As pa­la­vras dos po­e­tas

Jornal de Angola - - PARTADA -

No­vem­bro, es­te mês que vi­ve­mos, que, “quan­do a chu­va cai, as flo­res ofe­re­cem as pé­ta­las às go­tas de água”, co­mo re­cor­dou Jo­sé Luís Men­don­ça, em cró­ni­ca re­cen­te nes­ta pá­gi­na, há-de fi­car pa­ra sem­pre na me­mó­ria an­go­la­na.

No­vem­bro foi o mês em que Agos­ti­nho Ne­to anun­ci­ou “a Áfri­ca e ao Mun­do” o nos­so nascimento co­mo país li­vre do ju­go co­lo­ni­al. O mes­mo que nos per­mi­tiu ou­vir pe­la pri­mei­ra vez o Hi­no Na­ci­o­nal, com le­tra de Manuel Rui Mon­tei­ro, ou­tro con­fra­de des­ta pá­gi­na, que on­tem, em mais uma es­tó­ria de “O Cá­ga­do e as Pa­la­vras do Silêncio”, lem­brou a im­por­tân­cia da se­men­te e da ter­ra, bem co­mo a dos cam­po­ne­ses, tam­bém eles “com­ba­ten­tes pa­ra a li­ber­da­de”. Foi dos mais bri­lhan­tes e su­bli­mes tex­tos pu­bli­ca­dos nes­ta sec­ção de opi­niões, sen­ti­res, vi­vên­ci­as.

Qual­quer da­que­las cró­ni­cas - a de Jo­sé Luís Men­don­ça mais cen­tra­da em Lu­an­da, a de Manuel Rui Mon­tei­ro no to­do na­ci­o­nal - en­cer­ram re­a­li­da­des do dia-a-dia do nos­so po­vo, que con­ti­nua, no ano­ni­ma­to, a es­cre­ver - mui­tas ve­zes com lá­gri­mas en­go­li­das, qua­se sem­pre com o sor­ri­so de quem acre­di­ta num ama­nhã mais jus­to e fra­ter­no - ca­pí­tu­los com le­tras fei­tas de co­ra­gem da His­tó­ria de um país no­vo, que se pre­ten­de cons­tan­te­men­te re­no­va­do.

A cri­se eco­nó­mi­ca mun­di­al, sur­gi­da na al­tu­ra em que An­go­la re­gis­ta­va os mai­o­res ín­di­ces de pro­gres­so, de­sa­ce­le­rou o de­sen­vol­vi­men­to do país, atin­giu to­dos os sec­to­res, mas não con­se­guiu tra­vá-lo com­ple­ta­men­te. A fa­se crí­ti­ca que vi­ve­mos não se de­ve, co­mo os ha­bi­tu­ais “en­ten­di­dos em tu­do” que­rem fa­zer crer, ao ter­mos fi­ca­do dei­ta­dos “à som­bra da ba­na­nei­ra” a sa­bo­re­ar as be­nes­ses do “deus pe­tró­leo” sem pro­cu­rar­mos al­ter­na­ti­va a ou­tras fon­tes de re­cei­ta.

An­tes da cri­se, cu­ja res­pon­sa­bi­li­da­de ja­mais po­de ser atri­buí­da a An­go­la - ga­nha­mos po­der no mun­do, mas não fa­ze­mos par­te do clu­be dos paí­ses que o de­ci­dem a bel-pra­zer, sem­pre na de­fe­sa egoís­ta dos seus in­te­res­ses -, já tí­nha­mos ini­ci­a­do o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca, co­mo ates­tam re­sul­ta­dos de pro­gra­mas que se se­gui­ram à re­e­di­fi­ca­ção - e cons­tru­ção - de in­fra-es­tru­tu­ras vi­tais.

Es­te mo­men­to de cri­se que vi­ve­mos pre­ju­di­cou - e de que ma­nei­ra - o nos­so de­sen­vol­vi­men­to en­quan­to país e obri­ga-nos a to­dos, sem ex­cep­ção, a re­flec­tir so­bre al­gu­mas si­tu­a­ções que ela des­po­le­tou. Pa­ra que nun­ca mais se pos­sa di­zer, co­mo es­cre­veu, com pro­pri­e­da­de, Manuel Rui “mui­tos ga­nha­ram muito. Com que tra­ba­lho não sei”, mes­mo que, co­mo ele su­bli­nhou, “meus fi­lhos vão à escola e apren­dem coi­sas no­vas, com eles in­ven­tam ou­tras co­mo se fos­sem se­men­tes dos ca­los das mi­nhas mãos”. Que Jo­sé Luís Men­don­ça ao vi­si­tar o vi­vei­ro do Ki­na­xi­xe se en­cha de es­pe­ran­ça ao ver “mui­tas das ár­vo­res de que Lu­an­da tem e pre­ci­sa pa­ra se re­no­var”, mas tris­te e de­cep­ci­o­na­do por o lo­cal lhe pa­re­cer um acam­pa­men­to de es­pé­ci­es “des­lo­ca­das da guer­ra”, pois a de­vas­ta­ção dos “es­pa­ços cir­cun­dan­tes foi de tal mag­ni­tu­de que ape­nas so­brou um mi­nús­cu­lo gue­to de flo­ra”.

A cri­se eco­nó­mi­ca atra­sou o nos­so de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co, mas não con­se­guiu ti­rar a for­ça e a de­ter­mi­na­ção de um po­vo ha­bi­tu­a­do a en­fren­tar, e ven­cer, di­fi­cul­da­des de to­da a es­pé­cie. Sem per­der nun­ca, até em cir­cuns­tân­ci­as apa­ren­te­men­te in­trans­po­ní­veis, o sor­ri­so de es­pe­ran­ça que o ca­rac­te­ri­za, mes­mo quan­do têm de en­go­lir rai­vas e lá­gri­mas.

Nes­te mês de No­vem­bro, em que co­me­mo­ra­mos a da­ta em que anun­ciá­mos “a Áfri­ca e ao Mun­do” o nascimento de An­go­la co­mo país li­ber­to das amar­ras do co­lo­ni­a­lis­mo, jun­te­mos nos­sas rai­vas, má­go­as, de­cep­ções, lá­gri­mas e trans­for­me­mo-las em es­pe­ran­ça e cer­te­zas. Pa­ra que to­dos nós ao sair­mos de ca­sa nos sin­ta­mos fe­li­zes, co­mo su­ce­de com o Jo­sé Luís Men­don­ça ao ca­mi­nhar so­bre “o ta­pe­te ver­me­lho de flo­res de acá­cia”. Ou de quais­quer ou­tras, te­nham a cor que ti­ve­rem. E con­ti­nu­ar­mos a sen­tir, co­mo Manuel Rui Mon­tei­ro, que, ape­sar de to­das as con­tra­ri­e­da­des, “afi­nal, mes­mo as­sim, va­leu a pe­na”. Uma vez mais, as pa­la­vras dos po­e­tas con­vi­dam-nos à re­fle­xão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.