Transporte de ener­gia em re­de na­ci­o­nal

Há sen­si­vel­men­te três anos, o país ti­nha ape­nas 36 su­bes­ta­ções ao lon­go de to­da a re­de na­ci­o­nal de transporte. O nú­me­ro tem vin­do a su­bir gra­du­al­men­te e é es­pe­ra­do que em 2025 atin­ja 152 su­bes­ta­ções.

Jornal de Angola - - PARTADA -

A Re­de Na­ci­o­nal de Transporte de Ener­gia Eléc­tri­ca, so­bre a qual in­ci­dem avul­ta­dos in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos, pas­sa a in­ter­li­gar to­das as ca­pi­tais pro­vin­ci­ais do país, den­tro dos pró­xi­mos no­ve anos, co­mo co­ro­lá­rio da es­tra­té­gia “An­go­la Ener­gia 2025”, gi­za­da pe­lo Exe­cu­ti­vo.

Da­ta­do de 2008 e con­ce­bi­do em li­nha com o Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to de Lon­go Pra­zo 2018/2025, o do­cu­men­to, con­si­de­ra­do am­bi­ci­o­so por mui­tos, as­sen­ta num con­jun­to de in­fra-es­tru­tu­ras, gran­de par­te de­las já exe­cu­ta­das e al­gu­mas em vi­as de con­clu­são, que vão per­mi­tir que, den­tro de dois anos, An­go­la par­ta pa­ra a au­to-su­fi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca.

Co­nhe­ce­dor do sec­tor co­mo pou­cos, o mi­nis­tro da Ener­gia e Águas cor­po­ri­za o op­ti­mis­mo quan­to ao êxi­to do pro­gra­ma que es­tá a con­du­zir o país à au­to-su­fi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca em 2025. João Bap­tis­ta Bor­ges as­se­gu­ra que o que já foi fei­to no sec­tor per­mi­te au­gu­rar es­sa me­ta.

Par­te sig­ni­fi­ca­ti­va da re­de de mui­to al­ta ten­são, de acor­do com o go­ver­nan­te, es­tá a ser exe­cu­ta­da com su­ces­so no âm­bi­to do Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to de Mé­dio Pra­zo (PND 2013/2017), que , den­tro de dois anos, vai dar lu­gar ao Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to de Lon­go Pra­zo, on­de se in­se­re a es­tra­té­gia “An­go­la Ener­gia 2025”.

Ten­do em con­ta o que já foi fei­to a ní­vel da Re­de Na­ci­o­nal de Transporte, adi­an­ta o mi­nis­tro da Ener­gia e Águas, en­tre 2018 e 2025, as aten­ções de­vem in­ci­dir fun­da­men­tal­men­te nos 60kv ne­ces­sá­ri­os pa­ra apoi­ar a elec­tri­fi­ca­ção rural, ou­tro gran­de ob­jec­ti­vo in­se­ri­do no Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to “An­go­la 2025”. Du­ran­te mui­to tem­po, so­bre­tu­do nos úl­ti­mos anos, o for­te cres­ci­men­to do con­su­mo de ener­gia no país, prin­ci­pal­men­te nos prin­ci­pais cen­tros ur­ba­nos, co­lo­cou o sec­tor nu­ma si­tu­a­ção de “emer­gên­cia per­ma­nen­te”, con­cen­tran­do gran­de par­te dos seus es­for­ços na pro­cu­ra de res­pos­tas pa­ra pro­ble­mas pon­tu­ais.

A es­tra­té­gia “An­go­la Ener­gia 2025” mar­ca a ro­tu­ra com as so­lu­ções pa­li­a­ti­vas e as­su­me o compromisso de ga­ran­tir o aces­so à ener­gia eléc­tri­ca à ge­ne­ra­li­da­de da po­pu­la­ção an­go­la­na co­mo for­ma de pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no.

Pa­ra ga­ran­tir uma mai­or par­ti­ci­pa­ção de agen­tes pri­va­dos no sec­tor, a es­tra­té­gia “An­go­la Ener­gia 2025” pre­ten­de cri­ar con­di­ções pa­ra re­du­zir os en­car­gos de ex­plo­ra­ção e, por via dis­so, atrair a par­ti­ci­pa­ção de agen­tes pri­va­dos no sec­tor.

Em 2013, qu­an­do co­me­çou a ser im­ple­men­ta­do o PND 2013/2017, o país ti­nha 2.850 km de li­nhas eléc­tri­cas (de 60, 220 e 400kv). Ho­je, tem mui­to mais do que is­so, mas o ob­jec­ti­vo é atin­gir os 16.350 km em 2025.

Há re­la­ti­va­men­te pou­co tem­po, três anos sen­si­vel­men­te, o país ti­nha ape­nas 36 su­bes­ta­ções ao lon­go da Re­de Na­ci­o­nal de Transporte. O nú­me­ro tem vin­do a su­bir, em­bo­ra ain­da es­te­ja lon­ge das 152 es­ta­ções pre­vis­tas pa­ra 2025.

Se­gu­ran­ça ener­gé­ti­ca

As iniciativas do Exe­cu­ti­vo su­ce­dem-se. Em 2011, foi apro­va­da, atra­vés do De­cre­to Pre­si­den­ci­al nº 256/11 de 29 de Se­tem­bro, a Política e Es­tra­té­gia de Se­gu­ran­ça Ener­gé­ti­ca Na­ci­o­nal, com o ob­jec­ti­vo de de­fi­nir as prin­ci­pais ori­en­ta­ções es­tra­té­gi­cas pa­ra o sec­tor e re­de­fi­nir o res­pec­ti­vo en­qua­dra­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal.

A lon­go pra­zo, a política as­su­me a ne­ces­si­da­de de trans­for­ma­ção do sec­tor pa­ra res­pon­der ao enor­me desafio as­so­ci­a­do ao cres­ci­men­to da pro­cu­ra, ao lon­go de seis ei­xos, no­me­a­da­men­te cres­ci­men­to do par­que de ge­ra­ção, po­ten­ci­a­ção do pa­pel das ener­gi­as re­no­vá­veis, ex­pan­são da elec­tri­fi­ca­ção, re­vi­são ta­ri­fá­ria e sus­ten­ta­bi­li­da­de eco­nó­mi­co-fi­nan­cei­ra, re­es­tru­tu­ra­ção e re­for­ço dos ope­ra­do­res e pro­mo­ção da en­tra­da de ca­pi­tal e know-how pri­va­do.

In­ves­ti­men­tos

O Exe­cu­ti­vo tem pre­vis­tos vá­ri­os in­ves­ti­men­tos na Re­de Na­ci­o­nal de Transporte de­pois de 2017, no­me­a­da­men­te a cons­tru­ção de um no­vo cor­re­dor de 220 kv, com li­nha du­pla, en­tre o Nor­te e o Les­te do país. A op­ção pe­los 220kv de­ve-se à ne­ces­si­da­de de ga­ran­tir re­dun­dân­cia e se­gu­ran­ça de um cor­re­dor de 400 kv, do Qu­e­ve em di­rec­ção a Sul, até à Na­mí­bia, atra­vés de Ben­gue­la e do Lu­ban­go, com­ple­tan­do uma es­pi­nha dor­sal Nor­te-Sul de 400 kv.

Es­te no­vo cor­re­dor vai apro­xi­mar-se do li­to­ral, cri­an­do fle­xi­bi­li­da­de pa­ra, no fu­tu­ro, es­co­ar ge­ra­ção de ener­gia li­ga­da a um even­tu­al no­vo lo­cal de abas­te­ci­men­to de gás. Es­tão pre­vis­tos tam­bém a cons­tru­ção de um no­vo ei­xo de 220 kv pa­ra re­for­ço do abas­te­ci­men­to à ci­da­de de Me­non­gue e o fe­cho em anel das an­te­nas de 220 kv do Sis­te­ma Nor­te, unin­do Mban­za Con­go e Ma­que­la do Zom­bo.

Pro­vín­cia de Lu­an­da

No ca­so de Lu­an­da, os in­ves­ti­men­tos pre­vis­tos pa­ra 2017 per­mi­ti­ram sus­ten­tar o cres­ci­men­to da car­ga da ci­da­de até 3,3 gi­gawatts, com ex­cep­ção da su­bes­ta­ção de Vi­a­na. Em 2025, se­gun­do os es­tu­dos re­a­li­za­dos, a elec­tri­ci­da­de que cir­cu­la na ten­são de 400 de kv em di­rec­ção a Lu­an­da te­rá ten­dên­cia pa­ra fluir em di­rec­ção a Vi­a­na, ul­tra­pas­san­do em mui­to a ca­pa­ci­da­de de trans­for­ma­ção de 400/220 kv aí dis­po­ní­vel, ca­so não se ve­ri­fi­quem no­vos in­ves­ti­men­tos.

Com vis­ta a evi­tar es­te pro­ble­ma, até 2025, se­rá im­ple­men­ta­do um con­jun­to de me­di­das pa­ra mi­ni­mi­zar e ge­rir a pres­são so­bre a Su­bes­ta­ção de Vi­a­na, no fu­tu­ro, com a cri­a­ção de um an­dar de 400 kv na su­bes­ta­ção de Ca­cu­a­co, pa­ra sec­ci­o­na­men­to da li­nha de 400 kv en­tre Ca­pa­ri e Ca­te­te, subs­ti­tui­ção e am­pli­a­ção da trans­for­ma­ção de 400/220 kv pa­ra 2 x 450 mva em Vi­a­na e a cri­a­ção de no­vas su­bes­ta­ções de 220 kv no cen­tro da ci­da­de de Lu­an­da, em par­ti­cu­lar na Chi­ca­la, apro­vei­tan­do a no­va au­to-es­tra­da, e no Zan­go.

Paí­ses vi­zi­nhos

A in­ter­li­ga­ção de An­go­la à re­de re­gi­o­nal da SADC é importante, fa­ce à for­te aposta na hi­dro-elec­tri­ci­da­de. Em anos hi­dro­lo­gi­ca­men­te

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

A Re­de Na­ci­o­nal de Transporte de Ener­gia Eléc­tri­ca apli­cou avul­ta­dos in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos pa­ra a in­ter­li­ga­ção de to­das as ca­pi­tais pro­vin­ci­ais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.