Po­lí­cia pre­vi­ne cri­mi­na­li­da­de vi­o­len­ta

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A Po­lí­cia Na­ci­o­nal es­tá mais re­for­ça­da e em me­lho­res con­di­ções pa­ra pre­ve­nir e com­ba­ter a cri­mi­na­li­da­de vi­o­len­ta e de­vol­ver o sen­ti­men­to de se­gu­ran­ça à po­pu­la­ção, ga­ran­tiu on­tem, em Lu­an­da, o di­rec­tor na­ci­o­nal da Or­dem Pú­bli­ca, comissário-che­fe Má­rio San­tos.

Ao in­ter­vir na ce­ri­mó­nia de en­cer­ra­men­to dos cur­sos de co­man­dan­te de pe­que­nas uni­da­des e no de ofi­ci­ais de dis­tin­ção es­pe­ci­al, que de­cor­re­ram en­tre 9 de Agos­to e 21 de No­vem­bro, na Uni­da­de Del­ta da PIR, no Ki­ku­xi, em Lu­an­da, Má­rio San­tos dis­se que a ne­ces­si­da­de de re­for­çar-se as con­di­ções de se­gu­ran­ça da po­pu­la­ção, dos bens pú­bli­cos e pri­va­dos tem le­va­do a al­ta hi­e­rar­quia do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or a de­li­ne­ar es­tra­té­gi­as no âm­bi­to da for­ma­ção, vi­san­do do­tar os efec­ti­vos de co­nhe­ci­men­tos em vá­ri­as ma­té­ri­as que con­cor­rem pa­ra a se­gu­ran­ça e or­dem pú­bli­ca.

As ma­té­ri­as, dis­se, es­tão re­la­ci­o­na­das com co­man­do, di­rec­ção, téc­ni­ca e tác­ti­ca mo­der­nas de aper­fei­ço­a­men­to dos mo­de­los de in­ter­ven­ção em si­tu­a­ções de al­to ris­co, com vis­ta a en­fren­tar, com pers­pi­cá­cia e pre­ci­são, os pro­mo­to­res de cri­mes e neu­tra­li­zá-los em quais­quer cir­cuns­tân­ci­as ou ce­ná­ri­os.

Mo­der­ni­za­ção

O comissário-che­fe Má­rio San­tos ex­pli­cou que a cri­se eco­nó­mi­ca que o país vi­ve afec­tou o pro­gra­ma de mo­der­ni­za­ção e de­sen­vol­vi­men­to da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, acres­cen­tan­do que exis­tem es­for­ços pa­ra me­lho­rar as ins­ta­la­ções po­li­ci­ais e o seu ape­tre­cha­men­to em ter­mos de mei­os de aco­mo­da­ção e tec­no-ope­ra­ci­o­nais. Pa­ra Má­rio San­tos, a Po­lí­cia de In­ter­ven­ção Rá­pi­da tem cum­pri­do com ze­lo e de­di­ca­ção to­das as mis­sões in­cum­bi­das su­pe­ri­or­men­te e es­tá pre­pa­ra­da pa­ra tra­ba­lhar com ou­tras for­ças no re­for­ço da se­gu­ran­ça on­de ela exi­gir.

“Nes­te mo­men­to em que al­guns ci­da­dãos e or­ga­ni­za­ções da sociedade re­cor­rem a prá­ti­cas de ac­tos de ar­ru­a­ças e sub­ver­são da or­dem pú­bli­ca, a pre­tex­to de ma­ni­fes­ta­rem des­con­ten­ta­men­to so­bre o mo­men­to em que o país atra­ves­sa, vi­o­lan­do as nor­mas e pro­ce­di­men­tos le­gais, a Po­lí­cia Na­ci­o­nal, em par­ti­cu­lar a sua for­ça es­pe­ci­al, é cha­ma­da a in­ter­vir pa­ra a ma­nu­ten­ção e res­ta­be­le­ci­men­to da or­dem e tran­qui­li­da­de pú­bli­cas”, fri­sou.

O comissário-che­fe Má­rio San­tos enal­te­ceu o es­for­ço dos for­ma­do­res cu­ba­nos pe­la for­ma co­mo têm trans­mi­ti­do os co­nhe­ci­men­tos e su­bli­nhou os la­ços de ami­za­de e de co­o­pe­ra­ção que ca­rac­te­ri­zam a boa re­la­ção exis­ten­te en­tre os mi­nis­té­ri­os do In­te­ri­or de An­go­la e de Cu­ba.

A ac­ção de for­ma­ção te­ve a par­ti­ci­pa­ção de 68 efec­ti­vos na es­pe­ci­a­li­da­de de co­man­dan­te de pe­que­nas uni­da­des e 44 no cur­so de ofi­ci­ais de dis­tin­ção es­pe­ci­al.

Os for­man­dos ad­qui­ri­ram co­nhe­ci­men­tos em ma­té­ri­as re­la­ci­o­na­das com pre­pa­ra­ção fí­si­ca, or­dem uni­da, con­ti­nên­ci­as e hon­ras mi­li­ta­res, man­do, psi­co­pe­da­go­gia, dis­po­si­ção com­ba­ti­va, tác­ti­ca de dis­tin­ção, equi­pa­men­to, ar­ma­men­to e ti­ro e cri­mi­na­lís­ti­ca.

O cur­so per­mi­tiu ele­var os ní­veis de co­nhe­ci­men­to em ma­té­ri­as so­bre di­rec­ção e co­man­do de for­ças, bem co­mo na uni­for­mi­za­ção dos pro­ce­di­men­tos téc­ni­cos e tác­ti­cos em to­dos os ní­veis, ele­van­do a qua­li­da­de dos ser­vi­ços po­li­ci­ais e da pron­ti­dão com­ba­ti­va, se­gun­do o di­rec­tor do cur­so, ins­pec­tor Sér­gio Fi­guei­re­do.

Jo­a­quim Pe­dro, An­dré Chi­com­ba, Fran­cis­co Tó­mas, Adri­a­no Pe­dro, Adol­fo Pe­dro, Jú­lia da Sil­va, Ana­to­nel Ro­sá­rio, Vla­de­mir Cas­tro, Tó­mas Caí­lo e Isa­li­no Do­mi­gos re­ce­be­ram de for­ma sim­bó­li­ca os cer­ti­fi­ca­do­res de par­ti­ci­pa­ção no cur­so.

O su­bins­pec­tor Ma­teus Cris­tó­vão, do Co­man­do da Po­lí­cia de In­ter­ven­ção Rá­pi­da em Malanje, dis­se que o cur­so re­pre­sen­ta uma mais-va­lia pa­ra a sua car­rei­ra e pro­me­teu co­lo­car em prá­ti­ca to­dos os co­nhe­ci­men­tos ad­qui­ri­dos. Val­de­mir Sil­va, da Po­lí­cia de In­ter­ven­ção Rá­pi­da em Lu­an­da, fri­sou que o cur­so vai con­tri­buir pa­ra a ele­va­ção dos ní­veis de pron­ti­dão com­ba­ti­va dos efec­ti­vos, uma vez que os co­nhe­ci­men­tos ad­qui­ri­dos vão per­mi­tir tra­ba­lhar com mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de na se­gu­ran­ça dos ci­da­dãos.

Pa­ra o pro­fes­sor An­dré Do­min­gos, agen­te da Po­lí­cia de In­ter­ven­ção Rá­pi­da, os co­nhe­ci­men­tos trans­mi­ti­dos aos alu­nos vão per­mi­tir que es­te­jam me­lhor pre­pa­ra­dos pa­ra en­fren­ta­rem os de­sa­fi­os do pre­sen­te e do fu­tu­ro co­mo é o ca­so das fu­tu­ras elei­ções.

Es­ti­ve­ram pre­sen­tes no en­cer­ra­men­to o co­man­dan­te da Po­lí­cia de In­ter­ven­ção Rá­pi­da, comissário Al­fre­do Quin­ti­no “Ni­lo”, o co­man­dan­te da Po­lí­cia de Guar­da Fron­tei­ra, comissário-che­fe An­tó­nio Pe­dro Kan­de­la, o re­pre­sen­tan­te da mis­são cu­ba­na em An­go­la, Jor­ge Mar­ra, e mem­bros do Con­se­lho Con­sul­ti­vo da Po­lí­cia de In­ter­ven­ção Rá­pi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.