Ban­da de­se­nha­da

Jornal de Angola - - LAZER -

A ban­da de­se­nha­da (BD), co­nhe­ci­da co­mo his­tó­ria de qua­dra­di­nhos, é uma for­ma de ar­te que con­ju­ga tex­to e ima­gens com o ob­jec­ti­vo de de­sen­vol­ver ar­gu­men­tos dos mais va­ri­a­dos gé­ne­ros e es­ti­los. São, em ge­ral, pu­bli­ca­dos no for­ma­to de re­vis­tas, li­vros ou em ti­ras em re­vis­tas e jor­nais.

A BD tam­bém é co­nhe­ci­da por ar­te sequên­ci­al, nar­ra­ti­va gráfica e nar­ra­ti­va fi­gu­ra­da.

A ban­da de­se­nha­da é cha­ma­da de No­na Ar­te, dan­do sequên­cia à clas­si­fi­ca­ção de Ric­ci­ot­to Ca­nu­do. O ter­mo “ar­te se­quen­ci­al” (tra­du­zi­do do ori­gi­nal “se­quen­ti­al art”), cri­a­do pe­lo de­se­nhis­ta Will Eis­ner, com o fim de de­fi­nir “o ar­ran­jo de fotos ou ima­gens e pa­la­vras pa­ra nar­rar uma his­tó­ria ou dra­ma­ti­zar uma ideia”, é uti­li­za­do pa­ra de­fi­nir a lin­gua­gem usa­da nes­ta for­ma de re­pre­sen­ta­ção. O au­tor Hu­go Pratt cha­ma­va-lhe “li­te­ra­tu­ra de­se­nha­da”. Nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, on­de é cha­ma­da “co­mics”, a ban­da de­se­nha­da tor­nou-se po­pu­lar no iní­cio do sé­cu­lo XX. Um de­sen­vol­vi­men­to im­por­tan­te ocor­reu nos anos 30, com o sur­gi­men­to da ban­da de­se­nha­da de su­per-he­róis, cu­ja pon­te foi o per­so­na­gem Su­per­man lan­ça­do em 1938.

Es­te tam­bém é o pe­río­do en­tre as du­as guer­ras mun­di­ais em que o bel­ga Her­gé cri­ou As Aven­tu­ras de Tin­tim, que se tor­nou um clássico do es­ti­lo da ban­da de­se­nha­da fran­co-bel­ga co­nhe­ci­do co­mo li­nha cla­ra. No Ja­pão, Osa­mu Te­zu­ka po­pu­la­ri­zou o man­ga, após a II Guer­ra Mun­di­al.

Al­guns con­si­de­ram “story­bo­ards” co­mo ban­da de­se­nha­da. Es­tú­di­os de cinema, es­pe­ci­al­men­te de ani­ma­ção, usam sequên­ci­as de ima­gens co­mo gui­as pa­ra as ce­nas. Es­tes “story­bo­ards” não se des­ti­nam a ser um pro­du­to fi­nal e ra­ra­men­te são vis­tos pe­lo pú­bli­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.