Go­ver­no pe­de uni­da­de pa­ra o fim do con­fli­to

Jornal de Angola - - MUNDO -

O che­fe da de­le­ga­ção de paz do Go­ver­no co­lom­bi­a­no, Hum­ber­to de la Cal­le, pe­diu a uni­da­de dos co­lom­bi­a­nos em tor­no do no­vo acor­do de paz com as FARC, de­pois do fra­cas­so das ne­go­ci­a­ções pa­ra a bus­ca de con­sen­so so­bre o pac­to com os lí­de­res do “não” que ven­ce­ram o re­fe­ren­do de 2 de Ou­tu­bro.

“Che­gou a ho­ra de avan­çar. Che­gou a ho­ra de nos unir­mos ao re­dor des­te no­vo acor­do, des­te acor­do me­lho­ra­do e ajus­ta­do, pa­ra im­ple­men­tá-lo, pro­te­ger o que foi al­can­ça­do e avan­çar ru­mo à con­so­li­da­ção do fim do con­fli­to e à cons­tru­ção da paz”, afir­mou De la Cal­le.

Os ne­go­ci­a­do­res de paz do Go­ver­no reu­ni­ram se­gun­da-fei­ra à noi­te em Bo­go­tá du­ran­te seis ho­ras com os lí­de­res do “não”, en­ca­be­ça­dos pe­lo ex-Pre­si­den­te Ál­va­ro Uri­be, e re­pre­sen­tan­tes de ví­ti­mas pa­ra ex­pli­car “to­dos os de­ta­lhes des­te no­vo acor­do”, al­can­ça­do em 12 de No­vem­bro em Ha­va­na, mas nes­se en­con­tro per­sis­ti­ram as di­fe­ren­ças.

“O país e os co­lom­bi­a­nos não po­dem con­ti­nu­ar a vi­ver na in­cer­te­za”, afir­mou De la Cal­le nu­ma de­cla­ra­ção di­vul­ga­da pe­lo Go­ver­no.

O di­ri­gen­te re­cor­dou que, des­de que fo­ram pu­bli­ca­dos os re­sul­ta­dos do re­fe­ren­do na Colôm­bia, o Pre­si­den­te Ju­an Ma­nu­el San­tos ins­truiu a sua equi­pa ne­go­ci­a­do­ra de paz pa­ra ini­ci­ar, ur­gen­te­men­te, um diá­lo­go com os prin­ci­pais pro­mo­to­res do “não” a fim de es­cu­tar as in­qui­e­ta­ções e re­ce­ber as su­as pro­pos­tas pa­ra me­lho­rar o acor­do com as FARC, as­si­na­do em 26 de Se­tem­bro em Car­ta­ge­na das Ín­di­as.

Uma vez com­ple­ta­da es­sa fa­se, fo­ram le­va­das as pro­pos­tas à de­le­ga­ção das FARC em Ha­va­na e as­sim foi al­can­ça­do o no­vo acor­do que os lí­de­res do “não” ain­da não acei­tam co­mo de­fi­ni­ti­vo por­que não es­tão sa­tis­fei­tos com tu­do o que foi mo­di­fi­ca­do.

De la Cal­le re­al­çou a ne­ces­si­da­de de im­ple­men­tar o mais rá­pi­do pos­sí­vel o acor­do de paz pa­ra im­pe­dir no­vos fac­tos de vi­o­lên­cia que po­nham em ris­co to­do o pro­ces­so.

“Ao lon­go des­ta se­ma­na, fi­cou evi­den­te a fra­gi­li­da­de do ces­sar-fo­go, com o pri­mei­ro in­ci­den­te ocor­ri­do no sul da re­gião de Bo­lí­var no qual per­de­ram a vi­da dois in­te­gran­tes das for­ças guer­ri­lhei­ras das FARC”, afir­mou.

O re­pre­sen­tan­te ci­tou, além dis­so, o as­sas­si­na­to de vá­ri­os lí­de­res co­mu­ni­tá­ri­os e de­fen­so­res de di­rei­tos hu­ma­nos no sul do país, pe­lo qual con­cluiu que “a si­tu­a­ção de vi­o­lên­cia se agra­vou.”

“Is­to de­mons­tra a ur­gên­cia de im­ple­men­tar o mais rá­pi­do pos­sí­vel o acor­do de paz”, afir­mou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.