35 mil mi­lhões pa­ra as elei­ções

OR­ÇA­MEN­TO GE­RAL DO ES­TA­DO PA­RA O PRÓ­XI­MO ANO

Jornal de Angola - - PARTADA - ADELINA INÁ­CIO |

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças anun­ci­ou on­tem que a pro­pos­ta de Lei do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) pa­ra 2017 pre­vê uma do­ta­ção de 35 mil mi­lhões de kwan­zas pa­ra a pre­pa­ra­ção e re­a­li­za­ção das elei­ções ge­rais do pró­xi­mo ano. Ar­cher Man­guei­ra, que fa­la­va aos de­pu­ta­dos du­ran­te o de­ba­te na es­pe­ci­a­li­da­de da pro­pos­ta de OGE pa­ra o pró­xi­mo ano com os sec­to­res da De­fe­sa, Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, su­bli­nhou que es­te mon­tan­te cons­ta nu­ma ru­bri­ca es­pe­cí­fi­ca pa­ra as elei­ções. O mi­nis­tro dis­se exis­ti­rem re­ser­vas pa­ra co­brir um even­tu­al dé­fi­ce nas des­pe­sas das elei­ções, mas acon­se­lhou uma uti­li­za­ção ra­ci­o­nal dos re­cur­sos dis­po­ní­veis. Ain­da re­la­ti­va­men­te ao pro­ces­so elei­to­ral, o mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, Bor­ni­to de Sou­sa, que che­fi­ou a equi­pa do Exe­cu­ti­vo nas dis­cus­sões de on­tem no Par­la­men­to, ga­ran­tiu aos de­pu­ta­dos que o re­gis­to elei­to­ral es­tá a ser re­a­li­za­do com to­da a li­su­ra e trans­pa­rên­cia. Na pro­pos­ta de OGE pa­ra 2017 tam­bém es­tá ins­cri­to um pro­gra­ma pa­ra a me­lho­ria das in­fra-es­tru­tu­ras das For­ças Ar­ma­das.

O Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) pa­ra 2017 pre­vê um va­lor de 35 mil mi­lhões de kwan­zas pa­ra a pre­pa­ra­ção e re­a­li­za­ção das elei­ções ge­rais do pró­xi­mo ano, re­ve­lou on­tem, em Lu­an­da, o mi­nis­tro das Fi­nan­ças.

Ar­cher Man­guei­ra, que fa­la­va aos de­pu­ta­dos, du­ran­te o de­ba­te na es­pe­ci­a­li­da­de da pro­pos­ta de OGE pa­ra o pró­xi­mo ano com os sec­to­res da De­fe­sa Na­ci­o­nal, Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, dis­se que os va­lo­res cons­tam nu­ma ru­bri­ca es­pe­cí­fi­ca pa­ra as elei­ções.

Além da­que­le va­lor, o mi­nis­tro dis­se exis­ti­rem ou­tras re­ser­vas que po­dem ser uti­li­za­das pa­ra co­brir o dé­fi­ce que se re­gis­tar nas des­pe­sas das elei­ções. Ar­cher Man­guei­ra re­co­men­dou, no en­tan­to, uma “uti­li­za­ção mais ra­ci­o­nal das ver­bas.”

In­for­mou que na pro­pos­ta de OGE pa­ra 2017 tam­bém es­tá ins­cri­to um pro­gra­ma pa­ra a me­lho­ria da qua­li­da­de e ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca das in­fra-es­tru­tu­ras das For­ças Ar­ma­das. O Exe­cu­ti­vo, dis­se, tem pri­o­ri­za­do as des­pe­sas dos sec­to­res mais ur­gen­tes. Tra­ta-se de des­pe­sas que se não fo­rem re­a­li­za­das po­dem pôr em cau­sa a es­ta­bi­li­da­de e a so­be­ra­nia do país, su­bli­nhou.

Ain­da re­la­ti­va­men­te ao pro­ces­so elei­to­ral, o mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, que che­fi­ou a equi­pa do Exe­cu­ti­vo nas dis­cus­sões de on­tem no Par­la­men­to, ga­ran­tiu aos de­pu­ta­dos que o re­gis­to elei­to­ral es­tá a ser re­a­li­za­do de for­ma cla­ra e trans­pa­ren­te.

Bor­ni­to de Sou­sa res­pon­dia às pre­o­cu­pa­ções dos de­pu­ta­dos Es­tê­vão Ka­chiun­go e Ma­nu­el Sa­vihem­ba, am­bos da UNITA, que apre­sen­ta­ram dú­vi­das re­la­ti­va­men­te ao pro­ces­so elei­to­ral, bem co­mo a Fer­nan­do Hei­tor, do mes­mo par­ti­do, que ques­ti­o­nou o fun­ci­o­na­men­to das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais.

A de­pu­ta­da Miha­e­la We­ba, tam­bém da UNITA, ques­ti­o­nou o mi­nis­tro se os ci­da­dãos an­go­la­nos no es­tran­gei­ro têm di­rei­to ao vo­to. Em res­pos­ta, Bor­ni­to de Sou­sa dis­se que no ex­te­ri­or só vo­tam os ci­da­dãos que lá se en­con­tram por ra­zões de es­tu­do ou de saú­de. O mi­nis­tro es­cla­re­ceu que a lei diz que o re­gis­to elei­to­ral é fei­to em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, mas re­me­teu a dis­cus­são so­bre a vo­ta­ção à Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral. “A vo­ta­ção no ex­te­ri­or não é um pro­ble­ma do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio nem das em­bai­xa­das ou do Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, mas sim da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral. Qual­quer al­te­ra­ção so­bre es­tas ques­tões po­dem ser de­ba­ti­das em se­de do Pa­co­te Le­gis­la­ti­vo Elei­to­ral”, dis­se Bor­ni­to de Sou­sa.

Política mi­gra­tó­ria

O an­te­pro­jec­to de Lei da Política Mi­gra­tó­ria es­tá con­cluí­do e vai, em bre­ve, ser ana­li­sa­do no Con­se­lho de Mi­nis­tros pa­ra pos­te­ri­or dis­cus­são e vo­ta­ção no Par­la­men­to, in­for­mou on­tem o pre­si­den­te da Co­mis­são de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da As­sem­bleia Na­ci­o­nal. Se­gun­do Ro­ber­to Le­al Mon­tei­ro “Ngon­go”, o di­plo­ma vai re­gu­lar a mi­gra­ção no país.

Na oca­sião, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do do In­te­ri­or, Her­me­ne­gil­do Fé­lix, de­fen­deu o au­men­to de me­di­das em re­la­ção aos imi­gran­tes ile­gais. A mes­ma po­si­ção foi de­fen­di­da pe­lo co­man­dan­te-ge­ral da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, que re­ve­lou que, di­a­ri­a­men­te, são apre­en­di­dos mais de 50 imi­gran­tes que en­tram ile­gal­men­te no país.

O co­mis­sá­rio-ge­ral Ambrósio de Le­mos res­pon­dia às pre­o­cu­pa­ções da pre­si­den­te da Co­mis­são de Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Co­o­pe­ra­ção In­ter­na­ci­o­nal e Co­mu­ni­da­de An­go­la­na no Es­tran­gei­ro, Exal­gi­na Gambôa, que ques­ti­o­nou so­bre o nú­me­ro de imi­gran­tes ile­gais re­pa­tri­a­dos nos úl­ti­mos anos e as ver­bas gas­tas pe­lo Es­ta­do com o pro­ces­so de re­pa­tri­a­men­to. Os nú­me­ros não fo­ram re­ve­la­dos.

KINDALA MA­NU­EL

Mi­nis­tro das Fi­nan­ças diz que o Exe­cu­ti­vo tem pri­o­ri­za­do des­pe­sas dos sec­to­res mais ur­gen­tes pa­ra ga­ran­tir a es­ta­bi­li­da­de e so­be­ra­nia do país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.