Ja­pão pre­pa­ra res­pos­ta efi­caz a tsu­na­mi com mais de 30 me­tros

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

MAR­TA O. CRAVIOTTO |

O Ja­pão es­pe­ra ser atin­gi­do nas pró­xi­mas dé­ca­das por um gran­de tsu­na­mi de mais de 30 me­tros de al­tu­ra no sul do país. Ago­ra, com a memória ain­da mui­to re­cen­te do de­sas­tre de Fu­kushi­ma, o país cor­re con­tra o tem­po pa­ra er­guer torres e ro­tas de eva­cu­a­ção, mu­ros de con­ten­ção e abri­gos.

A me­nos de um qui­ló­me­tro do li­to­ral de Nan­ko­ku, na Pre­fei­tu­ra de Ko­chi (su­des­te), es­tá uma das 90 torres de eva­cu­a­ção já con­cluí­das na re­gião. Cer­ca­da por uma cáp­su­la flu­tu­an­te pa­ra re­sis­tir a tsu­na­mis, a cons­tru­ção de apro­xi­ma­da­men­te 20 me­tros es­tá pro­jec­ta­da pa­ra abri­gar 362 pes­so­as nos seus dois an­da­res, nú­me­ro que in­clui os mo­ra­do­res e as cri­an­ças que fre­quen­tam as es­co­las da área. “Um lo­cal de eva­cu­a­ção é mui­to ne­ces­sá­rio nes­ta área, por­que não há mon­ta­nhas, lu­ga­res ele­va­dos ou edi­fí­ci­os nos quais os mo­ra­do­res se pos­sam pro­te­ger”, ex­pli­cou Ma­na­bu No­mu­ra, res­pon­sá­vel pe­la De­fe­sa Ci­vil da pro­vín­cia de Nan­ko­ku. “Não olhe pa­ra trás, ape­nas adi­an­te!”,diz um dos car­ta­zes de­se­nha­dos pe­las cri­an­ças de Nan­ko­ku, que en­fei­tam as paredes cin­zen­tas de con­cre­to da es­tru­tu­ra que cus­tou mais de meio mi­lhão de eu­ros.

Um si­no, pa­ra aler­tar a po­pu­la­ção so­bre o ris­co que se apro­xi­ma, fi­ca no topo da edi­fi­ca­ção. Ao la­do, um ar­ma­zém com co­ber­to­res, fral­das, lei­te em pó pa­ra be­bés, água e co­mi­da. De­bai­xo da tor­re, há ali­cer­ces de 14,5 me­tros -o equi­va­len­te a um edi­fí­cio de 5 an­da­res pa­ra su­por­tar a es­tru­tu­ra. No en­tan­to, em al­gu­mas de­las, es­tes che­gam a al­can­çar 39 me­tros de pro­fun­di­da­de, já que o ob­jec­ti­vo é man­ter a es­tru­tu­ra es­tá­vel fren­te ao po­der des­tru­ti­vo da on­du­la­ção gi­gan­tes­ca. Após o ter­ra­mo­to de mag­ni­tu­de 9 que sa­cu­diu a cos­ta nor­des­te do Ja­pão em 2011 e que ge­rou um tsu­na­mi com on­das de mais de 15 me­tros, o go­ver­no ja­po­nês re­viu as su­as es­ti­ma­ti­vas e anun­ci­ou os da­nos pre­vis­tos que ge­ra­ria um ter­ra­mo­to na fos­sa de Nan­kai, no les­te, um dos pon­tos com mai­or ac­ti­vi­da­de sís­mi­ca no mun­do. Se­gun­do es­te es­tu­do, há 70 por cen­to de pos­si­bi­li­da­des de um ter­ra­mo­to de mag­ni­tu­des en­tre 8 e 9 na es­ca­la de Ri­ch­ter ori­gi­nar-se na fos­sa de Nan­kai nos pró­xi­mos 30 anos. O nú­me­ro de mor­tos che­ga­ria a 323 mil, mais de 2 mi­lhões de imó­veis fi­ca­ri­am com­ple­ta­men­te des­truí­dos e as per­das eco­nó­mi­cas re­pre­sen­ta­ri­am mais do que o do­bro do or­ça­men­to na­ci­o­nal anu­al.

A pro­vín­cia de Ko­chi (720 mil ha­bi­tan­tes), uma das áre­as que se­ri­am mais afec­ta­das se­gun­do as pre­vi­sões, trans­for­mou-se nu­ma re­fe­rên­cia nes­ta lu­ta con­tra a na­tu­re­za, e ini­ci­ou me­di­das pa­ra as quais des­ti­na ac­tu­al­men­te 10 por cen­to do seu or­ça­men­to anu­al.

“O que faz a di­fe­ren­ça é se vo­cê es­tá ou não pre­pa­ra­do pa­ra o de­sas­tre”, afir­mou Ma­sa­nao Oza­ki, go­ver­na­dor de Ko­chi. O go­ver­no re­gi­o­nal in­ves­te anu­al­men­te mais de 44 tri­liões de ie­nes (377 mi­lhões de eu­ros) em me­di­das de pre­pa­ra­ção e cons­ci­en­ci­a­li­za­ção de ter­ra­mo­tos e tsu­na­mis, o do­bro do que gas­ta­va an­tes do gran­de ter­ra­mo­to de 2011. Mais de 30 mu­ni­cí­pi­os da pro­vín­cia tra­ba­lham na cons­tru­ção de torres de eva­cu­a­ção, pa­ra as áre­as mais ex­pos­tas do li­to­ral, e ro­tas de eva­cu­a­ção, nas áre­as mais pró­xi­mas das mon­ta­nhas, à es­pe­ra de on­das que po­de­ri­am che­gar a 34 me­tros. Uma das mai­o­res pre­o­cu­pa­ções das au­to­ri­da­des é a fal­ta de co­nhe­ci­men­to dos mo­ra­do­res di­an­te do pe­ri­go que re­pre­sen­ta um de­sas­tre des­sas ca­rac­te­rís­ti­cas.

No ca­so do ter­ra­mo­to e tsu­na­mi de 2011, que cau­sa­ram cer­ca de 20 mil mor­tes e dei­xa­ram 470 mil pes­so­as des­lo­ca­das no nor­des­te do Ja­pão, mui­tas das ví­ti­mas não aban­do­na­ram os seus lu­ga­res por­que não acre­di­ta­vam que es­ta­vam em pe­ri­go, ex­pli­cou No­mu­ra.

Já que a cons­cen­ci­a­li­za­ção é fun­da­men­tal, o mu­ni­cí­pio de Ku­roshio aco­lhe­rá no fi­nal des­te mês um en­con­tro com mais de 350 es­tu­dan­tes de 30 paí­ses, pa­ra in­for­mar as fu­tu­ras ge­ra­ções so­bre co­mo mi­ni­mi­zar o im­pac­to dos da­nos cau­sa­dos por tsu­na­mis. O ar­qui­pé­la­go do Ja­pão fi­ca so­bre o cha­ma­do Cír­cu­lo de Fo­go do Pa­cí­fi­co, uma das re­giões sís­mi­cas mais ac­ti­vas do mun­do, e so­fre ter­ra­mo­tos com re­la­ti­va frequên­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.