CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JO­A­QUIM MA­NU­EL | MAR­GA­RI­DA AN­TÓ­NIO | JA­NUÁ­RIO JOÃO |

Ma­ra­to­na in­ter­mi­ná­vel

Sou mo­ra­dor do bair­ro dos Os­sos, na zo­na do mer­ca­do dos Kwan­zas, bem per­to do Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal do Sam­bi­zan­ga. Es­cre­vo es­ta car­ta pa­ra de­nun­ci­ar uma ma­ra­to­na, em sau­da­ção ao 41º ani­ver­sá­rio da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, que ini­ci­ou lo­go na pri­mei­ra se­ma­na de No­vem­bro e, pas­me-se, só vai ter­mi­nar no dia 12 de De­zem­bro, por­que os seus or­ga­ni­za­do­res e a ad­mi­nis­tra­ção do Ngo­la Ki­lu­an­ge en­ten­de­ram es­ti­car a ma­ra­to­na (fes­ti­va?).

Não te­nho na­da con­tra es­te ti­po de ce­le­bra­ções, mas acho que a ad­mi­nis­tra­ção do Ngo­la Ki­lu­an­ge es­tá a exa­ge­rar, já que mui­tos mo­ra­do­res da área são tra­ba­lha­do­res e, além dis­so, de­via ter em con­ta a pro­xi­mi­da­de do lo­cal da ma­ra­to­na de um hos­pi­tal.

O que in­co­mo­da quem tem de acor­dar ce­do pa­ra cum­prir as su­as obri­ga­ções la­bo­rais e, acre­di­to, os pa­ci­en­tes in­ter­na­dos no hos­pi­tal é a po­lui­ção so­no­ra que se pro­lon­ga por to­da a noi­te, de se­gun­da a se­gun­da.

Pa­re­ce-me que só se es­tá a pen­sar nas ta­xas que se co­bram, e não se sa­be se vão mes­mo pa­ra os co­fres do Es­ta­do, mas nin­guém se im­por­ta com o sos­se­go e a tran­qui­li­da­de dos seus mu­ní­ci­pes. Além do ba­ru­lho en­sur­de­ce­dor, que mes­mo com fa­lhas de ener­gia é sus­ten­ta­do por ge­ra­do­res, há tam­bém o pro­ble­ma da se­gu­ran­ça no bair­ro, por­que os me­li­an­tes apro­vei­tam-se da es­cu­ri­dão nou­tras ar­té­ri­as pa­ra fa­ze­rem das su­as.

Ape­lo ao se­nhor ad­mi­nis­tra­dor do Sam­bi­zan­ga pa­ra pas­sar por lá pa­ra cons­ta­tar o que acon­te­ce.

Pe­ço que po­nha fim a es­ta ba­gun­ça, por­que a pa­ci­ên­cia dos mo­ra­do­res es­tá a es­go­tar-se. Ma­ra­to­nas sim, mas ape­nas no dia das ce­le­bra­ções. Ma­ra­to­nas in­ter­mi­ná­veis não.

Obras no Sa­gra­da Es­pe­ran­ça

Os mo­ra­do­res do bair­ro Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, no Dis­tri­to Ur­ba­no da Mai­an­ga, es­tão sa­tis­fei­tos com as obras que es­tão a ser fei­tas pa­ra que ha­ja dis­tri­bui­ção de água a to­das as ca­sas. Há mui­tas pes­so­as que não têm água nas tor­nei­ras há mui­tos anos e ho­je há es­pe­ran­ça de que pos­sam des­fru­tar des­te pro­du­to di­a­ri­a­men­te, dei­xan­do de gas­tar di­nhei­ro pa­ra en­che­rem os tan­ques que se en­con­tram nos seus quin­tais.

É ne­ces­sá­rio en­tre­tan­to que se ta­pem con­ve­ni­en­te­men­te os bu­ra­cos que têm ne­ces­sa­ri­a­men­te de ser fei­tos pa­ra co­lo­car con­du­tas que vão le­var a água às re­si­dên­ci­as.

Es­ta­mos em épo­ca de chu­vas, e se não se ta­pa­rem con­ve­ni­en­te­men­te os bu­ra­cos, ha­ve­mos de ter ou­tros pro­ble­mas. Não sei que or­ga­nis­mo é que tem a obri­ga­ção de ta­par os bu­ra­cos, mas nós, mo­ra­do­res do bair­ro, fi­ca­mos pre­o­cu­pa­dos se os bu­ra­cos não es­ti­ve­rem bem ta­pa­dos.

Cen­tros in­fan­tis

Gos­ta­va que hou­ves­se mais cen­tros in­fan­tis no país. As nos­sas cri­an­ças de­vi­am ter mais lo­cais de la­zer.Era bom que as nos­sas ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais tu­do fi­zes­sem pa­ra que hou­ves­se mais cen­tros in­fan­tis nos di­fe­ren­tes bair­ros de Lu­an­da. É en­tre­tan­to importante que os cen­tros in­fan­tis sir­vam ex­clu­si­va­men­te as cri­an­ças e não se­jam uti­li­za­dos, co­mo por ve­zes acon­te­ce, pa­ra ac­ti­vi­da­des que não têm na­da a ver com as cri­an­ças.

Apro­vei­to es­te es­pa­ço pa­ra ape­lar às ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais pa­ra tra­ta­rem de re­a­bi­li­tar os cen­tros in­fan­tis que exis­tem nas su­as áre­as de ju­ris­di­ção. Há cen­tros in­fan­tis que pre­ci­sam de ser re­a­bi­li­ta­dos, na me­di­da em que os equipamentos que lá es­tão já não per­mi­tem que as cri­an­ças se pos­sam di­ver­tir, cor­ren­do es­tas até o ris­co de se ma­go­a­rem. As cri­an­ças têm di­rei­tos con­sa­gra­dos na Cons­ti­tui­ção e na lei e to­dos nós de­ve­mos tra­ba­lhar pa­ra a sua con­cre­ti­za­ção. Su­gi­ro que os ad­mi­nis­tra­do­res mu­ni­ci­pais vi­si­tem os cen­tros in­fan­tis que exis­tem nas su­as áre­as de ju­ris­di­ção, pa­ra sa­be­rem do seu es­ta­do. Pen­so que o la­zer da criança de­ve me­re­cer a pre­o­cu­pa­ção das nos­sas au­to­ri­da­des mu­ni­ci­pais. O ano lec­ti­vo ter­mi­nou re­cen­te­men­te nas es­co­las pri­má­ri­as, e era bom que as nos­sas cri­an­ças pu­des­sem des­fru­tar das in­fra-es­tru­tu­ras que o Es­ta­do cons­trói pa­ra elas se di­ver­ti­rem.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.