O tí­tu­lo afri­ca­no é nos­so

Jornal de Angola - - PARTADA - VIVALDO EDU­AR­DO |

Dis­tin­gui­da em 2000 co­mo a me­lhor jo­ga­do­ra afri­ca­na de to­dos os tem­pos pe­la Con­fe­de­ra­ção Afri­ca­na de An­de­bol, Palmira Bar­bo­sa acre­di­ta que a Selecção Na­ci­o­nal vai con­quis­tar a pro­va con­ti­nen­tal, que de­cor­re em Lu­an­da de 28 de No­vem­bro a 8 de De­zem­bro. A an­ti­ga ca­pi­tã aposta na for­ça das Pé­ro­las.

“ Fi­co mui­to fe­liz. Sin­to-me mui­to or­gu­lho­sa por ter da­do o meu con­tri­bu­to na for­ma­ção (tra­ba­lhei com elas ape­nas nos es­ca­lões de for­ma­ção). A pró­pria Na­tá­lia é da mes­ma ge­ra­ção. ”

Dis­tin­gui­da em 2000 co­mo me­lhor jo­ga­do­ra afri­ca­na de to­dos os tem­pos pe­la Con­fe­de­ra­ção Afri­ca­na de An­de­bol, Palmira Bar­bo­sa ins­cre­veu o seu no­me com le­tras de ou­ro na his­tó­ria da mo­da­li­da­de em An­go­la, ao li­de­rar du­ran­te anos a Selecção Na­ci­o­nal, o Fer­ro­viá­rio e o Pe­tro de Lu­an­da, ru­mo a im­por­tan­tes con­quis­tas. Em vés­pe­ra do ter­cei­ro CAN no país, o Jor­nal de An­go­la foi ti­rar a pul­sa­ção à pri­mei­ra trei­na­do­ra da gu­ar­da-re­des Te­re­sa Al­mei­da “Bá” e da ex-ca­pi­tã das Pé­ro­las de Áfri­ca, Mar­ta San­tos “Mar­tu­cha”, nu­ma con­ver­sa que emo­ci­o­nou a mais em­ble­má­ti­ca ca­pi­tã do se­te na­ci­o­nal, ao fa­lar das su­as ex-pu­pi­las. De­no­ta a mes­ma gar­ra que sem­pre apre­sen­tou em cam­po, pa­ra cla­ri­fi­car a cer­te­za das sua con­vic­ções.

Jor­nal de An­go­la – Que sig­ni­fi­ca­do tem pa­ra si a re­a­li­za­ção do CAN de An­de­bol fe­mi­ni­no em An­go­la?

Palmira Bar­bo­sa –

Es­ta pro­va per­mi­te re­a­vi­var bo­as me­mó­ri­as, por­que o úl­ti­mo CAN em que par­ti­ci­pei aqui em An­go­la foi em 1985. Foi a pri­mei­ra vez que or­ga­ni­zá­mos um CAN. Lem­bro-me das di­fi­cul­da­des que ti­ve, na­que­la al­tu­ra, pa­ra apa­re­cer em for­ma, por­que ti­ve a mi­nha fi­lha e, 45 di­as de­pois do parto, re­to­mei os trei­nos. Sen­ti, nes­sa com­pe­ti­ção, um cer­to ama­du­re­ci­men­to da nos­sa selecção. Hou­ve a res­pon­sa­bi­li­da­de acres­ci­da de es­tar a jo­gar em ca­sa, a jus­ti­fi­ca­ção de es­tar­mos a par­ti­ci­par re­gu­lar­men­te em com­pe­ti­ções fo­ra do país e, na­tu­ral­men­te, a co­bran­ça dos adep­tos. Sen­ti que já es­tá­va­mos a ad­qui­rir mais con­fi­an­ça, a acre­di­tar mais em nós, ao ní­vel de Áfri­ca, por­que, na épo­ca, nun­ca tí­nha­mos par­ti­ci­pa­do em cam­pe­o­na­tos do mun­do. A cren­ça nas nos­sas ca­pa­ci­da­des, pa­ra mim, co­me­çou no CAN de 1985.”

Jor­nal de An­go­la – Com ba­se na ex­pe­ri­ên­cia ad­qui­ri­da ao lon­go dos anos, que con­se­lhos dei­xa às jo­ga­do­ras que vão ago­ra re­pre­sen­tar o país?

Palmira Bar­bo­sa –

Re­cen­te­men­te, ti­ve­mos cá o Tor­neio de Apu­ra­men­to pa­ra os Jo­gos Olím­pi­cos, no qual con­se­gui­mos al­can­çar o ob­jec­ti­vo. Ga­nhá­mos à Tu­ní­sia, que foi o país que nos re­ti­rou o tí­tu­lo, sen­do a ac­tu­al cam­peã con­ti­nen­tal. Nes­te jo­go, ti­ve­mos um pe­río­do mau, em que es­mo­re­ce­mos, por­que a equi­pa es­te­ve mui­to de­pen­den­te de uma úni­ca atle­ta. A res­pon­sa­bi­li­da­de re­caiu mui­to so­bre a Na­tá­lia. Qu­an­do ela atin­giu a fa­di­ga, foi com­pli­ca­do, por­que ain­da lhe fal­tou al­gu­ma ma­tu­ri­da­de, pa­ra po­der do­se­ar o seu es­for­ço e sa­ber co­mo des­can­sar e re­cu­pe­rar mes­mo sem sair do cam­po. Fi­quei apre­en­si­va mas, fe­liz­men­te, a na­tu­re­za es­te­ve a nos­so fa­vor. A chu­va e o ven­to aju­da­ram-nos bas­tan­te na al­tu­ra. Elas to­das re­cu­pe­ra­ram e a Na­tá­lia, que es­ta­va a ser a jo­ga­do­ra mais in­flu­en­te, vol­tou ao seu me­lhor ní­vel e con­se­gui­mos ga­nhar. O gru­po ain­da é pra­ti­ca­men­te o mes­mo, com a in­clu­são de al­gu­mas atle­tas. De­pois da­que­la ex­pe­ri­ên­cia do pré-olím­pi­co, acre­di­to que não cai­re­mos no mes­mo er­ro. O trei­na­dor tam­bém é ou­tro e aque­le su­fo­co fi­cou, de cer­te­za, na men­te das jo­ga­do­ras co­mo avi­so. Te­nho fé que va­mos con­se­guir che­gar ao tí­tu­lo. A pres­são é nor­mal e, fe­liz­men­te, as me­ni­nas des­ta selecção já têm pas­sa­do por vá­ri­os epi­só­di­os que me dão a con­fi­an­ça na re­cu­pe­ra­ção des­te tí­tu­lo, que é nos­so. Dou to­da a for­ça, es­ta­mos com elas, acre­di­ta­mos ne­las e va­mos com a fir­me con­vic­ção de que o jo­go só ter­mi­na após o api­to fi­nal.

Jor­nal de An­go­la – A Palmira vai es­tar re­pre­sen­ta­da no CAN por uma das atle­tas mais in­flu­en­tes da selecção. A Te­re­sa Al­mei­da “Bá” co­me­çou a prá­ti­ca des­por­ti­va sob sua ori­en­ta­ção. Ou­tra atle­ta que ago­ra não vai es­tar na com­pe­ti­ção, mas tam­bém foi sua pu­pi­la, che­gou a ser ca­pi­tã da selecção, a Mar­ta San­tos “Mar­tu­cha”. Que re­pre­sen­ta is­so pa­ra si?

Palmira Bar­bo­sa –

Fi­co mui­to fe­liz. Sin­to-me mui­to or­gu­lho­sa por ter da­do o meu con­tri­bu­to na for­ma­ção (tra­ba­lhei com elas ape­nas nos es­ca­lões de for­ma­ção). A pró­pria Na­tá­lia é da mes­ma ge­ra­ção. Eram tão pe­que­ni­nas, qu­an­do ti­ve­ram o pri­mei­ro con­tac­to co­mi­go. Eram miú­das mui­to aguer­ri­das (a Mar­tu­cha, so­bre­tu­do). Com a Bá, ti­ve­mos vá­ri­os epi­só­di­os que nos apro­xi­ma­ram bas­tan­te. Nu­ma oca­sião, le­vei-a ao hos­pi­tal por­que caiu e bateu com a ca­be­ça. Ver ago­ra es­tas me­ni­nas a re­pre­sen­ta­rem o país, a des­ta­ca­rem-se den­tro do co­lec­ti­vo, dá um or­gu­lho mui­to gran­de. E per­ce­be­mos que al­gu­ma coi­sa útil con­se­gui­mos en­si­nar a elas. Fi­co mui­to con­ten­te, emo­ci­o­no­me, sei lá! Ago­ra nos Jo­gos Olím­pi­cos, ao ou­vir as referências que se fa­zi­am à Bá, não sa­bia ex­pli­car a mim mes­ma, o que me vi­nha na al­ma. Sei que é um sen­ti­men­to de agra­de­ci­men­to a ela, por ter con­ti­nu­a­do a car­rei­ra, e de or­gu­lho por sen­tir que o meu con­tri­bu­to e a mi­nha trans­fe­rên­cia de res­pon­sa­bi­li­da­de e hu­mil­da­de a es­sas jo­vens é um fac­to. É mes­mo in­des­cri­tí­vel.

Jor­nal de An­go­la – Co­mo foi a tran­si­ção de jo­ga­do­ra pa­ra fun­ci­o­ná­ria, di­rec­to­ra de Mar­ke­ting do Cen­tro Cul­tu­ral Paz Flor?

Palmira Bar­bo­sa -

A mi­nha tran­si­ção co­me­çou qu­an­do fui pa­ra a vi­da política. Qu­an­do fui cha­ma­da pa­ra o Par­la­men­to. Mes­mo in­do pa­ra o Par­la­men­to, ain­da re­pre­sen­tei o Ena­na, du­ran­te dois anos. Nes­te pe­río­do, ti­ve uma le­são mui­to gra­ve, que me afas­tou dos cam­pos. Acho que se não ti­ves­se a ro­tu­ra to­tal do ten­dão de Aqui­les, não te­ria ter­mi­na­do a mi­nha car­rei­ra. Is­so por­que o des­por­to é um ví­cio bom, sau­dá­vel que, apa­ren­te­men­te, não nos dei­xa cres­cer nou­tras áre­as, mas ao mes­mo tem­po nos faz cres­cer mui­to co- mo se­res hu­ma­nos res­pon­sá­veis. Se não ti­ves­se acon­te­ci­do es­ta le­são, eu iria até on­de as mi­nhas per­nas me per­mi­tis­sem. Qu­an­do apa­re­ceu a le­são, já es­ta­va na So­nan­gol. De­sen­vol­via tra­ba­lho ad­mi­nis­tra­ti­vo na So­nan­gol Dis­tri­bui­do­ra, de­pois dos 4 anos em que trei­nei os es­ca­lões jo­vens do Pe­tro. E en­tão fui ques­ti­o­na­da: a se­nho­ra não dis­se que já dei­xou de jo­gar? Ago­ra apa­re­ce aqui com mu­le­tas… Des­cul­pei-me e ques­ti­o­nei se a pes­soa em cau­sa não ti­nha pra­ti­ca­do des­por­to pa­ra po­der com­pre­en­der a mi­nha pai­xão. Mes­mo as­sim, en­trei de mu­le­tas pa­ra o Par­la­men­to e, de­pois de re­cu­pe­rar, num trei­no no 1º de Agos­to, le­si­o­nei o ou­tro pé, na vés­pe­ra de uma ac­ti­vi­da­de par­la­men­tar no ex­te­ri­or do país. Ti­ve de pas­sar pe­lo Par­la­men­to pa­ra pe­gar uns do­cu­men­tos. Lar­guei as mu­le­tas no carro e an­dei mes­mo a co­xe­ar. O che­fe da de­le­ga­ção quis sa­ber: se­nho­ra de­pu­ta­da, que se pas­sa? Lá ex­pli­quei que es­ta­va a trei­nar e tu­do mais. Em con­clu­são, o des­por­to é um ví­cio tão bom, des­de que a gen­te o le­ve na ver­ten­te po­si­ti­va, que eu não con­se­guia lar­gar es­se “bi­chi­nho” que até ho­je mo­ra em mim. Con­ti­nuo a pra­ti­car, em­bo­ra com li­mi­ta­ções, de­vi­do às mui­tas le­sões que ad­qui­ri du­ran­te a mi­nha car­rei­ra. O mé­di­co que me ob­ser­vou no Bra­sil fi­cou sur­pre­so, pe­lo fac­to de eu es­tar a jo­gar, com 43 anos de ida­de, e pre­ve­niu-me, por­que o ou­tro pé não es­ta­va mui­to bem. Iro­ni­ca­men­te, até me per­gun­tou se eu era o “Pe­lé de An­go­la”, pa­ra ain­da es­tar a jo­gar com aque­la ida­de. Mas não foi fá­cil con­ci­li­ar, por­que às ve­zes mal con­se­guia cal­çar os sa­pa­tos e ti­nha reu­niões com par­la­men­ta­res. En­fim, não foi na­da fá­cil. A adap­ta­ção le­vou anos. O des­por­to é uma gran­de es­co­la pa­ra a vi­da. Ago­ra, trei­no ape­nas no gi­ná­sio, com li­mi­ta­ções, por­que te­nho três hér­ni­as dis­cais, uma ci­rur­gia ao om­bro. Te­nho mui­tas mar­cas do al­to ren­di­men­to, mas não me ar­re­pen­do.

Jor­nal de An­go­la – Que ca­mi­nhos de­ve se­guir o an­de­bol an­go­la­no pa­ra con­ti­nu­ar a tri­lhar a ro­ta dos êxi­tos?

Palmira Bar­bo­sa –

Te­nho for­ma­ção, li­cen­ci­a­tu­ra na área da Edu­ca­ção Fí­si­ca. Cla­ro que mui­ta gen­te me ques­ti­o­na qu­an­do va­mos ver a Palmira Bar­bo­sa à frente de uma selecção? A mi­nha res­pos­ta é que des­de o ano em que me for­mei, por uma ques­tão de res­pei­to à pró­pria pro­fis­são, pa­ra vol­tar, te­ria de fa­zer um re­fres­ca­men­to, pa­ra en­tão es­tar a ap­ta a trei­nar. Nun­ca uma selecção sé­ni­or, mas sim cri­an­ças, com as quais gos­to mui­to de tra­ba­lhar. Com cri­an­ças, o re­tor­no é ime­di­a­to. To­dos os di­as, po­de­mos ver o re­sul­ta­do do que fi­ze­mos na vés­pe­ra. As cri­an­ças res­pon­dem ime­di­a­ta­men­te. Po­de­mos fa­zer do pra­ti­can­te jo­vem um bom ser hu­ma­no e um bom jo­ga­dor, co­mo tam­bém po­de­mos ma­tar a criança, pa­ra to­da a vi­da. A mi­nha mai­or pre­o­cu­pa­ção com es­ta ge­ra­ção é sa­ber por­que é que ter­mi­nam a car­rei­ra tão ce­do. A Mar­ce­li­na, a Nair, a El­zi­ra, a Ode­te, to­das es­tas ter­mi­na­ram a car­rei­ra des­por­ti­va mui­to ce­do. Não com­pa­ro com a mi­nha ge­ra­ção, mas são no­mes que cha­mam aten­ção e fa­zem re­flec­tir. No gru­po ac­tu­al, du­as jo­ga­do­ras fun­da­men­tais tam­bém que­rem ter­mi­nar a car­rei­ra de for­ma pre­ma­tu­ra. Pen­so que é tem­po de re­flec­tir. Pas­sei por qua­tro ge­ra­ções de an­de­bo­lis­tas e pos­so ter no­ção dos pro­ble­mas que ti­ve­mos an­te­ri­or­men­te e os ac­tu­ais. O que se pas­sa? São ape­nas op­ções pes­so­ais? Ou al­gu­ma coi­sa já não cor­res­pon­de às ex­pec­ta­ti­vas das atle­tas? Al­gu­ma coi­sa que fal­ta? Es­tou pre­o­cu­pa­da com is­so, por­que há atle­tas jo­vens, já com pre­ten­sões de dei­xar a mo­da­li­da­de. Pre­ci­sa­mos de ques­ti­o­nar e ana­li­sar o que le­va es­tas jo­vens a dei­xar a prá­ti­ca des­por­ti­va pre­co­ce­men­te. Cria-se um va­zio, por­que mui­tas sa­em no mo­men­to em que de­vem trans­fe­rir a ex­pe­ri­ên­cia pa­ra as ge­ra­ções mais jo­vens. Ti­ve o pra­zer de de­sem­pe­nhar si­mul­ta­ne­a­men­te as fun­ções de trei­na­do­ra e jo­ga­do­ra. Es­sa eta­pa foi mui­to importante pa­ra es­sa pas­sa­gem de tes­te­mu­nho. Não es­tou a ati­rar res­pon­sa­bi­li­da­des pa­ra a selecção nem pa­ra os clu­bes. A ideia é que to­dos os in­te­res­sa­dos se jun­tem e ques­ti­o­nem is­so.

KINDALA MA­NU­EL

Pai­xão pe­lo des­por­to da ex-de­pu­ta­da só foi tra­va­da pe­la gra­vi­da­de das le­sões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.