“Trei­nar na Ci­da­de­la era um gran­de mo­ti­vo pa­ra es­tar na Se­lec­ção”

SE­CRE­TÁ­RIA DE ES­TA­DO ANA PAU­LA SACRAMENTO Go­ver­nan­te par­ti­ci­pou na pri­mei­ra con­quis­ta afri­ca­na em an­de­bol

Jornal de Angola - - DESPORTO - TE­RE­SA LUÍS|

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do dos Des­por­tos, Ana Pau­la Sacramento, in­te­grou a Se­lec­ção Na­ci­o­nal sé­ni­or fe­mi­ni­na de an­de­bol que con­quis­tou o pri­mei­ro tí­tu­lo afri­ca­no na ci­da­de de Ar­gel, em 1989. For­ma­da em Quí­mi­ca e Fí­si­ca pe­la Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to, Ana Sacramento, en­quan­to atle­ta da mo­da­li­da­de mais ti­tu­la­da do país, pas­sou pe­las equi­pas do Ne­ves Ben­di­nha e do Pe­tro de Lu­an­da, em­bo­ra te­nha re­for­ça­do ao lon­go da car­rei­ra des­por­ti­va ou­tras equi­pas. A go­ver­nan­te, em en­tre­vis­ta con­ce­di­da ao Jor­nal de An­go­la, con­ta as pe­ri­pé­ci­as que en­vol­ve­ram a con­quis­ta do tro­féu con­ti­nen­tal e as ex­pec­ta­ti­vas em re­la­ção à dis­pu­ta do Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções (CAN) em Lu­an­da.

Jor­nal de An­go­la - Quan­do co­me­çou a pra­ti­car des­por­to?

Ana Sacramento

- Co­me­cei na es­co­la. Os atle­tas des­pon­ta­vam nas au­las de Edu­ca­ção Fí­si­ca. Pra­ti­quei vo­lei­bol, bas­que­te­bol e an­de­bol. Fa­zía­mos de tu­do e de­pois, com o con­se­lho do pro­fes­sor, o alu­no es­co­lhia a mo­da­li­da­de pa­ra a qual ti­nha mais in­cli­na­ção. O gros­so da equi­pa da mi­nha es­co­la es­co­lheu an­de­bol. Por is­so, tam­bém op­tei por es­ta mo­da­li­da­de.

-

Jor­nal de An­go­la Quais fo­ram os clu­bes on­de jo­gou?

Ana Sacramento

- En­quan­to jo­ga­va na es­co­la tam­bém com­pe­tia no Ne­ves Ben­di­nha. In­fe­liz­men­te, em 1979, foi ex­tin­to e nós fi­ca­mos sem clu­be. Mas o Pe­tro de Lu­an­da não ti­nha equi­pa fe­mi­ni­na. An­dré Ban­dei­ra foi o pri­mei­ro trei­na­dor e fi­ze­mos a épo­ca com oi­to atle­tas. Em 1981, re­for­cei a Edu­ca­ção de Ben­gue­la, a se­guir de Lu­an­da e do Na­mi­be. O Pe­tro de Lu­an­da e Fer­ro­via eram os ri­vais da épo­ca.

Jor­nal de An­go­la - Quan­do co­me­çou a com­pe­tir em pro­vas in­ter­na­ci­o­nais?

Ana Sacramento

- Ini­ci­al­men­te, a ní­vel da Ta­ça dos Clu­bes Cam­peões com o Pe­tro de Lu­an­da e o Fer­ro­viá­rio. Com os tí­tu­los al­can­ça­dos em 1987 e 88, ad­qui­ri­mos ex­pe­ri­ên­cia. O pro­ces­so de re­ju­ve­nes­ci­men­to não acon­te­cia e ser­viu pa­ra ga­nhar ex­pe­ri­en­cia de co­lec­ti­vis­mo, as­so­ci­a­ti­vis­mo e pa­tri­o­tis­mo.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo foi a con­quis­ta do pri­mei­ro tí­tu­lo afri­ca­no?

Ana Sacramento

- Pa­ra jo­gar o Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no, dis­pu­tá­va­mos eli­mi­na­tó­ri­as. Em­bo­ra pi­o­nei­ras na mo­da­li­da­de, jo­gá­mos a pri­mei­ra mão em Lu­an­da com uma equi­pa dos Ca­ma­rões e na pri­mei­ra par­te per­de­mos por 1-19. Na se­gun­da par­te, só mar­cá­mos dois go­los. Era uma di­fe­ren­ça abis­mal. De­mo­rá­mos dez anos até con­se­guir con­quis­tar o tí­tu­lo. Foi pos­sí­vel por cau­sa da ex­pe­ri­ên­cia ad­qui­ri­da na Ta­ça dos Clu­bes Cam­peões, on­de o Pe­tro de Lu­an­da e o Fer­ro­viá­rio já ti­nham bri­lha­do no pó­dio. Os triun­fos a ní­vel de clu­bes gal­va­ni­za­ram-nos e per­mi­tiu que con­ti­nuás­se­mos jun­tas. Com es­pí­ri­to de pa­tri­o­tis­mo e de mis­são, ven­ce­mos o CAN em 1989.

Jor­nal de An­go­la - Quais fo­ram as di­fi­cul­da­des na épo­ca?

Ana Sacramento

- Foi di­fí­cil che­gar à eli­te do an­de­bol afri­ca­no. Ti­ve­mos uma ca­mi­nha­da lon­ga. O nos­so uni­for­me não era igual ao das ou­tras. O Fer­ro­via, 1º de Agos­to e Pe­tro de Lu­an­da ain­da ti­nham pi­so de ci­men­to. De­pois, pas­sá­mos a trei­nar só na Ci­da­de­la e trei­nar lá era a nos­sa mo­ti­va­ção. As atle­tas es­for­ça­vam-se pa­ra che­gar à se­lec­ção e dei­xar de trei­nar no ci­men­to. Não ha­via trans­por­te e An­go­la es­ta­va em guer­ra. Pa­ra nós, era mui­to im­por­tan­te ba­ta­lhar, pa­ra ver has­te­a­da a ban­dei­ra da Re­pú­bli­ca. Às ve­zes, não ha­via ali­men­ta­ção apro­pri­a­da, en­fren­tá­va­mos mui­tas di­fi­cul­da­des, mas nos sen­tía­mos pri­vi­le­gi­a­das. Mes­mo com fal­ta de pão, es­tá­va­mos sem­pre bem dis­pos­tas pa­ra os trei­nos. Na nos­sa ida­de, éra­mos sem­pre ale­gres.

Jor­nal de An­go­la - Que pre­pa­ra­ção foi fei­ta, com vis­ta ao al­can­ce do cep­tro? Ana Sacramento

- Es­ta­giá­mos na ex-União So­vié­ti­ca (ac­tu­al Rús­sia), on­de ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de co­nhe­cer uma se­nho­ra mais ve­lha. Com a se­nho­ra, fi­ze­mos vá­ri­as vi­si­tas e tí­nha­mos de fa­zer pro­mes­sas re­la­ci­o­na­das à com­pe­ti­ção. Era uma es­pé­cie de te­ra­pia, ela pre­pa­rou-nos pa­ra ven­cer. O gru­po era mui­to co­e­so e to­das aju­da­vam-se. Trei­ná­va­mos mui­to pa­ra que não fôs­se­mos dis­pen­sa­das. Por ser o pri­mei­ro tro­féu, te­ve um sa­bor es­pe­ci­al. Sin­to-me or­gu­lho­sa por ter fei­to par­te des­te gru­po.

Jor­nal de An­go­la - Quais fo­ram as con­tra­ri­e­da­des en­fren­ta­das no pal­co da pro­va? Ana Sacramento

- Há paí­ses que não fa­ci­li­tam a vi­da ao ad­ver­sá­rio. Na Ar­gé­lia, fi­ca­mos alo­ja­das a 300 qui­ló­me­tros de dis­tân­cia do lo­cal de com­pe­ti­ção e a equi­pa da ca­sa já lá es­ta­va a tra­ba­lhar. Bur­me­de­se era uma ci­da­de pa­ra pes­so­as por­ta­do­ras de de­fi­ci­ên­cia fí­si­ca, to­tal­men­te adap­ta­da. Não es­tá­va­mos ha­bi­tu­a­das a ver aqui­lo e tam­bém me­xeu com a nos­sa psi­que. Mas na­da nos ti­rou o fo­co, que era a vi­tó­ria. Dis­se­mos: ou ago­ra ou nun­ca. No jo­go das mei­as-fi­nais, der­ro­tá­mos as an­fi­triãs num cli­ma qu­en­te e de mui­ta ad­ver­si­da­de. Psi­co­lo­gi­ca­men­te, es­tá­va­mos bem. A nos­sa pre­pa­ra­ção psi­co­ló­gi­ca trou­xe ao de ci­ma a boa for­ma fí­si­ca.

Jo­gá­mos a fi­nal di­an­te da Cos­ta do Mar­fim, que fre­quen­te­men­te nos der­ro­ta­va por dez go­los. Na­que­le dia, elas per­de­ram por cin­co. A par­tir da­que­la con­quis­ta, An­go­la co­me­çou a to­mar gos­to pe­lo pó­dio e de lá nun­ca mais saiu. As zo­nas pro­te­gem-se. Na re­gião cin­co, an­de­bol é só An­go­la. Nós com­pe­tía­mos com os paí­ses da Áfri­ca Cen­tral. A Cos­ta do Mar­fim era de uma li­nha fí­si­ca mui­to agres­si­va, com atle­tas cu­ja com­plei­ção era su­pe­ri­or à nos­sa. Apren­de­mos a su­pe­rar os de­sa­fi­os e ven­cer. Não é nos­so há­bi­to re­cla­mar da ar­bi­tra­gem ou da or­ga­ni­za­ção. A nos­sa pre­pa­ra­ção fí­si­ca, téc­ni­ca e tác­ti­ca foi su­pe­ri­or e a nos­sa de­fe­sa era é mui­to for­te. O atle­ta sen­te quan­do não mar­ca go­los e o pú­bli­co apu­pa. Mas no meio da­que­le ba­ru­lho, só ou­vía­mos a voz do trei­na­dor e das co­le­gas. Fe­liz­men­te, o des­por­to nos dá es­sa ca­pa­ci­da­de.

Jor­nal de An­go­la - Na épo­ca, quais eram as mai­o­res po­tên­ci­as da mo­da­li­da­de?

Ana Sacramento

- Ha­via três se­lec­ções mui­to for­tes. Con­go Braz­za­vil­le, Cos­ta do Mar­fim e Ca­ma­rões e es­ta­gi­a­vam na Fran­ça du­ran­te cer­ca de três me­ses. Nós in­ves­ti­mos nos es­ca­lões de for­ma­ção, com o apoio do Mi­nis­té­rio de Edu­ca­ção e da Se­cre­ta­ria de Es­ta­do pa­ra o Des­por­to.

Jor­nal de An­go­la - Ha­via mui­ta con­cor­rên­cia no pos­to es­pe­cí­fi­co em que jo­ga­va?

Ana Sacramento

- Não ha­via. Eu fi­quei cer­ca de dez anos na­que­la po­si­ção. Fui do “se­te” ini­ci­al até à al­tu­ra que dei­xei de jo­gar em 1991. Es­ta­va a fa­zer o cur­so de Quí­mi­ca na Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as e ti­nha a ca­dei­ra de Elec­tro­mag­ne­tis­mo e au­las prá­ti­cas em atra­so. Não po­dia con­ti­nu­ar e se re­pro­vas­se se­ria pros­cri­ta. Tí­nha­mos o ins­tru­men­to ju­rí­di­co que nos pro­te­gia, mas a res­pon­sa­bi­li­da­de de se man­ter na es­co­la era nos­sa. De­pois da vi­tó­ria nos Jo­gos Afri­ca­nos do Cai­ro, na CAN ocu­pá­mos o se­gun­do lu­gar do pó­dio. Pre­ci­sa­va mes­mo de­di­car-me aos es­tu­dos e, de­pois, in­te­grei o elen­co fe­de­ra­ti­vo nas ves­tes de di­ri­gen­te des­por­ti­va.

Jor­nal de An­go­la - Quais as di­fe­ren­ças e se­me­lhan­ças en­tre a se­lec­ção do pri­mei­ro tí­tu­lo e a ac­tu­al?

Ana Sacramento

- Na­que­la al­tu­ra, jo­gá­va­mos por amor à pá­tria. O pa­tri­o­tis­mo es­ta­va aci­ma de tu­do. De­pois, as coi­sas mu­da­ram e as atle­tas co­me­ça­ram a exi­gir ou­tras coi­sas. Te­mos o or­de­na­men­to ju­rí­di­co cla­ro e na­da se so­bre­põe a uma lei ou de­cre­to pre­si­den­ci­al. Há um ins­tru­men­to que re­gu­la a ques­tão dos pré­mi­os. Quan­do uma atle­ta re­pre­sen­ta a se­lec­ção, pre­ci­sa sa­ber quais os seus di­rei­tos e de que for­ma de­ve­rá exer­cê-los. Ho­je, ve­jo que fal­ta um pou­co de pa­tri­o­tis­mo. A se­me­lhan­ça é que a se­lec­ção con­ti­nua for­te. O tes­te­mu­nho foi bem pas­sa­do, mas não quer di­zer que elas não se­jam pa­tri­o­tas. No tem­po de bo­nan­ça, to­dos te­mos. Quan­do há di­fi­cul­da­des, é pre­ci­so en­ten­der que as coi­sas não es­tão aces­sí­veis. Em­bo­ra to­da a gen­te sin­ta ne­ces­si­da­de de que­rer, ser e es­tar. É pre­ci­so com­pre­en­são.

Jor­nal de An­go­la - Em que as­pec­tos é que a se­lec­ção ac­tu­al su­pe­ra a de 1989?

Ana Sacramento

- (Ri­sos)... A téc­ni­ca. Ho­je, é pos­sí­vel con­se­guir mei­os avan­ça­dos pa­ra a evo­lu­ção das atle­tas e al­can­çar mai­o­res ren­di­men­tos. O Cen­tro de Me­di­ci­na Des­por­ti­va es­tá bem equi­pa­do. Is­so per­mi­te acom­pa­nhar as atle­tas e re­cu­pe­rá-las em tem­po útil. Ac­tu­al­men­te, há con­di­ções pa­ra o trei­na­men­to, mus­cu­la­ção e gi­ná­sio. Em 1989, a bo­la me­di­ci­nal ser­via pa­ra tu­do. A im­pul­são era fei­ta nas ban­ca­das; pa­ra tra­ba­lhar a for­ça, car­re­gá­va­mos a co­le­ga e pa­ra a re­sis­tên­cia cor­ría­mos do iní­cio do Por­to até à ro­tun­da da pei­xei­ra.

Jor­nal de An­go­la - Em ter­mos com­pe­ti­ti­vos?

Ana Sacramento

- É sa­tis­fa­tó­rio. Fru­to do ní­vel aca­dé­mi­co, a com­pre­en­são aju­da mui­to. A se­lec­ção ho­je tem a pos­si­bi­li­da­de de fa­zer trei­nos com ses­sões de ví­deo, es­tu­dam a de­sen­vol­tu­ra e a mus­cu­la­tu­ra do ad­ver­sá­rio. Nes­ta fa­se, o uni­for­me é mais le­ve e a sa­pa­ti­lha é a mais ade­qua­da.

Jor­nal de An­go­la - Em ter­mos de con­quis­tas?

Ana Sacramento

- Elas têm um le­ga­do. O tes­te­mu­nho foi bem pas­sa­do. Já é cul­tu­ra da atle­ta an­go­la­na pen­sar só em vi­tó­ria. O ob­jec­ti­vo é ser cam­peã. Ho­je, já se pen­sa em mun­di­ais e Jo­gos Olím­pi­cos. Em Áfri­ca, a he­ge­mo­nia es­tá bem fir­ma­da. A se­lec­ção tem ca­pa­ci­da­de pa­ra om­bre­ar com ou­tras e, às ve­zes, não ven­ce por cau­sa de ou­tros “en­tre­tan­tos”.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo an­te­vê a dis­pu­ta do CAN em Lu­an­da pe­la ter­cei­ra vez?

Ana Sacramento

- O meu pen­sa­men­to não di­fe­re dos de­mais, ver a se­lec­ção a exi­bir-se bem e a res­ga­tar o tí­tu­lo. De­se­jo que as atle­tas e a equi­pa téc­ni­ca re­gres­sem bem do es­tá­gio, sem quais­quer ma­ze­las. As atle­tas de­vem cum­prir ao má­xi­mo as ori­en­ta­ções dos trei­na­do­res. Nós es­ta­re­mos aqui pa­ra aca­ri­nhá-las. An­tes da saí­da pa­ra o es­tá­gio, fi­ze­mos uma des­pe­di­da. Reu­ni­mos na Ga­le­ria dos Des­por­tos e elas par­ti­ram da­qui sa­ben­do que es­ta­mos a sen­tir o mes­mo que elas.

Jor­nal de An­go­la - Por aqui­lo que foi a des­pe­di­da, sen­tiu que es­tão reu­ni­das as con­di­ções pa­ra a con­quis­ta do 12º tro­féu?

Ana Sacramento

- Es­tão. A for­ça aní­mi­ca da se­lec­ção é al­ta. Fa­lá­mos so­bre as di­fi­cul­da­des, o es­ta­do do país e tu­do. Fo­ram con­ven­ci­das.

EDU­AR­DO PE­DRO

Di­ri­gen­te acre­di­ta na re­con­quis­ta do tí­tu­lo e ga­ran­te ter re­ce­bi­do das jo­ga­do­ras e cor­po téc­ni­co a von­ta­de de vol­tar a ale­grar o país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.