Ven­da de di­vi­sas re­gu­la o mer­ca­do

CO­MU­NI­CA­DO DO BNA

Jornal de Angola - - PARTADA -

A ven­da de di­vi­sas pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) cres­ceu de for­ma ex­po­nen­ci­al nos úl­ti­mos 15 di­as, num to­tal de 739,3 mi­lhões de dó­la­res, sen­do 611,0 mi­lhões em ven­das di­rec­tas e 128,3 mi­lhões em lei­lão.

A ven­da de di­vi­sas pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) cres­ceu de for­ma ex­po­nen­ci­al nos úl­ti­mos 15 di­as, no to­tal de 739,3 mi­lhões de dó­la­res, sen­do 611,0 mi­lhões em ven­das di­rec­tas e 128,3 mi­lhões em lei­lão, co­brin­do as ope­ra­ções de ca­rác­ter pri­o­ri­tá­rio, in­for­mou on­tem a ins­ti­tui­ção em co­mu­ni­ca­do.

O va­lor re­flec­te as me­di­das em cur­so, que con­sis­tem na in­ter­ven­ção do BNA no mer­ca­do cam­bi­al, pa­ra as­se­gu­rar uma ofer­ta pro­gra­ma­da e re­gu­lar de di­vi­sas no mer­ca­do, de mo­do a es­ta­bi­li­zar o abas­te­ci­men­to de mer­ca­do­ri­as ne­ces­sá­ri­as pa­ra sa­tis­fa­zer as ne­ces­si­da­des das em­pre­sas e par­ti­cu­la­res.

A ini­ci­a­ti­va tem ain­da co­mo ob­jec­ti­vo re­du­zir a in­fla­ção, que tem es­ta­do a de­sa­ce­le­rar, fru­to da com­bi­na­ção en­tre a política mo­ne­tá­ria, cam­bi­al e fis­cal im­ple­men­ta­da.

Na úl­ti­ma se­ma­na de Outubro, re­gis­tou-se uma va­ri­a­ção de me­nos 10 por cen­to, em com­pa­ra­ção com o pe­río­do ho­mó­lo­go de Se­tem­bro, atin­gin­do um mon­tan­te de 213,2 mi­lhões de eu­ros. No mês de Se­tem­bro, a ven­da de di­vi­sas cres­ceu 70 por cen­to e man­te­ve o rit­mo no prin­cí­pio de Outubro.

Re­de de cri­mi­no­sos

O ban­co cen­tral re­for­çou os ní­veis de con­tro­lo e su­per­vi­são, quer in­ter­na quer ex­ter­na, com a cri­a­ção do De­par­ta­men­to de In­te­li­gên­cia e Con­tro­lo do Sis­te­ma Fi­nan­cei­ro (DCS), que tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de pre­ve­nir e com­ba­ter cri­mes de or­dem fi­nan­cei­ra, den­tro do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la.

O de­par­ta­men­to, cri­a­do no âm­bi­to do tra­ba­lho de co­or­de­na­ção com os ór­gãos de in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal, de­tec­tou uma re­de de cri­mi­no­sos que, fa­zen­do-se pas­sar por mem­bros do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, di­rec­to­res e fun­ci­o­ná­ri­os do BNA, ex­tor­qui­am va­lo­res mo­ne­tá­ri­os às em­pre­sas e aos par­ti­cu­la­res, o que co­lo­cou em cau­sa a cre­di­bi­li­da­de da ins­ti­tui­ção.

Dois fun­ci­o­ná­ri­os do BNA fo­ram cons­ti­tuí­dos ar­gui­dos e res­pon­dem pe­ran­te a jus­ti­ça. “O Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do BNA re­for­çou, des­ta for­ma, os ní­veis de con­tro­lo e de su­per­vi­são in­ter­na, es­ten­den­do-se aos ban­cos co­mer­ci­ais, prin­ci­pal­men­te em ma­té­ria de ‘com­pli­an­ce’, au­di­to­ria, con­tro­lo e pre­ven­ção con­tra o bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e ou­tros cri­mes, ta­re­fas que têm si­do elo­gi­a­das pe­los par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais”, re­fe­re o co­mu­ni­ca­do.

Pa­ra o BNA, os ac­tu­ais ní­veis de con­tro­lo e de su­per­vi­são in­ter­na cons­ti­tu­em o ca­mi­nho cor­rec­to pa­ra res­ta­be­le­cer a con­fi­an­ça no sis­te­ma fi­nan­cei­ro an­go­la­no, “si­tu­a­ção que con­tras­ta com a in­ten­ção de al­guns cír­cu­los in­ter­nos e ex­ter­nos man­cha­rem o bom no­me dos tra­ba­lha­do­res e a cre­di­bi­li­da­de do BNA, pois, in­ter­na­men­te, im­pri­miu-se um sis­te­ma de con­tro­lo, ri­gor e dis­ci­pli­na, pró­prio de um ban­co cen­tral”.

A no­ta es­cla­re­ce que o BNA não pro­ce­de à ven­da de no­tas em nu­me­rá­rio, mas efec­tua tran­sac­ções elec­tró­ni­cas e trans­fe­rên­ci­as, uti­li­zan­do os cor­res­pon­den­tes ban­cá­ri­os nos mer­ca­dos eu­ro­peu e nor­te-ame­ri­ca­no. Ca­be aos ban­cos co­mer­ci­ais a res­pon­sa­bi­li­da­de de im­por­ta­ção de no­tas em mo­e­da ex­ter­na, bem co­mo a sua co­mer­ci­a­li­za­ção.

O BNA ape­la pa­ra as em­pre­sas e aos par­ti­cu­la­res que aju­dem a de­nun­ci­ar ac­tos ilí­ci­tos nas tran­sac­ções ban­cá­ri­as, nu­ma al­tu­ra em que as ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as es­tão em­pe­nha­das na pre­ser­va­ção da cre­di­bi­li­da­de e con­fi­an­ça a ní­vel na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal.

Pa­ra o efei­to , o BNA con­ta com a in­ter­ven­ção do seu De­par­ta­men­to de In­te­li­gên­cia e Con­tro­lo do Sis­te­ma Fi­nan­cei­ro, a Uni­da­de de In­for­ma­ção Fi­nan­cei­ra e os Ser­vi­ços de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal, “vis­to que nes­ta fa­se do pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to do nos­so país, o va­lor mais su­bli­me a ser pro­te­gi­do é a re­pu­ta­ção das pes­so­as e a cre­di­bi­li­da­de das ins­ti­tui­ções”, re­fe­re a no­ta.

EDU­AR­DO PE­DRO

No­vas me­di­das do BNA as­se­gu­ram ofer­ta pro­gra­ma­da e re­gu­lar de di­vi­sas no mer­ca­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.