­ga­ção de con­tri­buir pa­ra a sua edu­ca­ção. No pró­xi­mo ano lec­ti­vo ne­nhu­ma cri­an­ça em ida­de es­co­lar de­ve fi­car em ca­sa. To­das as cri­an­ças pa­ra a es­co­la, pa­ra o pro­gres­so do nos­so país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.