CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LURDES AFON­SO NAR­CI­SO DA CONCEIÇÃO FÁ­TI­MA AU­GUS­TO| HERMENEGILDO JOÃO

Pre­ço dos ovos

Há tem­pos um lei­tor ape­lou às au­to­ri­da­des li­ga­das às ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas pa­ra uma mai­or fis­ca­li­za­ção dos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais que pra­ti­cam a es­pe­cu­la­ção. Os pre­ços de al­guns pro­du­tos bá­si­cos já bai­xa­ram con­si­de­ra­vel­men­te, mas há ou­tros pro­du­tos que con­ti­nu­am ca­ros, co­mo os ovos.

Os ovos são um pro­du­to muito con­su­mi­do pe­los an­go­la­nos, e era bom que o seu pre­ço bai­xas­se mais. Eu com­pro to­dos os di­as um ovo a 100 kwan­zas nas lo­jas que exis­tem no meu bair­ro. Não sei a que pre­ço é que os co­mer­ci­an­tes do meu bair­ro com­pram os ovos, mas es­te é as­sun­to que de­via me­re­cer a aten­ção das au­to­ri­da­des.

Va­las de dre­na­gem

Pu­de ve­ri­fi­car há al­guns di­as que es­tá a ser fei­to um ex­ce­len­te tra­ba­lho de lim­pe­za das va­las de dre­na­gem que exis­tem em Lu­an­da.

Nun­ca vi há mui­tos anos va­las de dre­na­gem tão lim­pas co­mo te­nho ve­ri­fi­ca­do ago­ra. É pre­ci­so fa­zer com que os ci­da­dãos não atra­pa­lhem o tra­ba­lho que as ope­ra­do­ras de lim­pe­za es­tão a fa­zer, pa­ra o bem de to­dos os ha­bi­tan­tes da ca­pi­tal do país.

As va­las de dre­na­gem não de­vem es­tar obs­truí­das pe­lo li­xo que mui­tos ci­da­dãos in­sis­tem em de­po­si­tar ne­las. Se ti­ver­mos as nos­sas va­las de dre­na­gem lim­pas, is­so vai me­lho­rar a nos­sa qua­li­da­de de vi­da. To­dos que­re­mos o bem-es­tar.

Nós, os ha­bi­tan­tes de Lu­an­da, de­ve­mos con­tri­buir tam­bém pa­ra o nos­so bem-es­tar, aju­dan­do as au­to­ri­da­des a re­sol­ver os pro­ble­mas que ain­da te­mos nas co­mu­ni­da­des. Os pro­ble­mas de Lu­an­da de­vem pre­o­cu­par a to­dos nós, seus ha­bi­tan­tes.

In­ves­ti­men­to no pro­fes­sor

Co­me­mo­rou-se a 22 de No­vem­bro o Dia Na­ci­o­nal do Edu­ca­dor , ten­do si­do da­da ên­fa­se à qua­li­fi­ca­ção do nos­so pro­fes­sor.

O pro­fes­sor é um ele­men­to fun­da­men­tal no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to do país. É pre­ci­so que se pres­te per­ma­nen­te­men­te aten­ção à qua­li­fi­ca­ção dos nos­sos pro­fes­so­res. Gos­tei de ou­vir re­cen­te­men­te o nos­so mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Pin­da Si­mão, que in­di­cou que a pri­o­ri­da­de do pe­lou­ro que di­ri­ge é a qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal do pro­fes­sor nos di­ver­sos sub­sis­te­mas de en­si­no e apren­di­za­gem.

In­ves­tir na for­ma­ção do pro­fes­sor é cri­ar con­di­ções pa­ra que te­nham um en­si­no de mui­ta qua­li­da­de. É o pro­fes­sor que trans­mi­te co­nhe­ci­men­to, pe­lo que ele de­ve es­tar do­ta­do de ele­va­das com­pe­tên­ci­as.

Pen­so que se de­ve pres­tar par­ti­cu­lar aten­ção ao en­si­no pri­má­rio e se­cun­dá­rio, on­de de­ve ha­ver pro­fes­so­res de ele­va­do ní­vel, pa­ra que os es­tu­dan­tes não che­guem à Uni­ver­si­da­de ou a ins­ti­tu­tos su­pe­ri­o­res com mui­tas di­fi­cul­da­des de as­si­mi­la­ção de ma­té­ri­as. É pre­ci­so cui­dar bem da ba­se .

Se o en­si­no de ba­se não es­ti­ver ser­vi­do por bons pro­fes­so­res , con­ti­nu­a­re­mos a ter pro­ble­mas ao ní­vel do en­si­no su­pe­ri­or.

Mas­si­fi­ca­ção do des­por­to

Es­tão a ser re­a­li­za­dos ac­tos elei­to­rais em vá­ri­as fe­de­ra­ções des­por­ti­vas. Gos­ta­va que as no­vas di­rec­ções saí­das das elei­ções co­me­ças­sem a tra­tar com se­ri­e­da­de a mas­si­fi­ca­ção do des­por­to.

Os an­go­la­nos po­dem con­se­guir bons re­sul­ta­dos na al­ta com­pe­ti­ção em mui­tas mo­da­li­da­des. É ne­ces­sá­rio que ha­ja in­cen­ti­vos fi­nan­cei­ros e uma apos­ta na re­a­bi­li­ta­ção e ma­nu­ten­ção das in­fra-es­tru­tu­ras des­por­ti­vas. É tam­bém im­por­tan­te que as fe­de­ra­ções se ha­bi­tu­em a tra­ba­lhar com es­pe­ci­a­lis­tas em di­fe­ren­tes áre­as do des­por­to, pa­ra po­de­rem exe­cu­tar bem os seus pro­gra­mas. Que se re­cor­ra aos nos­sos com­pa­tri­o­tas com co­nhe­ci­men­tos pa­ra de­sen­vol­ver­mos o nos­so des­por­to.

Te­mos al­guns qua­dros for­ma­dos ao ní­vel de vá­ri­as mo­da­li­da­des des­por­ti­vas, os qu­ais po­dem dar um gran­de im­pul­so à mas­si­fi­ca­cão do des­por­to. Que se dê es­pa­ço aos nos­sos qua­dros que no des­por­to po­dem aju­dar o país a cres­cer.

AR­MAN­DO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.